conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: O Rastro (2017)

Publicados

em

[Por Felipe Macedo]

Estreou recentemente o filme de mistério e horror nacional “O Rastro”. Ele veio cheio de expectativas com um bom trailer e até uma participação na CCXP com a presença de parte da equipe. Protagonizado por atores famosos de novelas globais como: Rafael Cardoso, Leandra Leal, Cláudia Abreu, Felipe Camargo e outros, a produção tinha cara de blockbuster nacional e tinha a chance real de popularizar esse nicho por aqui.

O Rastro” segue um jovem médico (Cardoso) que trabalha para a prefeitura e fica responsável de fechar um antigo hospital no centro da cidade do Rio de Janeiro. Apesar das tentativas contrárias de seus colegas de profissão de tentar continuar com o funcionamento do local, ele precisa concluir essa ingrata missão. Nesse ínterim ainda tem que cuidar de sua esposa grávida (Leal) e lidar com seu chefe (Camargo).

A situação seguia até com uma certa ordem até que o hospital recebe uma paciente de última hora e a mesma desaparece no dia da evacuação do local. O jovem médico começa uma busca pela verdade e entra numa jornada onde fantasia e realidade se misturam e o sobrenatural pode realmente existir.

Esteticamente, “O Rastro” segue bem os moldes dos últimos longas de horror pipoca que invadiram o cinema. Principalmente os do diretor James Wan. E aí? Fica legal? Quando se é bem feito o feijão com arroz pode ser bem saboroso, mas aqui o realizador brasileiro não soube encontrar o ponto da receita.

Outro ponto importante de se destacar é que a produção não soube lidar com um elenco estrelado. Os atores parecem perdidos no meio dessa bagunça. Chega a dar dó ver Cláudia Abreu num papel fraco e forçado. O protagonista até tenta, mas Rafael Cardoso é um ator limitado e chega a ser risível quando seu personagem começa a surtar.

O roteiro é um remendo de várias situações de filmes famosos. Apesar de ser apressado e forçado, confesso que acontece até um bom plot twist, só que ele é tão mal estruturado e, como já disse antes, apressado que tira boa parte da graça. Talvez se essa fosse a trama do filme, pelo menos desde o meio de projeção poderia ter sido mais desenvolvido.

Pra piorar, o diretor insiste em sustos feitos com jumpscares o tempo todo. Com isso, o som do longa é problemático demais. Tudo é muito alto e qualquer objeto de cena causa um barulho ensurdecedor, causando irritação em quem assiste. Vale destacar a cenografia e fotografia, ambas muito boas, mas que acabam desperdiçadas nessa bagunça.

A critica dada pelo roteiro é super válida na ideia de mesclar o horror sobrenatural com o real. Afinal, o estado de alguns hospitais públicos são tão lastimáveis que não duvido que não existam forças sobrenaturais clamando por justiça e vingança. Infelizmente, não vai ser dessa vez que o horror nacional vai ser popularizado. Não adianta querer emular o que deu certo em produções estrangeiras sem o mínimo de coerência e talento.

Escala de tocância de terror:

Titulo: O Rastro
Diretor: J.C Feyer
Roteiro: André Pereira, Beatriz Manela
Elenco: Rafael Cardoso, Leandra Leal , Felipe Camargo e outros
País de origem: Brasil

Continue lendo
1 comentário

1 comentário

  1. Canal Dissecando

    26 de Maio de 2017 a 13:33

    Que broxssss haha mesmo assim quero ver

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending