conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Jogos Mortais – Jigsaw (2017)

Publicados

em

Jigsaw

[Por Felipe Macedo]

A onda de remakes, reboots e sequências ganhou mais um novo exemplar que acabou de estrear nos cinemas e atende pelo nome de Jogos Mortais – Jigsaw. Sim, Jigsaw voltou! Estamos falando da famigerada série de torture porn que foi de enorme sucesso e referência anos atrás, gerando até então sete filmes. Agora nos dias atuais, a sua missão é a de se tornar relevante depois de vários anos de hiato.

Advinha quem chegou pra perturbar vocês?

A trama acontece 10 anos após a morte de John Kramer, o infame Jigsaw. Novos jogos são feitos e tudo leva a crer que o homem voltou da tumba. Será mesmo? Como se pode notar, a sinopse é bem simples. Mas em se tratando dessa franquia, sabemos que o buraco é bem mais embaixo e reviravoltas vão acontecer.

Um dos grandes problemas daqui e da maioria dos outros sete filmes, é a necessidade de haver um grande plot-twist que definitivamente não é tão engenhoso como os primeiros. Eu mesmo já imaginava quem estava por trás e só não sabia a motivação. Quando isso foi revelado, provavelmente fiz uma cara de cu imensa.

Retrato da audiência esperando alguma novidade

Falando assim parece até que o filme é um desastre, mas não chega a tanto. Jogos Mortais – Jigsaw se prova pouco relevante. E para um reinício de franquia, ele definitivamente não funciona. A falta de ritmo aqui impressiona. Me vi largando a trama em vários momentos.

Os personagens são rasos quando na verdade deveriam ter o minimo de conteúdo para que a gente se importe quando morram ou quando se revele suas reais intenções. Tudo é muito genérico. A direção me decepcionou em não causar tensão em quase nenhum momento. Ela apenas recria a mesma identidade visual da série sem trazer algo novo. Uma pena por se tratar da dupla responsável pelo maravilhoso O Predestinado (2014).

O jogo agora é contra o tempo… quanto tempo você aguenta na sessão

O gore continua bem generoso e ao contrário do que li, não foi amenizado e sim menos cartoonizado. Basta lembrar do Jogos Mortais – Final (2010) onde de tanto exagero as cenas de violência se tornaram involuntariamente cômicas. A modo de comparação, esse novo filme é bem superior ao último, mesmo ignorando certos eventos (ou deixando pras continuações) que ficaram pendentes. Enfim, assistam sem grandes expectativas…

Escala de tocância de terror:

Título: Jogos Mortais- Jigsaw
Direção: Michael Spierig e Peter Spierig
Roteiro: John Stolberg, Peter Goldfinger
Elenco: Tobin Bell, Matt Passmore, Hannah Emily Anderson
Ano de produção: 2017

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

"Nós deixamos de procurar os monstros embaixo de nossas camas, quando percebemos que eles estão dentro de nós"

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Lexaror

    28 de dezembro de 2017 a 20:15

    Deu até uma desanimada pra assistir, mas acho que diminuir a expectativa foi até bom.

  2. Pingback: RESENHA: A Maldição da Casa Winchester (2018) | Toca o Terror

  3. Jacobo Chicurel

    28 de setembro de 2018 a 16:53

    O único aspecto positivo talvez seja o facto de acabar relativamente depressa. Vale lembrar que diretor James Wan e o roteirista Leigh Whannell (do óptimo Sobrenatural: A Última Chave) , ambos do filme original, estão à bordo como produtores executivos. Com “Jigsaw” tinham aqui a tentativa de fazer um soft reboot à saga, ou pelo menos tentar progredir e criar algo de novo e original, mas nota-se que faltou a coragem, e o produto final é uma cópia de tudo o que já vimos antes. As reviravoltas são esperadas e óbvias, as armadilhas são fracas e já não têm qualquer impacto e há momentos com tantas lacunas em lógica e coerência que simplesmente desisti de prestar atenção. Existem óbvios problemas de contraste entre as duas narrativas e o momentum é perdido várias vezes quando saltamos de uma para outra. O diálogo é ridículo e embaraçoso, e há imensos momentos forçados e clichés que rapidamente se tornam irritantes e frustrantes. Mas o mais absurdo talvez seja a seriedade com que o filme tenta abordar o elemento dramático que nunca chega realmente a existir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Amizade Desfeita (2015)

Publicados

em

Amizade Desfeita

Parece que o formato ´captura de tela´ é o novo ´found-footage´ que veio pra ficar. Agora é a vez da Universal Pictures que resolveu apostar nessa produção da Blumhouse Productions (Sobrenatural, The Purge, Ouija) intitulada Amizade Desfeita (Unfriended) que não passa de mais um filme genérico de fantasma vingativo contra adolescentes descerebrados.

Unfriended.2014.720p.WEB-DL.600MB.MkvCage.mkv_snapshot_00.00.55_[2015.08.01_02.27.24]

O filme abre com um vídeo flagrante de uma garota chamada Laura Barns cometendo suicídio e sabe-se logo em seguida que a mesma era vítima de cyber-bullying. Com roteiro de Nelson Greaves e direção de Leo Gabriadze, o longa nos mostra tudo através da captura de som e imagem da tela do notebook de Blair, que após assistir tal tragédia, se conecta com o namorado, Mitch, pra fazer amorzinho virtual pela webcam. Tesão, hein? Eis que de repente, quatro amigos invadem o chat do casal formando uma conversa em grupo no por Skype. Ô beleza! E para quebrar o clima valendo, um usuário não identificado entra na vídeo conferência grupal e começa a tocar o terror pra cima da galera.

Vale lembrar que essa narrativa ‘web-footage’ não é novidade, pois já foi utilizado pelos eficientes The Den (2013) e Open Windows (2014 – com Sasha Grey e Elijah ´Frodo´ Wood). É uma pena que no caso de Unfriended, essa escolha não foi das mais felizes, pois ao contrário do já citado Open Windows, a câmera não passeia pela tela da protagonista, ficando em uma tela cheia estática que, vez por outra, vira uma confusão de janelas abertas de tudo quanto é site e aplicativos. Por falta de criatividade(?) ou para criar mais senso de realidade, não foram criados programas fictícios. Sendo assim, tudo roda num MacBook com seu iOS, os aplicativos são o Skype e Messages, os sites são o Google, Youtube, Facebook etc.

Unfriended.2014.720p.WEB-DL.600MB.MkvCage.mkv_snapshot_00.47.33_[2015.08.01_02.37.11]

Voltando ao enredo, a coisa fica cabulosa quando o tal hacker clama ser a finada Laura e passa a enviar, e postar, fotos e vídeos  comprometedores de cada um no Facebook através dos perfis deles mesmos. Claro que isso gera confusão até perceberem que tudo é obra do tal penetra virtual. Detalhe que a princípio, só o casal, Blair e o Mitch, sabe que se trata supostamente da falecida amiga que, obviamente, os acusa de terem provocado a sua morte. Inicialmente, o joguinho da discórdia funciona, mas, apesar de algumas mortes, começa a ficar chato. A coisa só melhora pra lá da segunda metade do longa, quando a fantasma virtual, que até a luz da casa deles consegue apagar, se revela para todos. Agora, ela decide botar pra foder geral com uma espécie de jogo da verdade onde quem perde morre. O desespero é geral e as atuações exageradas até que rendem boas risadas.

Agora, Amizade Desfeita empolga e pequenos detalhes vão dando um charme todo especial, como quando a Blair mente descaradamente pra o namorado e o espírito bota pra tocar a música “How you lie, lie, lie” (Como você mente, mente, mente) do Connie Conway e ela fica tentando sem sucesso fechar o player de música; ou quando em vários momentos a protagonista escreve, apaga e rescreve as mensagens pra defunta no chat do Facebook, nos dando assim indícios que ela está escondendo algo dos amigos e de nós. As mortes são simples e convincentes dentro da limitação do avatar da webcam dos protagonistas. O clima de suspense sobre a identidade do hacker do além funciona até certo ponto.

Unfriended.2014.720p.WEB-DL.600MB.MkvCage.mkv_snapshot_00.18.05_[2015.08.01_02.35.01]

A persona sádica e sagaz de Laura Barns é uma grata surpresa. Ela tortura sem dó nem piedade cada um, desconstruindo e derrubando todas as máscaras de amizade e lealdade do grupo. Sempre com uma carta na manga, essa a alma sebosa merece o prêmio joinha de ´feladaputagem´ do próprio Capeta, pois se utiliza do mesmo modus operandi, no papel de acusadora e agente do caos. Detalhe esse que, apesar de funcionar, não foi elevado a máxima pelo enredo até o fim, mas talvez eu esteja querendo demais de uma produção mainstream.

Com alguns pontos positivos, o fato é que esse formato cansa e o já mencionado problema do ponto de vista fixo só contribui para isso. No fim das contas, Amizade Desfeita até que é um filme eficiente e cruel, mas infelizmente não segura a onda “precisando” trair o próprio formato para concluir a trama.

Unfriended.2014.720p.WEB-DL.600MB.MkvCage.mkv_snapshot_00.14.59_[2015.08.01_02.25.38]

Nota: Amizade Desfeita custou apenas R$ 1 milhão e faturou cerca de 32 milhões nos EUA e tem sua estreia nos cinemas brasileiros marcada para 12 de Novembro.

Escala de tocância de terror:

Título alternativo: Cybernatural

Direção: Levan Gabriadze
Roteiro: Nelson Greaves 

Elenco: Heather Sossaman, Matthew Bohrer e Courtney Halverson
Origem: EUA e Rússia

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Doutor Sono (2019)

Publicados

em

Doutor Sono

[Por Osvaldo Neto]

As adaptações das obras de Stephen King, um escritor que goza de imensa popularidade internacional, são quase que um subgênero do horror no cinema e TV. Desde que Brian De Palma fez CARRIE – A ESTRANHA que filmes e séries baseados e/ou inspirados pelo autor são produzidos em escala massiva e geram bastante expectativa para quem acompanha o gênero. Chegando às salas comerciais pouco após IT – CAPÍTULO 2, DOUTOR SONO é a segunda grande produção da Warner Bros com a grife S. K. lançada em 2019 com estreia nacional nesta semana.

(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: A Torre Negra (2017)

Publicados

em

A Torre Negra

[Por Felipe Macedo]

Stephen King é um dos dos autores mais adaptados do cinema e em meio a tantos filmes, a maioria é de qualidade duvidosa. Poucos são os que merecem ser dignos de menção. O novo longa baseado em sua obra é inspirado na série de livros A Torre Negra e que de acordo com o próprio King bebe da fonte de Tolkien na construção do universo e criaturas fantásticas. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending