conecte-se conosco

Resenhas

SÉRIE: Slasher – S02 – Guilty Party (2017)

Publicados

em

[Por Felipe Macedo]

Os filmes do tipo slasher são com certeza os mais conhecidos do gênero terror. Afinal, quem nunca ouviu falar de Chucky, Jason, Michael Myers e Freddy Krueger, entre outros? Se fosse citar todos os vilões desse tipo de filme, a resenha só seria isso. Mas bem, na onda de reviver certos gêneros e filmes clássicos, as produtoras estão pegando o roteiro de filmes como “Maquina Mortífera” e “O Exorcista” e transformando-os em séries. No caso deste seriado, os produtores pegaram a ideia geral do que se espera de um slasher movie e o transformaram em série antológica.

Com uma primeira temporada produzida pelo canal americano Chiller, Slasher, a série, trouxe uma trama que envolvia uma cidade do interior americano, traumas do passado e muitos, muitos assassinatos sangrentos. Ainda assim, não cativou esse slasherwhore por conta de problemas latentes como: roteiro sem graça, atores péssimos, direção irregular e uma previsibilidade sofrível. Para se ter uma ideia, a identidade do vilão já pode ser percebida logo no início da trama.

Para minha surpresa, foi anunciada tempos depois uma segunda temporada com produção da Netflix, que adquiriu os direitos da série. Graças aos deuses do slasher isso aconteceu, pois essa segunda temporada é uma evolução considerável em relação a primeira. Desta vez, a trama segue alguns amigos que retornam ao local onde um dia foi uma colônia de férias para sumir de vez com um erro de anos atrás. Leia-se: o corpo decomposto de uma garota.

O que eles não esperavam é que o lugar estivesse em pleno inverno e eles tivessem que ficar numa casa que virou uma espécie de refúgio espiritual e comunidade de auto-ajuda. O problema maior viria, claro, na forma de um assassino mascarado que tinha por objetivo caçar e matar um por um. E como todo bom slasher, a fúria do serial killer também caiu sobre pessoas que não tinham nada a ver com o crime passado. Deu pra notar que as inspirações a slashers clássicos e modernos como “Sexta-Feira 13” (1980), “A Morte Convida Para Dançar” (1981) e “Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado” (1997) são bem evidentes.

É nessa colcha de retalhos que a trama se desenvolve em oito episódios. O bom é que o formato de seriado permite um desenvolvimento maior dos personagens, sendo eles vítimas ou suspeitos, criando um clima bacana onde o público não consegue imaginar quem vai pro saco ou quem é o vilão. Nesta temporada ao menos conseguiram manter o mistério de quem seria o mascarado da vez por um tempo bem maior. Só perto do fim, caso se preste bem atenção, é que o mistério se revelará. Outro ponto a favor é que temas delicados como homofobia, estupro e depressão são abordados no decorrer dos episódios dando mais dimensão aos personagens.

O gore é extremamente generoso com tripas e carnes queimadas fazendo parte do menu. Recomendo muito para quem curte uma história de mistério com violência extrema e pra quem como eu, é fanático por esse sub-gênero tão lindo. Estou ansioso para uma eventual terceira temporada e que trama poderá abordar.

Escala de tocância de terror:

Série: Slasher – 2ª Temporada – Guilty Party
Produção: Netflix
Criador: Aaron Martin
Elenco: Leslie Hope, Jim Watson, Paula Brancati e outros..
Ano de lançamento: 2017

https://www.youtube.com/watch?v=xUUY9Eia984

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Glosvalda (@Glisvilde)

    10 de dezembro de 2017 a 09:30

    Fiquei curiosa. Vou assistir a primeira.

  2. Pingback: SÉRIE: Slasher – S03 – Solstício (2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: The Titan (2018)

Publicados

em

The Titan

Em mais uma aposta da Netflix na Ficção Científica, “The Titan” é uma prova que nem sempre a gigante do streaming acerta em suas produções. Veja bem, não é culpa da produção técnica em si (quase sempre impecável), mas de parte do roteiro e de seu ritmo. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Coletivo Terror (2020)

Publicados

em

Coletivo Terror

Coletivo Terror (Bloodride), série norueguesa da Netflix, é uma produção em formato de antologia. São seis episódios com histórias independentes, durando cerca de 30 minutos cada. Os roteiros são diversificados, temos contos de fantasmas, psicopatas, lendas nórdicas, tudo no melhor estilo Além da Imaginação.

Three Sick Brothers

Muita gente pensa que escrever histórias curtas pode ser fácil, mas nem todo mundo é capaz de condensar uma ideia em um espaço de tempo limitado. Em certos casos é até mais difícil. E a série criada por Kjetil Indregard e Atle Knudsen tropeça justamente aí, falhando em dar ritmo aos capítulos e buscando sempre uma reviravolta que poucas vezes surpreende o espectador.

The Elephant in the Room

De algum destaque, listamos como bons argumentos os episódios Three Sick Brothers (E02), Lab Rats (E04) e The Elephant in the Room (E06). A intenção foi boa, mas uma coisa ou outra no roteiro acaba deixando-os menos interessantes do que poderiam ter sido. Lab Rats tinha tudo para ser ótimo suspense, não fossem os diálogos constrangedores.

Ultimate Sacrifice

Ultimate Sacrifice (E01), Bad Writer (E04) e The Old School (E05) são os responsáveis por jogar a nota do programa lá pra baixo, com histórias ruins, previsíveis e atuações que deixam a desejar. O primeiro principalmente por ser o único a fugir do lugar comum e focar em um fato histórico bem norueguês: a herança viking.

Talvez o formato de curtas empolgue quem procura um passatempo rápido e leve, mas não espere ser surpreendido em nada por Coletivo Terror. Se uma segunda temporada for confirmada pela Netflix, é bom os criadores começarem a se esforçar mais.

P.S.: Não entendi a relação com o ônibus da abertura.

Escala de tocância de terror:

Título original: Bloodride
Direção: Geir Henning Hopland e Atle Knudsen
Roteiro: Kjetil Indregard e Atle Knudsen
Elenco: Stig R. Amdam, Anna Bache-Wiig e Ellen Bendu
Origem: Noruega

Continue lendo

Trending