conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Jogos Mortais – Jigsaw (2017)

Publicados

em

Jigsaw

[Por Felipe Macedo]

A onda de remakes, reboots e sequências ganhou mais um novo exemplar que acabou de estrear nos cinemas e atende pelo nome de Jogos Mortais – Jigsaw. Sim, Jigsaw voltou! Estamos falando da famigerada série de torture porn que foi de enorme sucesso e referência anos atrás, gerando até então sete filmes. Agora nos dias atuais, a sua missão é a de se tornar relevante depois de vários anos de hiato.

Advinha quem chegou pra perturbar vocês?

A trama acontece 10 anos após a morte de John Kramer, o infame Jigsaw. Novos jogos são feitos e tudo leva a crer que o homem voltou da tumba. Será mesmo? Como se pode notar, a sinopse é bem simples. Mas em se tratando dessa franquia, sabemos que o buraco é bem mais embaixo e reviravoltas vão acontecer.

Um dos grandes problemas daqui e da maioria dos outros sete filmes, é a necessidade de haver um grande plot-twist que definitivamente não é tão engenhoso como os primeiros. Eu mesmo já imaginava quem estava por trás e só não sabia a motivação. Quando isso foi revelado, provavelmente fiz uma cara de cu imensa.

Retrato da audiência esperando alguma novidade

Falando assim parece até que o filme é um desastre, mas não chega a tanto. Jogos Mortais – Jigsaw se prova pouco relevante. E para um reinício de franquia, ele definitivamente não funciona. A falta de ritmo aqui impressiona. Me vi largando a trama em vários momentos.

Os personagens são rasos quando na verdade deveriam ter o minimo de conteúdo para que a gente se importe quando morram ou quando se revele suas reais intenções. Tudo é muito genérico. A direção me decepcionou em não causar tensão em quase nenhum momento. Ela apenas recria a mesma identidade visual da série sem trazer algo novo. Uma pena por se tratar da dupla responsável pelo maravilhoso O Predestinado (2014).

O jogo agora é contra o tempo… quanto tempo você aguenta na sessão

O gore continua bem generoso e ao contrário do que li, não foi amenizado e sim menos cartoonizado. Basta lembrar do Jogos Mortais – Final (2010) onde de tanto exagero as cenas de violência se tornaram involuntariamente cômicas. A modo de comparação, esse novo filme é bem superior ao último, mesmo ignorando certos eventos (ou deixando pras continuações) que ficaram pendentes. Enfim, assistam sem grandes expectativas…

Escala de tocância de terror:

Título: Jogos Mortais- Jigsaw
Direção: Michael Spierig e Peter Spierig
Roteiro: John Stolberg, Peter Goldfinger
Elenco: Tobin Bell, Matt Passmore, Hannah Emily Anderson
Ano de produção: 2017

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Lexaror

    28 de dezembro de 2017 a 20:15

    Deu até uma desanimada pra assistir, mas acho que diminuir a expectativa foi até bom.

  2. Pingback: RESENHA: A Maldição da Casa Winchester (2018) | Toca o Terror

  3. Jacobo Chicurel

    28 de setembro de 2018 a 16:53

    O único aspecto positivo talvez seja o facto de acabar relativamente depressa. Vale lembrar que diretor James Wan e o roteirista Leigh Whannell (do óptimo Sobrenatural: A Última Chave) , ambos do filme original, estão à bordo como produtores executivos. Com “Jigsaw” tinham aqui a tentativa de fazer um soft reboot à saga, ou pelo menos tentar progredir e criar algo de novo e original, mas nota-se que faltou a coragem, e o produto final é uma cópia de tudo o que já vimos antes. As reviravoltas são esperadas e óbvias, as armadilhas são fracas e já não têm qualquer impacto e há momentos com tantas lacunas em lógica e coerência que simplesmente desisti de prestar atenção. Existem óbvios problemas de contraste entre as duas narrativas e o momentum é perdido várias vezes quando saltamos de uma para outra. O diálogo é ridículo e embaraçoso, e há imensos momentos forçados e clichés que rapidamente se tornam irritantes e frustrantes. Mas o mais absurdo talvez seja a seriedade com que o filme tenta abordar o elemento dramático que nunca chega realmente a existir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: What We Do in the Shadows (2019)

Publicados

em

What We Do in the Shadows

Na próxima quinta (15 de abril), estreia no canal FX dos EUA a segunda temporada de What We Do in the Shadows, série baseada no filme de mesmo nome lançado em 2014. Aqui no Brasil, sua primeira temporada foi exibida no ano passado pela Fox Premium. Vamos aproveitar então o retorno do programa lá fora para tecer algumas linhas sobre a atração.

Se você assistiu ao filme, fique sabendo que a mecânica é a mesma do longa. Uma equipe de filmagem que nunca aparece acompanha a rotina de três vampiros centenários que vivem na mesma casa e tentam se adequar ao mundo moderno. A principal mudança em relação à obra original é que a história se passa nos EUA, mais precisamente em Staten Island, Nova York.

O elenco também é outro Com a adição de uma personagem feminina, Nadja (Natasia Demetriou), e do lacaio Guillermo (Harvey Guillén), o trio de vampiros se completa com Nandor (Kayvan Novak) e Laszlo (Matt Berry). Há ainda um personagem recorrente, Colin Robinson (Mark Proksch), um humano que se apresenta como “vampiro de energia” e que se alimenta da força vital das pessoas, deixando-as entediadas.

A vida deles segue tranquila, até que eles são obrigados a receber como hóspede o barão Afanas (Doug Jones coberto de maquiagem, para variar), um vampiro milenar que vem da Europa e sonha em conquistar a América. Apesar desse ponto de partida, o enredo não se apega muito a ele. Como seriado, What We Do in the Shadows é basicamente uma sitcom, na qual o roteiro tenta brincar com os clichês da mitologia e da cultura pop.

No filme isso deu muito certo, mas ao longo de 10 capítulos, a série não se sustenta. Há momentos brilhantes, mas eles são raridades. Destaque para os episódios The Trial, com a participação de vários atores que interpretaram vampiros no cinema (como Wesley Snipes e Danny Trejo), e The Orgy, no qual, como o próprio nome diz, uma orgia vampírica é organizada, sem muito sucesso.

Porém, a impressão que fica é que assistir What We Do in the Shadows é um grande esforço para poucas risadas, mesmo que seus capítulos tenham apenas 30 minutos em média. Uma pena, pois o elenco todo é muito bom. Esperamos que nessa segunda temporada, os roteiristas estejam mais inspirados.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jemaine Clement e Taika Waititi
Roteiro: Jemaine Clement e Taika Waititi
Elenco: Kayvan Novak, Matt Berry e Natasia Demetriou
Origem: EUA

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Trending