conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Corra! (2017)

Publicados

em

Corra

[Por Jota Bosco]

O fotógrafo Chris Washington, interpretado magistralmente por Daniel Kaluuya (Black Mirror, Psychoville), está pra enfrentar um dos maiores terrores que um jovem pode enfrentar: conhecer os pais de sua namorada (Allison Williams). As coisas podem se tornar um pouco piores pelo fato de Chris ser negro e os pais da moça (Bradley Whitford e Catherine Keener) serem brancos.

Após uma viagem um pouco conturbada devido a um acidente de tráfego, o casal chega à bela casa dos Armitage e Chris começa a perceber que as outras pessoas negras que frequentam a morada, os funcionários Walter (Marcus Henderson) e Georgina (Betty Gabriel), se comportam de uma forma meio estranha. Qual será o motivo? Ele em breve descobrirá!

Reforma trabalhista?

Reforma trabalhista?

Dirigido por Jordan Peele, “Corra!” me remeteu muito à obra de Ira Levin. Esse lance de uma “sociedade” misteriosa formada por brancos ricos e esquisitos (meio que pleonasmo, né?), que vimos em adaptações cinematográficas de seus livros como “As Esposas de Stepford”, de 1975, ou até mesmo em “O Bebê de Rosemary“, de 1968.

"Onde será que eu vi esse povo antes? Será que foi em O Bebê de Rosemary? Será que foi naquele comercial do Cemitério Morada da Paz?"

“Onde será que eu vi esse povo antes? Será que foi em O Bebê de Rosemary? Será que foi naquele comercial do Cemitério Morada da Paz?”

É esquisito quando você vai assistir um filme de terror mas o que mais te satisfaz são as tiradas sutis de humor do filme. Sejam nas participações sempre ótimas de Rod, o melhor amigo de Chris, interpretado por LilRel Howery ou nos diálogos onde os brancos ricos tentam, sem sucesso, mostrar como não são racistas falando coisas como “votei duas vezes no Obama!” ou “eu conheci Tiger Woods! O melhor!” em uma festa. Isso talvez seja fruto da bagagem do ator/escritor Jordan Peele, que estreia na direção mas que já escreveu (e atuou) em muitas comédias (MADtv, Keanu, Robot Chicken, Childrens Hospital, etc)

"Nosso filme tem uns furos no roteiro que plmdds mas tentar fazer alguém acreditar que as pessoas fazem busca na internet usando o Bing... essa foi foda!" "Hahahahahaha!"

“Nosso filme tem uns furos no roteiro que plmdds mas tentar fazer alguém acreditar que as pessoas fazem busca na internet usando o Bing… essa foi foda!” “Hahahahahaha!”

Da forma como está sendo vendido como “filme de terror sobre racismo”, a obra finda frustrando. Tirando algumas poucas situações como a conversa entre o casal sobre se os pais dela sabiam que ele era negro ou a festa acima citada, onde Chris é apresentado para a “sociedade”, pouco se discute sobre o tema e, cá entre nós, racismo é bem mais assustador do que “Corra!”.

Escala de tocância de terror:

Direção e roteiro: Jordan Peele
Elenco: Daniel Kaluuya, Allison Williams, LilRel Howery
Origem: Estados Unidos

* Filme visto na Cabine de Imprensa promovida pela Espaço Z no Recife

Simpático de corpo™ Vimeo: https://vimeo.com/jotabosco/ Youtube: https://www.youtube.com/user/sonicbosco/videos

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Lucas Oliveira Gonçalves

    12 de maio de 2017 a 22:58

    Todo o terror do filme é tirado de clichês óbvios de outros filmes. Você acerta o que vai acontecer antes, e isso faz perder a graça. Fora que esse filme é cheio de esteriótipos sobre o negro, que para pessoas que não se interessam pelo assunto ou apenas desconhecem, não perceberão o quanto isso pode ser prejudicial. Mais uma vez colocam o negro apenas para sofrer, afinal da forma que é passado, da a impressão de que é apenas isso que nos resta. lamentável, mas a mistura não deu certo não.

  2. Vitória Maciel

    25 de maio de 2017 a 18:17

    Na verdade o filme mostra o lado como ainda muitos dos brancos veem os negros, com um olhar de superioridade e autoritarismo. Tendo uma grande mensagem passada de forma genial, deixando claro que pessoas negras atualmente ainda sofrem esse tipo de preconceito.

  3. Marisa

    27 de agosto de 2017 a 20:00

    Transplante cerebral, vida eterna para milionários.

  4. Marisa

    27 de agosto de 2017 a 20:01

    Digo da consciência humana, tb lembra a vida das vítimas de tortura por satélite, experimentação ilegal não consensual, tortura mental da forma mais hedionda, terror mutilação e assassinato através de uma arma de energia dirigida ao cérebro humano.

  5. Pingback: RESENHA: A Morte Te Dá Parabéns (2017) | Toca o Terror

  6. Pingback: RETROSPECTIVA: Melhores e Piores Filmes de 2017 | Toca o Terror

  7. Pingback: TV: Into the Dark (Canal Space) | Toca o Terror

  8. Pingback: RESENHA: Nós (2019) | Toca o Terror

  9. Pingback: RESENHA: The Perfection (2019) | Toca o Terror

  10. Pingback: EVENTO: Maratona de filmes nesta Sexta-feira 13 no MIS-SP | Toca o Terror

  11. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Que Nos Mantêm Vivos (2018)

Publicados

em

O Que Nos Mantêm Vivos

O cinema com temática LGBTQI+ está cada vez mais ganhando visibilidade. Dentre os gêneros abordados, o terror também se encontra presente. Pessoalmente não conheço muitos filmes com uma pegada séria, uma vez que sempre acabam flertando com a comédia, como é o caso de “Matadores de Vampiras Lésbicas” (2009) ou “The Curse of the Queerwolf” (1988). Existem, sim filmes mais sérios como “Parceiros da Noite” (1980), mas obviamente são casos raros. Recentemente, navegando pela Amazon Prime, descobri o filme “O Que Nos Mantêm Vivos”, um filme de terror de sobrevivência estrelado por um casal lésbico.

A trama acompanha o casal Jackie e Jules que está comemorando o seu primeiro ano de casamento indo para uma casa de campo. As coisas começam bem, mas alguns segredos e mentiras vêm à tona e o que seria um fim de semana romântico se torna um pesadelo imprevisível. Falar mais que isso seria spoiler e já adianto que evitem o trailer antes de assistir, pois ele conta o filme todo.

Casais apaixonados em casas no meio do nada sendo apavorados não é algo novo e esse filme tenta não reinventar a roda, mesmo com seus momentos de surpresa. As duas atrizes seguram as pontas e dão mais camadas às suas personagens na medida em que o caos emerge. O jogo de gato e rato é interessante e por vezes instigante, me lembrando o superior “Hush – A Morte Ouve” (2014). A direção consegue na maior parte do tempo captar a tensão e a loucura, mesmo que em alguns momentos escorregadios, as cenas se transformem em algo quase caricato.

Uma coisa que me incomodou em “O Que Nos Mantêm Vivos” foi o uso de estereótipos para caracterizar as personagens. Na maioria dos filmes do gênero sempre parece uma regra ter que se colocar alguém do casal de forma mais masculinizada para se ter uma distinção do seu par. Isso vale para casais gays também, claro. É como se a audiência hétero não pudesse enxergá-los simplesmente como um casal se não tiver essas características aparentes. Outra coisa que me irritou foi se utilizar do manjado artifício da burrice de certa personagem para fazer a trama prosseguir. Ficam claras várias possibilidades, mas o roteiro teima em ir pelo caminho mais fácil.

Embora o filme apele mais para o psicológico, o gore aparece aqui e ali para salpicar a tela de vermelho. No fim é um bom filme que te prende até o final, mesmo por vezes te fazendo virar os olhos em descrédito. Divertido, “O Que Nos Mantêm Vivos” merece ser mais visto.

Escala de tocância de terror:

Título original: What Keeps You Alive
Direção e roteiro: Colin Minihan
Elenco: Hannah Emily Anderson, Britany Allen, Joey Klein
Ano de lançamento: 2018
País de origem: Canadá

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: A Morte Te Dá Parabéns (2017)

Publicados

em

Morte te Dá Parabens

[Por Felipe Macêdo]

Quem nunca quis ter uma segunda chance e corrigir algo em sua vida? Tree (Jessica Rothe) teve mais de uma chance pra fazer isso. Ela vive, morre e volta para o mesmo dia e não entende o que está acontecendo. A chave para sair desse pesadelo é descobrir quem é o vilão mascarado que a mata diversas vezes e bem no dia do seu aniversário. Essa é a trama do novo filme da Universal Pictures e Blumhouse, uma parceria que rendeu vários frutos como a franquia “Uma Noite de Crime” e o elogiado “Corra!”. A bola da vez é tentar reviver (opa!) os slasher movies, dando uma nova roupagem ao filme “A Morte Te Dá Parabéns”. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: A Ameaça (2013)

Publicados

em

A Ameaça

O retorno após 15 anos às telonas de John McNaughton (do excelente “Henry: Retrato de um Assassino” e do subestimado “Garotas Selvagens“) em “A Ameaça” (The Harvest), conta a história da jovem Maryann (Natasha Calis, de “Possessão”) que vai morar com os avós (Peter Fonda e Leslie Lyles) após a perda de seus pais.

Em um de seus passeios exploratórios pela região, conhece um garoto doente e acamado chamado Andy (Charlie Tahan, a voz de Victor Frankenstein em “Frankenweenie”), que descobriu ao bisbilhotar a janela de uma casa com uma pequena plantação de milho ao lado (The Harvest! Hã? Hã? 😉 ). Desse encontro nasce uma linda amizade que seria digna do mais belo filme da Sessão da Tarde. Mas………. é um filme de horror, né? (mais…)

Continue lendo

Trending