conecte-se conosco

Dicas

RESENHA: Creep (2014)

Publicados

em

Creep

[Por Júlio Carvalho]

A minha dica pra este fim de semana é um found-footage chamado CREEP. É uma produção indie que tá no catálogo da Netflix e que eu ignorei por um bom tempo por puro preconceito. Vacilo meu, pois quando assisti me surpreendi.

Na trama, um cara chamado Josef (Mark Duplass) tem um câncer irreversível no cérebro e contrata Aaron (Patrick Brice) para filma-lo durante um dia inteiro. A ideia é que seja possível deixar um registro para que seu filho que ainda está pra nascer possa conhecer o pai. Sendo que não tarda para as coisas ficarem bem esquisitas.

Seguindo em seu formato found-footage de maneira correta e convincente, CREEP realmente passa a sensação de realidade que o estilo precisa. Josef é simpático, mas de um jeito tão bizarro que o sentimento de desconforto predomina logo de início.

Há situações bem esquisitas aqui, e outras de um constrangimento que beira o assustador, como uma sequência em que Josef finge tomar banho com um bebê imaginário na banheira. Sério, que troço cabuloso! Não duvido que, por exemplo, o tosco do Domingos, psicopata do curta nacional homônimo de 2015, fazia aquele tipo de coisa com as mesmas mungangas.

É interessante, apesar de toda sua simplicidade, como este longa instiga uma vontade de falar a respeito assim que termina. Poucos filmes hoje em dia conseguem isso. Mesmo dentre aqueles com tramas ultra complexas que ao fim não dizem nada de fato.

CREEP, que poderia ser ‘traduzido’ perfeitamente como “cabuloso”, pois é isso que o cara é, traz aquele misto de incômodo e curiosidade que um bom suspense pede. Vai na fé que vale a pena! Esse mês, inclusive, estreia, também na Netflix, a parte 2 dessa beleza. Então, que venha logo essa continuação.

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Felipe Calabrez

    10 de agosto de 2018 a 10:09

    Você disse tudo, um filme que vale a pena falar sobre, duro é encontrar quem tenha assistido, obrigado amigo! Aquela cena do machado… não tava dando um real pra ela até p momento e tava chamando cara de burro, mas o bom que depois o próprio Josef explica do pq o cara foi burro, ineterssante! – https://rezenhando.wordpress.com/2018/08/10/rezenha-critica-creep-1-e-2/

  2. Daniel

    3 de julho de 2019 a 14:51

    Na boa, não precisa fazer resenhas se forem todas como essa, o filme e previsível e sem graça, uma perca de tempo r só não digo q e um completo lixo pq isso seria manchar a honra dos lixos.
    1/10 pro filme.

  3. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dicas

DICA DA SEMANA: Eu Enterro os Vivos (1958)

Publicados

em

Eu Enterro os Vivos

[Por Osvaldo Neto]

Robert Kraft (Richard Boone), um homem bem sucedido, recebe a tarefa de cuidar do cemitério da cidade, que é administrado pela sua família, também dona de uma grande loja local de departamentos. Enquanto não arranja um substituto, ele recebe a assistência de Andy McKee (Theodore Bikel, roubando cenas), um antigo funcionário que trabalha no local há 40 anos e irá se aposentar. É quando Robert se depara com um enorme mapa no escritório que contém todos as sepulturas, as ocupadas (marcadas por alfinetes pretos) e desocupadas (marcadas por alfinetes brancos). (mais…)

Continue lendo

Dicas

LISTA: Filmes que parecem Black Mirror

Publicados

em

Lista Black Mirror

[Por Jarmeson de Lima]

Recentemente acabei encarando uma série de filmes que pareciam extraídos do cultuado seriado britânico “Black Mirror“. Pra quem já viu, sabe que a tônica é ver histórias em um futuro distópico com situações onde a humanidade e a sensibilidade humana é posta em xeque com um tom pessimista. (mais…)

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: Amityville II – A Possessão (1982)

Publicados

em

Amityville II - A Possessão

[Por Jarmeson de Lima]

O atento leitor desta seção de dicas vai notar que poucas vezes recomendamos continuações. Quando isso acontece é com obras que saem da previsível curva em que algumas franquias se incluem, dando mais do que se espera. E por isso mesmo acabam sendo odiadas pelos mais puristas e amadas pelos demais. (mais…)

Continue lendo

Trending