conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Além da Morte (2017)

Publicados

em

Além da Morte

[Por Jota Bosco]

Nos longínquos anos 80 e 90 existia um diretor que fazia filmes bem interessantes com atores que estavam começando a despontar. O nome dele é Joel Schumacher. “Os Garotos Perdidos“, “O Primeiro Ano do Resto das Nossas Vidas” e “Linha Mortal“, que agora sofre um remake chamado “Além da Morte”, são alguns desses filmes. Infelizmente ele será lembrado como “o cara que estragou a única franquia que prestava de Batman por ter colocado mamilos em seu traje”. Mas vamos ao que interessa…

“Além da Morte” conta a história de um grupo de médicos residentes que entram de cabeça em uma experiência onde param seus corações por alguns minutos e depois são reanimados para poder experimentar e/ou descobrir o que acontece do “outro lado”. Um por um, eles se submetem ao procedimento, mas como efeito colateral começam a ser perseguidos por alucinações (será que são mesmo?) do que aparentemente são erros do passado.

Ellen Page busca do outro lado o motivo de ter aceitado fazer esse filme

Diferente do filme de 1990 que tinha no elenco um enigmático Kiefer Sutherland como Nelson e seus parceiros no crime: Kevin Bacon, Julia Roberts, Oliver Platt e um dos irmãos Baldwin (nunca lembro qual é qual), aqui nós temos a eficiente Ellen Page no papel de Courtney, uma estudante que de enigmática não tem absolutamente nada, pois sabemos nos primeiros cinco minutos de filme o motivo dela querer fazer seus experimentos, acompanhada de seus incríveis amigos atores e atrizes que uma fez umas séries aí e o resto você nunca viu antes. Isso é demérito? Não necessariamente… mas nesse caso, é.

Após se submeterem ao experimento, todos os jovens demonstram um aumento em suas capacidades intelectuais, enorme euforia e um rompante de energia que os leva logo após quase morrerem, vale salientar, à festas bombásticas em apartamentos, raves e cenas de sexo PG-13 tão gratuitas quanto a aparição de Kiefer Sutherland interpretando um médico-chefe que poderia ser o do filme original mas não é.

“vou tomar um gole desse guaraná pra ver se eu esqueço dos meus problemas”

Sabe aquela fotografia bacana, a música cheia de sintetizador, o jogo de luz e sombra em locações interessantes como o beco cheio de luz neon, os vastos campos, a igreja abandonada onde acontecem os experimentos, que tinha em “Linha Mortal“? Esqueça! Aqui temos uma fotografia feijão-com-arroz em locações como “um hospital totalmente equipado e parado pra ser utilizado como backup no caso de uma guerra ou desastre” (risos) e se o filme tinha música, eu realmente não lembro.

“Se eu soubesse que ia virar remake, teria preferido continuar morto”

Resumindo, no final você sai da sala de cinema com a pergunta “por quê fizeram um remake desse filme?”. Pra fazer com atores melhores? Não. Pra modernizar a história? Também, não. Pra fazer as cenas de EQM com efeitos especiais mais bacanas? Errrrrr… na-na-ni-na-não. Sabe de uma coisa? Melhor ficar com a versão original (aquela dos penteados esquisitos).

Escala de tocância de terror:

Título: Além da Morte (Flatliners)
Diretor: Niels Arden Oplev
Roteiro: Peter Filardi, Ben Ripley
Elenco: Ellen Page, Diego Luna, Nina Dobrev
Ano de produção: 2017

Simpático de corpo™Vimeo: https://vimeo.com/jotabosco/Youtube: https://www.youtube.com/user/sonicbosco/videos

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Carine Mezacasa

    29 de janeiro de 2018 a 09:14

    “Linha Mortal“, que agora sofre um remake chamado “Além da Morte”. SOFRER é a palavra certa. Amo o original e esse remake não deve ser comparado em nada. Aliás, tendo feito o personagem principal no original, como Kiefer Sutherland se submeteu a isso?

  2. Ximena Sanchez

    28 de novembro de 2018 a 02:40

    Ator Diego Luna nos deixa outro projeto de qualidade, de todas as suas filmografias essa é a que eu mais gostei, acho que deve ser a grande variedade de talentos. Adoro o estilo dele além de inteligente para escolher os projetos no que trabalha, faz pouco tempo que a vi em Além da Morte e acho que é extraordinária. Personalmente considero um dos melhores filmes hbo. A chave do sucesso é o bem que esta contada a historia e a trilha sonora, enfim, um dos meus preferidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: A Visita (2015)

Publicados

em

A Visita

Por Júlio César Carvalho

Para uns, M. Night Shyamalam é um gênio, mas pra outros, o diretor não passa de uma farsa. Na minha visão, a carreira do rapaz se resume assim: em 1999, Shyamalam ganhou a atenção do mundo com o clássico contemporâneo O Sexto Sentido (The Sixth Sense) e em seguida, se superou com o ótimo Corpo Fechado (Unbreakable, 2000). Depois vieram Sinais (Signs, 2002) e A Vila (The Village, 2004) que apesar de bons, começaram a causar dúvidas em muitos a respeito da sua suposta genialidade. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Poço (2020)

Publicados

em

O Poço

Com uma produção modesta com apoio do governo espanhol e distribuição da Netflix, “O Poço” (El Hoyo) mescla mistério, drama e ficção científica numa trama que é fácil de resumir, mas difícil de explicar. Assim como obras como “Cubo” e “Demônio“, a ação deste filme se concentra em alguns poucos cenários, restando aos atores imprimir um trabalho que chama a atenção do público.

O estreante em direção de longas, Galder Gaztelu-Urrutia, apresenta aqui uma história que se passa em uma espécie de prisão vertical, em que cada andar abriga dois presos. A plataforma não possui grades ou janelas… apenas as paredes, camas e um buraco no chão e no teto que é por onde uma vez por dia desce uma grande mesa de comida.

E é através do comportamento dos presos frente às refeições que são destrinchadas analogias sociais de opressão, solidariedade e das relações de poder que vão de cima para baixo literalmente. Quem tem sorte de ficar nos níveis superiores tem a chance de comer as refeições com os pratos ainda intactos e limpinhos. Já quem está mais abaixo vai tendo que se contentar com o que vai sobrando sem que nehum dos confinados tenha a preocupação de deixar algo para quem vai se alimentar depois. 

Nesta situação de isolamento dividida em um lugar onde você não queria estar e com quem você não queria conviver, o lado obscuro de cada um se revela e podemos esperar o pior na medida em que vemos o que acontece nos níveis inferiores do Poço. Podia ser só um filme tipo crítica social ao sistema carcerário, mas ele abrange uma metáfora maior sobre nossa presença no mundo e nossa responsabilidade diante da escassez e desperdício de alimentos.

Apesar de ter um ritmo mais reflexivo, “O Poço” sempre guarda cenas impactantes (e com boa dose de gore) no desdobramento de sua história garantindo uma certa fluidez pra quem assiste. Obras assim que oferecem algo a mais do que aparentam estão em falta no cardápio da Netflix, mas são sempre bem vindas.

Escala de tocância de terror:

Título original: El Hoyo
Diretor: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteirista: David Desola
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Eguileor, Antonia San Juan
País de origem: Espanha

Continue lendo

Trending