conecte-se conosco

Dicas

GAME: Outlast 2

Publicados

em

[Por Felipe Macedo]

Após me decepcionar com quase todos os filmes lançados no cinema neste ano, chegou para mim um grande agrado chamado Outlast 2. Sim, sei que é outra mídia porque se trata de um video game, mas ele está recheado de referências e homenagens a clássicos do cinema de terror. O game faz o que vários filmes deveriam fazer, mas esquecem ou simplesmente tem medo (o que não deixa de ser irônico): assustar o público.

Apesar de ser uma sequência enumerada, Outlast 2 segue uma história independente do primeiro, servindo como uma antologia onde o foco é a sobrevivência. Nesse capítulo, seguimos um casal de repórteres que segue a pista de um estranho caso de assassinato de uma mulher grávida, que os levam para um lugar remoto. No entanto, eles não chegam diretamente no local, pois o helicóptero que os leva cai, deixando ao nosso protagonista a missão de encontrar sua mulher e juntos saírem dali. A missão, claro, não será tão simples, pois dois grupos rivais de fanáticos religiosos estão em conflito e ambos querem seu sangue.

O game não tira o pé do acelerador e não tem dó de mostrar corpos de crianças, mulheres grávidas e outras cenas chocantes. O texto é bastante profano e demonstra a loucura que se encontra ali. A já citada questão do fanatismo é levada a níveis pesados e inimagináveis. Não fica difícil fazer uma ponte com a realidade e o poder de alienação que é capaz de “cegar” as pessoas a fazerem coisas horrendas por um suposto bem maior.

A violência é extrema e as mortes proporcionadas por nossos algozes são sempre extremamente gore. Aqui você não ataca. Sua ‘”arma” é apenas uma câmera digital, onde você registra sua jornada. Aqui além de filmar, você anda, corre e principalmente se esconde. Existe um movimento de contra-ataque que serve para derrubar os adversários, mas não é tão eficaz e não pode ser usado sempre… Ou seja, corra! A visão em primeira pessoa ajuda bastante a entrar no clima de urgência e horror. Até a datada visão noturna utilizada a exaustão no cinema funciona perfeitamente aqui.

Esteja preparado para uma experiência visceral. Eu particularmente senti no corpo toda a tensão que o game traz, já que ficava tão rígido que não conseguia jogar muito tempo. Outra coisa boa é que os sustos vão fazer parte da rotina. Até sua própria sombra vai te fazer borrar em diversos momentos. Para quem é fã de terror mais antigo vai notar as homenagens a filmes como O Iluminado, Tubarão, [Rec], Abismo do Medo, entre outros. A literatura de Lovecraft também serviu de inspiração para a construção desse pesadelo.

Outlast 2 é um respiro aliviado para o fã de terror que procura algo diferente e quer realmente se assustar. O jogo foi tão influente que o novo game de Resident Evil bebe muito dessa fonte. Mesmo assim, foi comparado pelo youtuber Velberan a um passeio no parque se comparado com essa parte 2.

O game se encontra disponível para playstation 4, Xbox One, Windows e Mac.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

"Nós deixamos de procurar os monstros embaixo de nossas camas, quando percebemos que eles estão dentro de nós"

Continue lendo
1 comentário

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dicas

DICA DA SEMANA: O Escondido (1987)

Publicados

em

O Escondido

A dica desta semana é um daqueles filmes que mesclam lindamente o gênero policial com horror e sci-fi. “O Escondido” (The Hidden), lançado em 1987, traz pra gente uma história aparentemente batida, mas bem conduzida a ponto de ficarmos na expectativa do que virá a acontecer cena após cena.

Em termos de ação, o longa já começa explodindo tudo com uma perseguição de carros e viaturas policiais. A caçada humana ocorre por conta de um sujeito aparentemente pacato que, do nada, assaltou um banco, matou um bocado de gente, deixou mais meio mundo de gente ferida e infringiu várias leis de trânsito na fuga.

No final da perseguição, ele é levado a um hospital em estado grave onde é revelado para nós espectadores o motivo pelo qual ele estava transtornado. Neste rastro de morte e confusão, o sujeito vinha sendo rastreado também por um misterioso agente do FBI (Lloyd Gallagher, alguns anos antes de Twin Peaks) que aparentemente sabe o que está rolando.

Possivelmente a maioria das pessoas que viveu os anos 80, já conhece o filme ou sabe do que se trata o tal “escondido” do título, no entanto pra garantir um melhor aproveitamento de quem nunca o assistiu, vou parando por aqui na sinopse.

É claro que “O Escondido” tem alguns pontos fracos, a começar pelo seu style datado que inclui uma trilha bem metal farofa característica da época e aquela obsessão yuppie por carros conversíveis. Mas o que você, caro leitor, precisa saber, é que se você curtiu “Enigma do Outro Mundo” e “O Exterminador do Futuro” (o primeiro e não aquelas continuações), certamente vai curtir este filme aqui também.

O Escondido” está disponível em versão legendada atualmente na mais nova plataforma de streaming brasileira: Vix. O bom é que pra ver filmes e séries não precisa de cadastro e nem de assinatura, mas de tempos em tempos aparece propaganda entre as cenas como ocorre em alguns canais de Tv a cabo.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: A Casa do Espanto (1986)

Publicados

em

A Casa do Espanto

Não vou mentir, A Casa do Espanto (House, 1986) é ruim que dói. Mas é aquele ruim, tão ruim, que é bom. E para quem já tá aí na faixa dos 40, vale pelo saudosismo, pois o filme passava o tempo todo na Globo, na segunda metade dos anos 80 e início da década de 90. Quando era criança, eu morria de medo, hoje tem cena que dá até vergonha alheia.

Mas vamos à sinopse dessa pérola dirigida por Steve Miner (o mesmo de Sexta-feira 13 parte 2 e 3 e Warlock: o Demônio) e escrita por Fred Dekker (Deu a Louca nos Monstros e A Noite dos Arrepios). O roteiro, bem sem pé nem cabeça, acompanha o escritor Roger Cob, que cresceu na casa da tia, após ficar órfão, e retorna para lá, depois que a velha morre.

Azarado é ele. Além de seu filho ter sumido misteriosamente nessa mesma casa, ele ainda está passando por um processo de divórcio. Não bastasse isso, tem trauma de quando lutou na guerra do Vietnam e ainda agora mora em uma casa assombrada. Mas era assombrada quando ele morou lá criança ou já como adulto e pai de família? Ninguém sabe e ninguém liga.

O que interessa em A Casa do Espanto é o suco dos anos 80 que sai do filme, com aquela clássica mistura de comédia com horror, maquiagem tosca e cenas sem sentido, apenas pra dar um susto ou outro no espectador. Tem no YouTube, dublado, que é testar sua paciência mesmo. Boa sorte!

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: A Noite do Lobo (1972)

Publicados

em

Noite do Lobo

O horror vindo da licantropia vem bem antes de aparecer o cinema. A lenda do lobisomem existe há centenas de anos. Os europeus trouxeram o medo da lua cheia quando nos colonizaram e a história se adaptou perfeitamente à nossa realidade. Livros e filmes foram lançados aos montes sobre o tema e cada um ao seu modo.

Tomei conhecimento do filme “A Noite do Lobo” através do mestre do terror Stephen King e seu livro de não-ficção “Dança Macabra”. O mestre cita algumas vezes a obra e fiquei curioso a ponto de correr atrás desse filme feito para TV no início dos anos 70.

A trama segue a rotina de uma pequena cidade americana que tem sua paz ameaçada quando estranhos e violentos assassinatos começam a brotar. O xerife da cidade e uma crush do passado começam a investigação e chegam a conclusão de que a ameaça está longe de ser totalmente humana. Daí surge a dúvida de quem ou o que seria a besta feroz que ataca todas as noites.

Os anos 70 são conhecidos por trazer boas produções televisivas e explorar bastante o sobrenatural e o terror. “A Noite do Lobo” é um desses casos, mas que ficou incrivelmente datado se for visto pelos olhos de hoje. Isso inclui seus enquadramentos, estética e condução narrativa que peca na passagem do tempo. Ainda assim sobra um charme setentista que pra mim é incrivelmente sedutor.

A trama é conduzida mais como mistério do que horror. Então não espere ataques violentos e muito menos sustos. O foco aqui é o de descobrir a identidade do bicho (que convenhamos não é tão difícil de acertar) e salvar as pessoas da cidade. Os efeitos visuais e a maquiagem do lobisomem são bem pobres, mas confesso que me dá arrepios ao ver a fera sendo retratada de uma forma mais humanoide.

No momento da publicação deste texto, é possível assistir “A Noite do Lobo” no YouTube. Assistam de boa e curtam uma história legal que ainda é pouco conhecida. Quem sabe não é este filme que pode agradar você que não é assim tão fã da criatura.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending