conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: A Múmia (2017)

Publicados

em

Múmia

As areias do tempo as vezes trazem coisas boas e também trazem releituras desnecessárias de clássicos do passado. Seja na música, nos games ou nesse caso nos cinemas. O novo A Múmia (2017) tem a missão de iniciar o universo compartilhado de monstros da Universal. O longa protagonizado por Tom Cruise mostra que esse caldo tá mais para uma mistura entre Penny Dreadful (2014-16) e A Liga Extraordinaria (2003).

Cruise interpreta Nick Morton, um integrante do exército americano extremamente cínico e egoísta que acidentalmente libera a mortal múmia de sua prisão e se vê no alvo da criatura que tem planos nefastos para ele. Resta a ele apenas fugir, enquanto descobre um jeito de parar a maldição e a sedutora Ahmanet.

“A Múmia” segue os passos da versão de 1999 com Brendan Fraser, ou seja, prioriza mais a aventura do que o horror, embora esse tenha mais momentos dark que seu antecessor. O diferencial e o principal problema dessa nova versão é que as cenas de ação são tão plásticas e sem sentimento que mesmo sendo bem feitas, não passam nenhuma emoção a quem assiste. O clímax é um bom exemplo disso. Até mesmo os figurantes são tão falsos e causam tal estranheza que eventualmente causam riso pela artificialidade da cena.

Culpa disso vem do diretor Alex Kurtzman que não consegue causar empatia pelos personagens, mesmo eles sendo clichês certos desse tipo de filme. Mesmo nas cenas de ação, não existe empatia nenhuma. A única exceção é da vilã, que primeiramente é mostrada como empoderada, para depois ficar submissa à vontade de um Deus masculino. Vale citar também a mocinha que é a típica garota em perigo que depende unicamente do herói para se salvar das situações (que feio roteiristas! que feio!). O roteiro também tem sua grande parcela de culpa, apelando para momentos clichês, soluções fáceis e na criação de momentos verdadeiramente piegas que desconstroem os personagens.

Uma coisa a se notar é que o roteiro é uma verdadeira colcha de retalhos, chupando situações de filmes famosos como: Um Lobisomem Americano em Londres, Piratas do Caribe e Missão Impossível, além dos já citados no início. Antes que esqueça, o possível elo entre os filmes será Henry Jekyll, interpretado de forma cartunesca por Russel Crowe. A situação piora quando o Mr. Hyde entra, além de uma caracterização ruim, o ator exagera tanto na tinta que o resultado é constrangedor.

No fim, A Múmia vai agradar quem procura uma sessão pipoca descerebrada e clichê. O início desse dark universe é bem fraco e coloca em cheque a qualidade dessa possível franquia.

Escala de tocância de terror:

Título: A Múmia
Ano: 2017
Diretor: Alex Kurtzman
Roteiro: David Koepp, Christopher McQuarrie,Dylan Kussman
Elenco: Tom Cruise, Sofia Boutella,Russel Crowe, entre outros

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

"Nós deixamos de procurar os monstros embaixo de nossas camas, quando percebemos que eles estão dentro de nós"

Continue lendo
9 Comentários

9 Comments

  1. augusto

    11 de junho de 2017 a 19:42

    Acho que pelo trailer, ninguém esperava algo além de um filme meia boca.

  2. estefane

    12 de junho de 2017 a 11:52

    maravilhoso o filme.

  3. Louvise

    21 de junho de 2017 a 01:14

    concordo plenamente que filme uó muito fraco, história nada haver…mistutar templários com múmia e o Dr Hayde…. a unica parte que valeu a pena foi “easter eggs” do livro de amon-ra que teve uma aparição timida kkkk

  4. Kysse

    7 de julho de 2017 a 22:28

    E pensar que gastei 33 reais para assistir está merd*.

  5. edugnf

    16 de julho de 2017 a 22:25

    Achei um filme com bons efeitos … mas o roteiro e a direção foram fracos demais… muito dinheiro gasto com um tema recorrente no cinema onde outras versões foram melhor executadas … até a com Boris Karloff ganha facil dessa…. achei o mesmo que vc disse sobre ser dificil sentir empatia dos personagens…
    O Lobisomem 2010 apesar de muitos criticarem … para mim é grande filme muito bem feito !!! Agora essa Mumia não dá pra salvar… nem o Tom Cruise… acho que terror não é muito a praia dele … salvo de Olhos bem Abertos 1999 … que é mais Suspense !!!

  6. Eduardo Cavalcante

    5 de outubro de 2017 a 20:55

    Na versão de 1999, a múmia foi amaldiçoada por causa de um amor proibido, e ao despertar, seu desejo não é apenas a vingança ou destruição da humanidade, ela quer trazer de volta à vida o seu grande amor. A trama é tão bem feita, que corremos o risco de torcer pela múmia ao invés do mocinho. Já nessa versão de 2017, o motivo que leva a princesa a se entregar ao mal e ser amaldiçoada, é fútil demais! Não justifica!

    A tentativa da Universal em inserir o seu Dark Universe, não tinha dado muito certo desde o filme “Drácula: A história nunca contada” e agora com essa versão de “A Múmia” que foi um fracasso de bilheteria nos EUA, (e aqui também não recebeu muitas críticas positivas), o futuro desse universo de monstros da produtora ficou bastante incerto.

    Dicas e análises sobre temas relacionados ao Horror, Ficção Científica e Fantasia. Acesse o site: http://www.bautrash.com.br/
    Siga nossa página no facebook: https://www.facebook.com/bautrash/

  7. Pingback: RETROSPECTIVA: Melhores e Piores Filmes de 2017 | Toca o Terror

  8. Luciana Costa

    8 de maio de 2018 a 13:04

    Vi este filme por que amo aos atores que participam nele. Sofia Boutella, ela sempre surpreende com os seus papeis, pois se mete de cabeça nas suas atuações e contagia profundamente a todos com as suas emoções. Adoro porque sua atuação não é forçada em absoluto. Seguramente o êxito de filme Sofia Boutella deve-se a suas expressões faciais, movimentos, a maneira como chora, ri, ama, tudo parece puramente genuíno. Sempre achei o seu trabalho excepcional, sempre demonstrou por que é considerada uma grande atriz, e a sua atuação é majestuosa.

  9. Fabio Teodoro

    1 de janeiro de 2020 a 13:36

    bom, assisti o filme mais como aventura do que terror, achei bem bacana pois não tinha nenhuma expectativa dele ser bom, serve pra se divertir, embora eu tenha nesse quesito gostado bem mais do filme com Brendan Fraser. Mas é passável pra uma tarde chuvosa com bolinho e refri.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Homem nas Trevas (2016)

Publicados

em

homemnastrevas_3

[Por Felipe Macedo e Jarmeson de Lima]

O diretor Fede Alvarez, retorna com seu novo trabalho, após ser descoberto pelo diretor Sam Raimi e juntos terem realizado o remake do clássico “Evil Dead – A Morte do Demônio“. O novo trabalho em questão é “O Homem nas Trevas” (Don’t Breathe), mais uma vez produzido pelo seu tutor hollywoodiano. O longa vem como desafio e servirá para provar se o diretor uruguaio seria realizador de um filme só ou se terá vida própria dentro da sétima arte. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Amizade Desfeita (2015)

Publicados

em

Amizade Desfeita

Parece que o formato ´captura de tela´ é o novo ´found-footage´ que veio pra ficar. Agora é a vez da Universal Pictures que resolveu apostar nessa produção da Blumhouse Productions (Sobrenatural, The Purge, Ouija) intitulada Amizade Desfeita (Unfriended) que não passa de mais um filme genérico de fantasma vingativo contra adolescentes descerebrados.

Unfriended.2014.720p.WEB-DL.600MB.MkvCage.mkv_snapshot_00.00.55_[2015.08.01_02.27.24]

O filme abre com um vídeo flagrante de uma garota chamada Laura Barns cometendo suicídio e sabe-se logo em seguida que a mesma era vítima de cyber-bullying. Com roteiro de Nelson Greaves e direção de Leo Gabriadze, o longa nos mostra tudo através da captura de som e imagem da tela do notebook de Blair, que após assistir tal tragédia, se conecta com o namorado, Mitch, pra fazer amorzinho virtual pela webcam. Tesão, hein? Eis que de repente, quatro amigos invadem o chat do casal formando uma conversa em grupo no por Skype. Ô beleza! E para quebrar o clima valendo, um usuário não identificado entra na vídeo conferência grupal e começa a tocar o terror pra cima da galera.

Vale lembrar que essa narrativa ‘web-footage’ não é novidade, pois já foi utilizado pelos eficientes The Den (2013) e Open Windows (2014 – com Sasha Grey e Elijah ´Frodo´ Wood). É uma pena que no caso de Unfriended, essa escolha não foi das mais felizes, pois ao contrário do já citado Open Windows, a câmera não passeia pela tela da protagonista, ficando em uma tela cheia estática que, vez por outra, vira uma confusão de janelas abertas de tudo quanto é site e aplicativos. Por falta de criatividade(?) ou para criar mais senso de realidade, não foram criados programas fictícios. Sendo assim, tudo roda num MacBook com seu iOS, os aplicativos são o Skype e Messages, os sites são o Google, Youtube, Facebook etc.

Unfriended.2014.720p.WEB-DL.600MB.MkvCage.mkv_snapshot_00.47.33_[2015.08.01_02.37.11]

Voltando ao enredo, a coisa fica cabulosa quando o tal hacker clama ser a finada Laura e passa a enviar, e postar, fotos e vídeos  comprometedores de cada um no Facebook através dos perfis deles mesmos. Claro que isso gera confusão até perceberem que tudo é obra do tal penetra virtual. Detalhe que a princípio, só o casal, Blair e o Mitch, sabe que se trata supostamente da falecida amiga que, obviamente, os acusa de terem provocado a sua morte. Inicialmente, o joguinho da discórdia funciona, mas, apesar de algumas mortes, começa a ficar chato. A coisa só melhora pra lá da segunda metade do longa, quando a fantasma virtual, que até a luz da casa deles consegue apagar, se revela para todos. Agora, ela decide botar pra foder geral com uma espécie de jogo da verdade onde quem perde morre. O desespero é geral e as atuações exageradas até que rendem boas risadas.

Agora, Amizade Desfeita empolga e pequenos detalhes vão dando um charme todo especial, como quando a Blair mente descaradamente pra o namorado e o espírito bota pra tocar a música “How you lie, lie, lie” (Como você mente, mente, mente) do Connie Conway e ela fica tentando sem sucesso fechar o player de música; ou quando em vários momentos a protagonista escreve, apaga e rescreve as mensagens pra defunta no chat do Facebook, nos dando assim indícios que ela está escondendo algo dos amigos e de nós. As mortes são simples e convincentes dentro da limitação do avatar da webcam dos protagonistas. O clima de suspense sobre a identidade do hacker do além funciona até certo ponto.

Unfriended.2014.720p.WEB-DL.600MB.MkvCage.mkv_snapshot_00.18.05_[2015.08.01_02.35.01]

A persona sádica e sagaz de Laura Barns é uma grata surpresa. Ela tortura sem dó nem piedade cada um, desconstruindo e derrubando todas as máscaras de amizade e lealdade do grupo. Sempre com uma carta na manga, essa a alma sebosa merece o prêmio joinha de ´feladaputagem´ do próprio Capeta, pois se utiliza do mesmo modus operandi, no papel de acusadora e agente do caos. Detalhe esse que, apesar de funcionar, não foi elevado a máxima pelo enredo até o fim, mas talvez eu esteja querendo demais de uma produção mainstream.

Com alguns pontos positivos, o fato é que esse formato cansa e o já mencionado problema do ponto de vista fixo só contribui para isso. No fim das contas, Amizade Desfeita até que é um filme eficiente e cruel, mas infelizmente não segura a onda “precisando” trair o próprio formato para concluir a trama.

Unfriended.2014.720p.WEB-DL.600MB.MkvCage.mkv_snapshot_00.14.59_[2015.08.01_02.25.38]

Nota: Amizade Desfeita custou apenas R$ 1 milhão e faturou cerca de 32 milhões nos EUA e tem sua estreia nos cinemas brasileiros marcada para 12 de Novembro.

Escala de tocância de terror:

Título alternativo: Cybernatural

Direção: Levan Gabriadze
Roteiro: Nelson Greaves 

Elenco: Heather Sossaman, Matthew Bohrer e Courtney Halverson
Origem: EUA e Rússia

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Doutor Sono (2019)

Publicados

em

Doutor Sono

[Por Osvaldo Neto]

As adaptações das obras de Stephen King, um escritor que goza de imensa popularidade internacional, são quase que um subgênero do horror no cinema e TV. Desde que Brian De Palma fez CARRIE – A ESTRANHA que filmes e séries baseados e/ou inspirados pelo autor são produzidos em escala massiva e geram bastante expectativa para quem acompanha o gênero. Chegando às salas comerciais pouco após IT – CAPÍTULO 2, DOUTOR SONO é a segunda grande produção da Warner Bros com a grife S. K. lançada em 2019 com estreia nacional nesta semana.

(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending