conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Annabelle 2: A Criação do Mal (2017)

Publicados

em

Annabelle Creation

[Por Felipe Macedo e Jarmeson de Lima]

Após se tornar um fenômeno de crítica e bilheteria, a franquia Invocação do Mal começou a ganhar alguns spinoffs como o primeiro Annabelle e o já anunciado filme da freira Valak. O fato é que o primeiro filme da boneca que roubou a cena no primeiro Invocação ficou aquém do esperado e tudo o que se viu foi uma produção insossa e mal realizada. Agora, dois anos depois, chegou a sequência prometida com uma tentativa de evolução da história em todos os sentidos, contando a “verdadeira origem” por trás da maldição.

“Nossa, que bom que fizeram mais um filme que explica tudo mastigadinho”

A história segue um grupo formado por uma freira e algumas órfãs rumo a uma casa no meio do mato para formar no local um novo orfanato. Chegando lá são recebidas por um senhor que é um dos donos da casa recebendo-as de maneira bem fria e distante. Sua mulher, no entanto, não pode acolher as visitas porque vive muito debilitada e reclusa em seu quarto. E enquanto as meninas vão tentando entrar na rotina do lugar, descobrem que existe mais uma residente, a vilanesca boneca que dá o nome ao filme. A partir daí, as moças descobriram o terror e o medo que só Annabelle sabe proporcionar com seu histórico de maldades.

“Não acredito que o Toca o Terror não adorou o filme!”

Bem, dito isso, temos todos os ingredientes necessários para um filme de casas assombradas com todos os clichês que se imagina nesse tipo de produção. Particularmente não achei isso um demérito, já que tecnicamente esse é beeeem superior ao primeiro filme e o trabalho de fotografia e da equipe criativa proporciona um bom clima onde se cria uma aflição por cantos escuros e do que pode sair de lá. Imagine que altos jumpscares virão obviamente dessas cenas. A direção segue a cartilha do produtor James Wan e a sensação que fica é que o cara também dirigiu esse episódio, apesar de que o diretor de verdade é David F. Sandberg, criador de “Lights Out“, outra cria da escola Waniana.

“Ou fazem o próximo filme dela ao lado do Fofão ou digam adeus a Annabelle”

Além das influências óbvias, o roteiro nos traz uma dupla de protagonistas carismáticas ajudando o público a temer pelo seus destinos. Alguns momentos sinistros ainda arrancam aquele sorrisinho nervoso, mas como nem tudo são flores, temos que reconhecer que o ponto chave do roteiro é bastante furado e nos causa um certo incômodo. O problema mais uma vez é tratar o público como crianças que precisam ver explicações redundantes e sustos na tela a cada minuto.

Veredito final:

* Dentro de tantas produções fracas que chegam ao nosso cinema, Annabelle 2 é de certa forma um bom filme e promete divertir quem gosta de uma diversão pipoca. (Felipe)

Escala de tocância de terror:

* Annabelle 2 é mais um daqueles filmes bestas que não se sustenta em pé e que para não ser totalmente esquecido apela aos easter-eggs do universo Waniano como forma de capturar a atenção do espectador. (Jarmeson)

Escala de tocância de terror:

Título: Annabelle: Creation
Diretor: David F. Sandberg
Roteiro: Gary Dauberman
Elenco: Lulu Wilson, Talitha Bateman, Miranda Otto, Antony LaPaglia
País de origem: EUA

* Filme visto na Cabine de Imprensa e na Pré-Estreia promovidas pela Espaço Z no Cinemark Rio Mar

Continue lendo
3 Comentários

3 Comments

  1. Pingback: VIDEOCAST: Bonecos do Terror | Toca o Terror

  2. Eduardo Cavalcante

    5 de outubro de 2017 a 20:58

    A história é básica e o telespectador mais cascudo, já mata a charada nos primeiros 15 minutos. Mas nem por isso o filme é ruim. Algumas cenas garantem alguns sustos, se você deixar rolar. Os personagens são básicos, mas bem interpretados pelo elenco.

    Annabelle não tem nada de inovador e não acrescenta nada de novo ao gênero. É um filme mediano, mas que ainda assim vale á pena dar uma conferida.

    Dicas e análises sobre temas relacionados ao Horror, Ficção Científica e Fantasia. Acesse o site: http://www.bautrash.com.br/
    Siga nossa página no facebook: https://www.facebook.com/bautrash/

  3. Pingback: RETROSPECTIVA: Melhores e Piores Filmes de 2017 | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Poço (2020)

Publicados

em

O Poço

Com uma produção modesta com apoio do governo espanhol e distribuição da Netflix, “O Poço” (El Hoyo) mescla mistério, drama e ficção científica numa trama que é fácil de resumir, mas difícil de explicar. Assim como obras como “Cubo” e “Demônio“, a ação deste filme se concentra em alguns poucos cenários, restando aos atores imprimir um trabalho que chama a atenção do público.

O estreante em direção de longas, Galder Gaztelu-Urrutia, apresenta aqui uma história que se passa em uma espécie de prisão vertical, em que cada andar abriga dois presos. A plataforma não possui grades ou janelas… apenas as paredes, camas e um buraco no chão e no teto que é por onde uma vez por dia desce uma grande mesa de comida.

E é através do comportamento dos presos frente às refeições que são destrinchadas analogias sociais de opressão, solidariedade e das relações de poder que vão de cima para baixo literalmente. Quem tem sorte de ficar nos níveis superiores tem a chance de comer as refeições com os pratos ainda intactos e limpinhos. Já quem está mais abaixo vai tendo que se contentar com o que vai sobrando sem que nehum dos confinados tenha a preocupação de deixar algo para quem vai se alimentar depois. 

Nesta situação de isolamento dividida em um lugar onde você não queria estar e com quem você não queria conviver, o lado obscuro de cada um se revela e podemos esperar o pior na medida em que vemos o que acontece nos níveis inferiores do Poço. Podia ser só um filme tipo crítica social ao sistema carcerário, mas ele abrange uma metáfora maior sobre nossa presença no mundo e nossa responsabilidade diante da escassez e desperdício de alimentos.

Apesar de ter um ritmo mais reflexivo, “O Poço” sempre guarda cenas impactantes (e com boa dose de gore) no desdobramento de sua história garantindo uma certa fluidez pra quem assiste. Obras assim que oferecem algo a mais do que aparentam estão em falta no cardápio da Netflix, mas são sempre bem vindas.

Escala de tocância de terror:

Título original: El Hoyo
Diretor: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteirista: David Desola
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Eguileor, Antonia San Juan
País de origem: Espanha

Continue lendo

Trending