conecte-se conosco

Resenhas

SÉRIE: Slasher – S02 – Guilty Party (2017)

Publicados

em

[Por Felipe Macedo]

Os filmes do tipo slasher são com certeza os mais conhecidos do gênero terror. Afinal, quem nunca ouviu falar de Chucky, Jason, Michael Myers e Freddy Krueger, entre outros? Se fosse citar todos os vilões desse tipo de filme, a resenha só seria isso. Mas bem, na onda de reviver certos gêneros e filmes clássicos, as produtoras estão pegando o roteiro de filmes como “Maquina Mortífera” e “O Exorcista” e transformando-os em séries. No caso deste seriado, os produtores pegaram a ideia geral do que se espera de um slasher movie e o transformaram em série antológica.

Com uma primeira temporada produzida pelo canal americano Chiller, Slasher, a série, trouxe uma trama que envolvia uma cidade do interior americano, traumas do passado e muitos, muitos assassinatos sangrentos. Ainda assim, não cativou esse slasherwhore por conta de problemas latentes como: roteiro sem graça, atores péssimos, direção irregular e uma previsibilidade sofrível. Para se ter uma ideia, a identidade do vilão já pode ser percebida logo no início da trama.

Para minha surpresa, foi anunciada tempos depois uma segunda temporada com produção da Netflix, que adquiriu os direitos da série. Graças aos deuses do slasher isso aconteceu, pois essa segunda temporada é uma evolução considerável em relação a primeira. Desta vez, a trama segue alguns amigos que retornam ao local onde um dia foi uma colônia de férias para sumir de vez com um erro de anos atrás. Leia-se: o corpo decomposto de uma garota.

O que eles não esperavam é que o lugar estivesse em pleno inverno e eles tivessem que ficar numa casa que virou uma espécie de refúgio espiritual e comunidade de auto-ajuda. O problema maior viria, claro, na forma de um assassino mascarado que tinha por objetivo caçar e matar um por um. E como todo bom slasher, a fúria do serial killer também caiu sobre pessoas que não tinham nada a ver com o crime passado. Deu pra notar que as inspirações a slashers clássicos e modernos como “Sexta-Feira 13” (1980), “A Morte Convida Para Dançar” (1981) e “Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado” (1997) são bem evidentes.

É nessa colcha de retalhos que a trama se desenvolve em oito episódios. O bom é que o formato de seriado permite um desenvolvimento maior dos personagens, sendo eles vítimas ou suspeitos, criando um clima bacana onde o público não consegue imaginar quem vai pro saco ou quem é o vilão. Nesta temporada ao menos conseguiram manter o mistério de quem seria o mascarado da vez por um tempo bem maior. Só perto do fim, caso se preste bem atenção, é que o mistério se revelará. Outro ponto a favor é que temas delicados como homofobia, estupro e depressão são abordados no decorrer dos episódios dando mais dimensão aos personagens.

O gore é extremamente generoso com tripas e carnes queimadas fazendo parte do menu. Recomendo muito para quem curte uma história de mistério com violência extrema e pra quem como eu, é fanático por esse sub-gênero tão lindo. Estou ansioso para uma eventual terceira temporada e que trama poderá abordar.

Escala de tocância de terror:

Série: Slasher – 2ª Temporada – Guilty Party
Produção: Netflix
Criador: Aaron Martin
Elenco: Leslie Hope, Jim Watson, Paula Brancati e outros..
Ano de lançamento: 2017

https://www.youtube.com/watch?v=xUUY9Eia984

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

"Nós deixamos de procurar os monstros embaixo de nossas camas, quando percebemos que eles estão dentro de nós"

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: #Alive (2020)

Publicados

em

Alive

O cinema sul coreano ganhou uma visibilidade incrivel nos últimos anos e hoje não é tão raro ver obras vindas de lá aportarem no cinema. Mas é claro que com a pandemia as coisas foram freadas e alguns filmes estão ganhando destaque via streaming. Este é o caso de #Alive, filme que estreou em seu país na reabertura dos cinemas com bastante êxito e está sendo distribuído mundialmente pela Netflix.

A trama acompanha um jovem rapaz, que sozinho no apartamento da família, tenta sobreviver a uma epidemia mortal que transforma os cidadãos em zumbis sedentos por carne humana. No passar de vários dias, com comida e água acabando e ataques cada vez piores das criaturas, o rapaz coloca em cheque a promessa que fez ao pai de sobreviver. E aos trancos e barrancos ele tentará cumprir o que foi pedido.

#Alive é um bom filme de zumbis que não coloca nada de novo na mesa, mas traz o básico que, em sua maior parte, é competente. O longa não enrola e logo nos primeiros minutos a confusão e o caos predominam. A primeira parte é a melhor, se passando em praticamente um único cenário, mostrando bem a sensação de solidão e medo do personagem com cenas de ação pontuais e mais comedidas. Vale comentar a ótima maquiagem dos monstros que lembram o conterrâneo “Invasão Zumbi” (Train to Busan).

Outra semelhança com o longa de zumbis mais famoso é a ambientação minimalista e o país. Sinceramente, essa sim deveria ser a sequência real dele, pois mesmo não sendo perfeita, se mostra bem superior à continuação oficial, chamanda “Península”.

Os problemas de #Alive vêm à tona em sua segunda metade, onde as sequências de ação se tornam inverossímeis demais (até para um filme de zumbis)… Meio que a produção se rende ao espetáculo ocidental apresentando exageros que tiram a atenção diversas vezes. O clímax acaba sendo forçado e emotivo demais querendo a todo custo arrancar lágrimas do público.

Concluindo… #Alive não é um divisor de águas do gênero, mas é divertido e tenso na maior parte de sua duração. Vale gastar o tempo assistindo as desventuras do protagonista e sua busca pela sobrevivência.

Escala de tocância de terror:

Título original: #Saraitda
Diretor: II Cho
Roteiro: II Cho,Matt Naylor
Elenco: Ah-in Yoo, Shin-Hye Park,Bae-soo Jeon e outros
País de origem: Coreia do Sul

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Dominação (2017)

Publicados

em

Dominação

[Por Felipe Macedo]

Estrelado por Aaron Eckhart e produzido por Jason Blum, “Dominação” (Incarnate) mais uma vez mostra a história de um jovem possuído por um demônio poderoso. Nosso herói aqui luta para derrotar o grande mal e salvar o dia. No entanto, o longa tenta vir com uma promessa de abordar o tema de uma forma diferente do que foi mostrado até hoje. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending