conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Mãe! (2017)

Publicados

em

Mãe

[Por Jarmeson de Lima]

Assistir a um filme de Darren Aronofsky é sempre uma experiência interessante. Bem ou mal, ele tem conseguido imprimir sua marca e suas fórmulas visuais na tela. E se você está cansado de ver historinhas simples sendo contada de uma forma convencional, tenha certeza de que “Mãe!” (Mother!) é o que você procura.

Não digo com isso que é um filme totalmente despirocado e nonsense. Mas dependendo da sua paciência para ver duas horas de um roteiro que flerta com o surreal para depois lhe pegar desprevenido, “Mãe!” pode vir a ser uma surpresa ou uma catástrofe. Eu mesmo fiquei me equilibrando nessa corda bamba sem saber bem se estava ou não gostando do que estava se passando até o último segundo. Uma coisa é certa: assim como foi com outros filmes, Aronofsky vai dividir opiniões e ser muito comentado pela controvérsia narrativa.

Na verdade, “Mãe!” lembra de certa forma dois filmes bem curiosos. Um é “Fonte da Vida”, do próprio Aronofsky. E o outro é “O Anjo Exterminador”, de Buñuel. Tentaram vendê-lo como “O Bebê de Rosemary” por conta dos personagens principais, mas a película de Polanski serve apenas como uma vaga comparação. Parece-me às vezes que Aronofsky faz um filme não pro estúdio ou pro público, mas só pra ver o que vai dar. Uma coisa meio “arte pela arte” para ficar bonito em seu portfólio.

Pra quem já conhece a peça, digo, diretor, sabe que ele tem uma certa predileção e sadismo por mostrar personagens sofridos, que vão se acabando em um martírio cada vez maior até chegar ao fundo do poço da mais profunda tristeza. Isso aqui não é nada difícil de prever, mas desta vez ele exagera. Veja bem, se estou que o diretor de “Réquiem Para um Sonho” e Cisne Negrodeu uma forçada de barra, então segura o que vem por aí.

Com este alerta, o que poderia dizer agora? Se você veio atrás de um resumo da história de “Mãe!”, admito que será frustrante dizê-lo sem spoilers ou interpretações pessoais. Basicamente é a saga de um casal que vive a sós numa casa reformada no meio do mato e que um dia passa a receber visitas, de forma que a anfitriã logo se sente como uma convidada indesejada. E dentro deste argumento cinematográfico ainda deu para falar sobre maternidade, idolatria, traição, religiosidade, fanatismo, morte e, claro, amor. Aquele amor incondicional de mãe, sabe como é – afinal, o título não é só uma pegadinha.

Agora pense em tudo isso aí com uma boa dose de metáforas visuais e diálogos repletos de simbolismo. Pode parecer chato e pretensioso como dizem, mas até que acaba funcionando. Parte dessa estranheza vem de três coisas: a atuação e os closes no rosto de Jennifer Lawrence em mais da metade das cenas do filme; as imagens capturadas em 16mm e o acúmulo de reviravoltas em sua reta final. É tão tenso e inusitado que bate um desespero em tentar decifrar o que estamos vendo. Para alguns, este desespero vai resultar num sonoro “bela bosta!” e para outros um contido “ca-ra-lho!“. A certeza é que ao final ninguém vai passar batido por uma obra de Aronofksy de novo.

#Spoilers(?!) de “Mãe!”

Palavras do diretor sobre o filme:
“Eu queria fazer um filme sobre a Mãe Terra e como nós a tratamos. Da maneira que eu vejo, nós a tratamos de uma forma extremamente desrespeitosa. Nós a saqueamos, estupramos, chamamos-a de lixo. Por isso Jennifer Lawrence interpretou o papel daquele jeito. Eu olhei a Bíblia e como o Velho Testamento é escrito. Quando você pensa naquele Deus, se você não reza para ele, ele te mata. Que tipo de personagem faz isso? Para mim, era tudo sobre interpretar a emoção humana.”

Escala de tocância de terror:

Diretor: Darren Aronofsky
Roteiro: Darren Aronofsky
Elenco: Jennifer Lawrence, Javier Bardem, Ed Harris e Michelle Pfeiffer
Ano de produção: 2017
País de origem: EUA

* Filme visto na Cabine de Imprensa promovida pela Espaço Z no Cinemark Rio Mar.

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Laura Zaine

    20 de setembro de 2017 a 11:04

    Aff, quanto mais eu vejo críticas e resenhas, mais ansiosa fico por ver o filme!

    • Diego pavarina

      11 de outubro de 2017 a 13:21

      Não fique ansiosa pois o filme e uma merda 🙂

      • Cláudia Siqueira

        27 de janeiro de 2018 a 23:10

        Vi o filme e achei fantástico! Fiquei chocada! É um paralelo perfeito onde o filme coloca toda a história da humanidade exposta, de forma crítica, vendo um Deus que adora ser adorado, ser idolatrado, ser o centro das atenções, que escreve um best-seller (a Bíblia), que tem seguidores, que recebe no paraíso um homem (com o qual ele sai para conversar e caminhar), uma mulher que mais parece uma serpente e seus dois filhos que lutam por uma decisão do pai e um mata o outro. Isso lembra algo bíblico? Vemos a mãe fazendo de tudo para tornar o “lar” um paraíso, mas a humanidade só entra, invade e estraga tudo, pois não é a casa dela…é um filme belíssimo que exige uma atenção extrema e boa vontade para entender o simbolismo por trás de cada cena e de cada fala. Recomendo e não falo mais porque seria estragar o impacto que o filme causa, do início ao fim.

  2. Flavio

    12 de dezembro de 2017 a 00:36

    Mistura de excessos eloquente que afloras sentimentos repulsivos mas que não chega a da prazer em rever novamente obra fadada ao marasmo do esquecimento.

  3. Pingback: RETROSPECTIVA: Melhores e Piores Filmes de 2017 | Toca o Terror

  4. Jonas

    1 de janeiro de 2018 a 10:39

    Como disse o autor: “Para alguns, este desespero vai resultar num sonoro “bela bosta!” e para outros um contido “ca-ra-lho!“.” e para mim foi um “Ca-ra-lhooo”. Filme sensacional. Assistam e tirem suas próprias conclusões.

  5. lukadre

    15 de janeiro de 2018 a 20:58

    Se todos assistirem com a origem da criação e o relacionamento de Deus com os homens na cabeça será bem fácil de decifrar o filme.

  6. Karmem

    19 de janeiro de 2018 a 02:14

    Acho que esse filme é uma alusão a vida de um casal. A mulher se dedica a ele e a casa enquanto ele faz tudo sem o consentimento dela, ela tem um filho dele e no fim ele a troca por uma mulher mais jovem. Tudo que ele faz de ruim vai secando o coração dela e no fim vira uma linda pedra sem sentimentos que ele coloca numa estante como um troféu. Mais uma de suas conquistas.

  7. indira pereira almeida silva

    18 de fevereiro de 2018 a 02:18

    Este filme é uma verdadeira porcaria, não entendi nada, nada bate com nada, odiei a historia, não recomendo! uma perca de tempo!!

  8. Camila A.

    21 de agosto de 2018 a 13:40

    é maravilhoso! a forma como “Deus” é representado como um ser ganancioso fora algo que me chocou bastante, foi surpreendente e muito bem retratado. com certeza irei revê-lo e tentar tirar mais algumas coisinhas dele.

  9. centoundici

    13 de Maio de 2019 a 05:20

    Pela resenha, fiquei muito instigado. Vou ter que assistir essa semana (e deixar de lado minha antipatia por Jennifer).

  10. Pingback: EVENTO: Maratona de filmes nesta Sexta-feira 13 no MIS-SP | Toca o Terror

  11. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

  12. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) – Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]
Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “Suspiria”. A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: O Mundo Sombrio de Sabrina (2018)

Publicados

em

O Mundo Sombrio de Sabrina

[Por Jarmeson de Lima]

Ocultismo, bruxaria e paganismo em uma série para um público adolescente tem mais conteúdo macabro do que muito seriado com renome por aí. “O Mundo Sombrio de Sabrina” (Chilling Adventures of Sabrina) tem se revelado muito mais do que uma releitura da série de TV dos anos 90 que apresentava uma simpática feiticeira ajudando seus amigos com truques de mágica. (mais…)

Continue lendo

Trending