conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Corra! (2017)

Publicados

em

Corra

[Por Jota Bosco]

O fotógrafo Chris Washington, interpretado magistralmente por Daniel Kaluuya (Black Mirror, Psychoville), está pra enfrentar um dos maiores terrores que um jovem pode enfrentar: conhecer os pais de sua namorada (Allison Williams). As coisas podem se tornar um pouco piores pelo fato de Chris ser negro e os pais da moça (Bradley Whitford e Catherine Keener) serem brancos.

Após uma viagem um pouco conturbada devido a um acidente de tráfego, o casal chega à bela casa dos Armitage e Chris começa a perceber que as outras pessoas negras que frequentam a morada, os funcionários Walter (Marcus Henderson) e Georgina (Betty Gabriel), se comportam de uma forma meio estranha. Qual será o motivo? Ele em breve descobrirá!

Reforma trabalhista?

Reforma trabalhista?

Dirigido por Jordan Peele, “Corra!” me remeteu muito à obra de Ira Levin. Esse lance de uma “sociedade” misteriosa formada por brancos ricos e esquisitos (meio que pleonasmo, né?), que vimos em adaptações cinematográficas de seus livros como “As Esposas de Stepford”, de 1975, ou até mesmo em “O Bebê de Rosemary“, de 1968.

"Onde será que eu vi esse povo antes? Será que foi em O Bebê de Rosemary? Será que foi naquele comercial do Cemitério Morada da Paz?"

“Onde será que eu vi esse povo antes? Será que foi em O Bebê de Rosemary? Será que foi naquele comercial do Cemitério Morada da Paz?”

É esquisito quando você vai assistir um filme de terror mas o que mais te satisfaz são as tiradas sutis de humor do filme. Sejam nas participações sempre ótimas de Rod, o melhor amigo de Chris, interpretado por LilRel Howery ou nos diálogos onde os brancos ricos tentam, sem sucesso, mostrar como não são racistas falando coisas como “votei duas vezes no Obama!” ou “eu conheci Tiger Woods! O melhor!” em uma festa. Isso talvez seja fruto da bagagem do ator/escritor Jordan Peele, que estreia na direção mas que já escreveu (e atuou) em muitas comédias (MADtv, Keanu, Robot Chicken, Childrens Hospital, etc)

"Nosso filme tem uns furos no roteiro que plmdds mas tentar fazer alguém acreditar que as pessoas fazem busca na internet usando o Bing... essa foi foda!" "Hahahahahaha!"

“Nosso filme tem uns furos no roteiro que plmdds mas tentar fazer alguém acreditar que as pessoas fazem busca na internet usando o Bing… essa foi foda!” “Hahahahahaha!”

Da forma como está sendo vendido como “filme de terror sobre racismo”, a obra finda frustrando. Tirando algumas poucas situações como a conversa entre o casal sobre se os pais dela sabiam que ele era negro ou a festa acima citada, onde Chris é apresentado para a “sociedade”, pouco se discute sobre o tema e, cá entre nós, racismo é bem mais assustador do que “Corra!”.

Escala de tocância de terror:

Direção e roteiro: Jordan Peele
Elenco: Daniel Kaluuya, Allison Williams, LilRel Howery
Origem: Estados Unidos

* Filme visto na Cabine de Imprensa promovida pela Espaço Z no Recife

Simpático de corpo™Vimeo: https://vimeo.com/jotabosco/Youtube: https://www.youtube.com/user/sonicbosco/videos

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Lucas Oliveira Gonçalves

    12 de Maio de 2017 a 22:58

    Todo o terror do filme é tirado de clichês óbvios de outros filmes. Você acerta o que vai acontecer antes, e isso faz perder a graça. Fora que esse filme é cheio de esteriótipos sobre o negro, que para pessoas que não se interessam pelo assunto ou apenas desconhecem, não perceberão o quanto isso pode ser prejudicial. Mais uma vez colocam o negro apenas para sofrer, afinal da forma que é passado, da a impressão de que é apenas isso que nos resta. lamentável, mas a mistura não deu certo não.

  2. Vitória Maciel

    25 de Maio de 2017 a 18:17

    Na verdade o filme mostra o lado como ainda muitos dos brancos veem os negros, com um olhar de superioridade e autoritarismo. Tendo uma grande mensagem passada de forma genial, deixando claro que pessoas negras atualmente ainda sofrem esse tipo de preconceito.

  3. Marisa

    27 de agosto de 2017 a 20:00

    Transplante cerebral, vida eterna para milionários.

  4. Marisa

    27 de agosto de 2017 a 20:01

    Digo da consciência humana, tb lembra a vida das vítimas de tortura por satélite, experimentação ilegal não consensual, tortura mental da forma mais hedionda, terror mutilação e assassinato através de uma arma de energia dirigida ao cérebro humano.

  5. Pingback: RESENHA: A Morte Te Dá Parabéns (2017) | Toca o Terror

  6. Pingback: RETROSPECTIVA: Melhores e Piores Filmes de 2017 | Toca o Terror

  7. Pingback: TV: Into the Dark (Canal Space) | Toca o Terror

  8. Pingback: RESENHA: Nós (2019) | Toca o Terror

  9. Pingback: RESENHA: The Perfection (2019) | Toca o Terror

  10. Pingback: EVENTO: Maratona de filmes nesta Sexta-feira 13 no MIS-SP | Toca o Terror

  11. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Coletivo Terror (2020)

Publicados

em

Coletivo Terror

Coletivo Terror (Bloodride), série norueguesa da Netflix, é uma produção em formato de antologia. São seis episódios com histórias independentes, durando cerca de 30 minutos cada. Os roteiros são diversificados, temos contos de fantasmas, psicopatas, lendas nórdicas, tudo no melhor estilo Além da Imaginação.

Three Sick Brothers

Muita gente pensa que escrever histórias curtas pode ser fácil, mas nem todo mundo é capaz de condensar uma ideia em um espaço de tempo limitado. Em certos casos é até mais difícil. E a série criada por Kjetil Indregard e Atle Knudsen tropeça justamente aí, falhando em dar ritmo aos capítulos e buscando sempre uma reviravolta que poucas vezes surpreende o espectador.

The Elephant in the Room

De algum destaque, listamos como bons argumentos os episódios Three Sick Brothers (E02), Lab Rats (E04) e The Elephant in the Room (E06). A intenção foi boa, mas uma coisa ou outra no roteiro acaba deixando-os menos interessantes do que poderiam ter sido. Lab Rats tinha tudo para ser ótimo suspense, não fossem os diálogos constrangedores.

Ultimate Sacrifice

Ultimate Sacrifice (E01), Bad Writer (E04) e The Old School (E05) são os responsáveis por jogar a nota do programa lá pra baixo, com histórias ruins, previsíveis e atuações que deixam a desejar. O primeiro principalmente por ser o único a fugir do lugar comum e focar em um fato histórico bem norueguês: a herança viking.

Talvez o formato de curtas empolgue quem procura um passatempo rápido e leve, mas não espere ser surpreendido em nada por Coletivo Terror. Se uma segunda temporada for confirmada pela Netflix, é bom os criadores começarem a se esforçar mais.

P.S.: Não entendi a relação com o ônibus da abertura.

Escala de tocância de terror:

Título original: Bloodride
Direção: Geir Henning Hopland e Atle Knudsen
Roteiro: Kjetil Indregard e Atle Knudsen
Elenco: Stig R. Amdam, Anna Bache-Wiig e Ellen Bendu
Origem: Noruega

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Desenfreado (2018)

Publicados

em

Desenfreado

Quem nunca ficou “viajando” pela Netflix horas e horas, muitas vezes sem encontrar nada para assistir que atire a primeira pedra. Nesses meus passeios por gêneros, encontrei uma produção asiática de 2018 que me chamou muito a atenção pelo fato de ter o plot praticamente idêntico ao da série de “Kingdom”. Decidi dar uma conferida então em “Desenfreado” (Rampant), longa do sul-coreano Sung-hoon Kim.

Vamos lá… Séculos atrás, um príncipe herdeiro retorna ao lar apenas para realizar o desejo de seu falecido irmão mais velho. Ao regressar, encontra o lugar mergulhado no caos político e repleto de intrigas de poder. O pior, no entanto, é que algo está trazendo os mortos à vida, sedentos por carne humana, piorando de vez a situação da região. O relutante príncipe se une a um grupo corajoso de aldeões e juntos tentam parar a ameaça.

As semelhanças com Kingdom vão além da premissa. Cenários e figurinos são idênticos e alguns personagens, mesmo diferentes, se assemelham bastante aos da série. Essa versão cinematográfica opta por um caminho mais voltado a ação, embora tenha momentos tensos e aqui vale elogiar a ótima maquiagem dos monstros. Os zumbis lembram em comportamento os que foram vistos no ótimo “Invasão Zumbi” (Train to Busan) e são uma baita ameaça a ser enfrentada, rendendo bons momentos de tensão.

Ainda assim, algo que me incomodou em “Desenfreado” foi o roteiro preguiçoso, deixando certos acontecimentos rasos apelando demais para a conveniência dos fatos. Por exemplo, o tempo de transformação em zumbi varia de acordo com a necessidade da história e acaba cansando. Para quem curte gore, infelizmente pode se decepcionar. Embora haja muito sangue rolando, não vemos a violência e a brutalidade habitual que esse tipo de filme tem.

Desenfreado” é um bom filme pipoca pra quem gosta de terror, zumbis e lutas. Seguramente é bem melhor que qualquer capítulo da franquia “Resident Evil” por exemplo. Pode assistir de boa nessa quarentena.

Escala de tocância de terror:

Direção: Sung-Hoon Kim
Roteiro: Jo-Yun Hwang, Shin-Yeon Won, Hwang Jo Yoon
Elenco: Hyun Bin, Ji-hye Seo, Tae-hoon Kim e outros
País de origem: Coreia do Sul

Continue lendo

Trending