conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: A Torre Negra (2017)

Publicados

em

[Por Felipe Macedo]

Stephen King é um dos dos autores mais adaptados do cinema e em meio a tantos filmes, a maioria é de qualidade duvidosa. Poucos são os que merecem ser dignos de menção. O novo longa baseado em sua obra é inspirado na série de livros A Torre Negra e que de acordo com o próprio King bebe da fonte de Tolkien na construção do universo e criaturas fantásticas.

A trama é mostrada através de Jake, um garoto aparentemente comum que vive em Nova Iorque com sua mãe e padrasto. O garoto passa por um grande trauma na morte de seu pai e desde então tem sonhos estranhos envolvendo o misterioso homem de preto e o pistoleiro. A sua vida sofre uma reviravolta ao descobrir que seus sonhos são reais e que é peça fundamental para a salvação ou destruição do mundo.

Para variar, a obra não é fiel ao material original, pegando elementos de vários livros para compor a história. Mesmo tendo um belo visual, ele acaba sendo bem superficial. Nenhum personagem é devidamente desenvolvido e acabam sendo estereotipados. O vilão é tão malvado, mas tão malvado que é capaz de tirar doce de criança. E realmente existe uma cena que mostra uma variação disso! O pistoleiro é um herói relutante, que também passou um grande trauma sendo consumido pelo desejo de vingança. Mas aí no decorrer do filme, ele se lembra do que é ser herói. O garoto Jake, que deveria ser o espelho do público, não passa o encantamento pelo novo mundo e fica apático durante boa parte da história.

A direção de arte consegue criar cenas de ação visualmente lindas, mas sem o mínimo de impacto pessoal, o que acaba prejudicando bastante o elo entre público e personagens. Ainda vale salientar que o último ato é apressado e incrivelmente previsível. A Torre Negra acaba sendo um filme bastante esquecível e mesmo não sendo o pior das obras baseadas em Stephen King, não deve agradar a todos que esperam uma boa diversão.

Ps: O filme terá um complemento através de uma série de Tv e o filme passa a impressão de ser um piloto de luxo.

Escala de tocância de terror:

Título: A Torre Negra
Diretor: Nikolaj Arcel
Roteiro: Nikolaj Arcel, Akiva Goldsman, Jeff Pinkner
Elenco: Idris Elba, Matthew McCounaughney, Tom Taylor
País de origem: EUA

Filme visto na Cabine de Imprensa promovida pela Espaço Z no Cinemark Rio Mar

Continue lendo
10 Comentários

10 Comments

  1. Alan Martins

    24 de agosto de 2017 a 10:54

    Uma grande decepção para quem leu os livros. Não que eles são os melhores livros do mundo (não são nem as melhores obras do King), mas o filme fugiu muito daquilo que King criou.

  2. kylsonestellfran

    24 de agosto de 2017 a 13:38

    Muito bom Felipe ^^

  3. Euler Neto

    28 de agosto de 2017 a 23:00

    Eu já assisti o filme sem a pretensão de comparar fielmente ao livro, até porque juntando os 7 livros dá em média 4 mil páginas, o que é impossível retratar num filme de 1 hora e 35 minutos. Achei bacana a forma de condensar os livros em um único filme mas também achei, como dito nessa resenha, que o último ato deixou a desejar, poderia ser melhor aproveitado.
    Apesar que quem não conhece o livro provavelmente não vai entender muita coisa quando assistir o filme, mas para mim como grande fã da série gostei da importunidade de ver a história dA Torre Negra em uma tela de cinema.

    • Euler Neto

      30 de agosto de 2017 a 18:58

      Na pressa acabei escrevendo errado. No final o certo é: “gostei da OPORTUNIDADE”.

  4. Pingback: RESENHA: IT – A Coisa (2017) | Toca o Terror

  5. Pingback: RESENHA: IT, A coisa (2017) | Blog do Guttão

  6. Pingback: RESENHA: 1922 (2017) | Toca o Terror

  7. Pingback: RESENHA: IT – A Coisa (2017) – Título do site

  8. Pingback: RETROSPECTIVA: Melhores e Piores Filmes de 2017 | Toca o Terror

  9. Pingback: DVD: Stephen King – Contos de Terror (DVD Duplo) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending