conecte-se conosco

Dicas

RESENHA: Raw (2017)

Publicados

em

raw

[Por Gabriela Alcântara]

É possível um filme ser grotesco e ainda assim ser extremamente belo e erótico. A prova pode ser vista em “Raw” (no Brasil traduzido também como “Grave”), de Julia Ducornau, que está disponível na Netflix. Apesar dele ter ganhado burburinho nos últimos anos por ter ganho diversos prêmios – incluindo o FRIPESCI da Semana da Crítica de Cannes – e teoricamente ter feito muitas pessoas vomitarem, confesso que evitei assisti-lo por um tempo – na verdade justamente por isso.

No final das contas, “Raw” não tem nada demais pra te fazer vomitar – exceto por uma cena envolvendo cabelos que realmente me deixou enjoada – e chega alcança a beleza graças à sua fotografia e trilha sonora. Nele acompanhamos o início da vida universitária da jovem Justine (Garance Marilier), que está entrando no curso de veterinária.

Acredito inclusive que o filme foge um pouco do horror e encontra um lugar muito próximo ao drama, retratando o início da vida adulta de Justine e as relações complicadas com sua irmã mais velha Alexia (a belíssima Ella Rumpf) e uma paixão platônica pelo colega de quarto gay Adrien (Rabah Nait Oufella).

Para além disso, o filme é um respiro dentro do gênero – ao pensarmos nele também como um horror, afinal de contas as duas irmãs gostam do sabor da carne humana – por trazer personagens femininas complexas, fugindo daquela merda de final girl gostosa e virgem. Trunfo alcançado principalmente pelo fato de termos aqui uma roteirista e diretora mulher, algo que vem crescendo dentro da cena nos últimos anos.

Como todo bom filme de terror vindo de qualquer outro lugar do mundo que não seja Hollywood – neste caso da França – “Raw” traz ainda a maravilha de não ter o abuso dos jumpscares. O horror aqui está muitas vezes na contemplação, além do ato de canibalismo em si (óbvio) e também na expectativa que nos segura até o fim, porque a forma como as irmãs lidam com esta situação é tão crua – e por vezes descompensada – que é claro que aquilo vai dar em merda alguma hora.

Do meio pro fim a vida de Justine vira quase um Polishop de horrores, e o final não deixa a desejar. Com uma fotografia belíssima e o grande uso de luzes expressivas, além da paleta de cores atípica ao cinema de gênero – e por isso mesmo uma grata surpresa àqueles que gostam de fugir do mais do mesmo – “Raw” é um bom filme pra começar o seu final de semana.

Dicas

DICA DA SEMANA: Eu Enterro os Vivos (1958)

Publicados

em

Eu Enterro os Vivos

[Por Osvaldo Neto]

Robert Kraft (Richard Boone), um homem bem sucedido, recebe a tarefa de cuidar do cemitério da cidade, que é administrado pela sua família, também dona de uma grande loja local de departamentos. Enquanto não arranja um substituto, ele recebe a assistência de Andy McKee (Theodore Bikel, roubando cenas), um antigo funcionário que trabalha no local há 40 anos e irá se aposentar. É quando Robert se depara com um enorme mapa no escritório que contém todos as sepulturas, as ocupadas (marcadas por alfinetes pretos) e desocupadas (marcadas por alfinetes brancos). (mais…)

Continue lendo

Dicas

LISTA: Filmes que parecem Black Mirror

Publicados

em

Lista Black Mirror

[Por Jarmeson de Lima]

Recentemente acabei encarando uma série de filmes que pareciam extraídos do cultuado seriado britânico “Black Mirror“. Pra quem já viu, sabe que a tônica é ver histórias em um futuro distópico com situações onde a humanidade e a sensibilidade humana é posta em xeque com um tom pessimista. (mais…)

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: Amityville II – A Possessão (1982)

Publicados

em

Amityville II - A Possessão

[Por Jarmeson de Lima]

O atento leitor desta seção de dicas vai notar que poucas vezes recomendamos continuações. Quando isso acontece é com obras que saem da previsível curva em que algumas franquias se incluem, dando mais do que se espera. E por isso mesmo acabam sendo odiadas pelos mais puristas e amadas pelos demais. (mais…)

Continue lendo

Trending