conecte-se conosco

Dicas

RESENHA: Undocumented (2010)

Publicados

em

[Por Jarmeson de Lima]

Se você pesquisar pela palavra “undocumented” na Netflix, você vai achar só um filme. No caso, este de mesmo nome no qual indico a vocês e falarei a respeito nas próximas linhas. É uma obra de ficção montada como documentário found-footage. Mas se você procurar pelo mesmo termo no YouTube, vai encontrar inúmeros videos reais sobre os atuais “undocumented” da Era Trump. Pessoas deportadas, expulsas dos Estados Unidos e sem previsão de volta simplesmente pelo fato de não terem nascido naquele pedaço de chão.

Na época que vi o filme, tinha achado ele bem assustador, mas hoje em dia, a realidade consegue ser ainda pior. É curioso voltar a este filme após alguns anos. Quando o vi, achei um pouco exagerado. Tudo bem que o tema e o tratamento pediam um pouco de radicalismo e algo de chocante para impressionar o público, mas eis que a realidade imita a ficção de tal modo que nem parece ser só um longa inocente.

Mas bem, vamos a obra em questão… “Undocumented” é um bom e barato found-footage como o formato exige. Começamos acompanhando um grupo de jovens cineastas que partem para a fronteira do México com os Estados Unidos para registrar a entrada de imigrantes latinos no país de forma clandestina. Poderia ser só mais uma reportagem de denúncia ou de alerta, mas logo vira o pior dos pesadelos para todos os envolvidos. E o pesadelo não é a polícia da imigração, mas sim, a armadilha preparada por um bando de justiceiros para castigar aqueles que consideram como uma “praga” para a América.

Como estamos lidando com um falso documentário, o que se segue em diante no filme é meio que previsível, mas ainda assim aterrorizante. Vemos um grupo de americanos encapuzados torturando suas vítimas e colocando no mesmo balaio tanto os latinos que abominam, quanto a galera “de humanas” que quis apenas filmar os imigrantes que vieram “roubar os empregos” dos cidadãos de bem. Até cabe um paralelo em ver que esses mesmos justiceiros sem identificação se assemelham a comentaristas de portal que rosnam para tudo que lhes contraria a opinião mas que não têm coragem de mostrar o rosto.

Visualmente e tecnicamente, “Undocumented“, obra de Chris Peckover, do elogiado “Better Watch Out“, funciona e prende sua atenção até o final. Ainda assim, dá medo em ver que o governo de Donald Trump tornou essa xenofobia algo “aceitável” para que rednecks, reaças e outros grupos covardes que semeiam ódio possam achar as cenas do filme apenas divertidas.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dicas

DICA DA SEMANA: Amityville II – A Possessão (1982)

Publicados

em

Amityville II - A Possessão

[Por Jarmeson de Lima]

O atento leitor desta seção de dicas vai notar que poucas vezes recomendamos continuações. Quando isso acontece é com obras que saem da previsível curva em que algumas franquias se incluem, dando mais do que se espera. E por isso mesmo acabam sendo odiadas pelos mais puristas e amadas pelos demais. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: Warlock, O Demônio (1989)

Publicados

em

Warlock, O Demônio

Colônia de Massachusetts, Boston, Século XVII. Um feiticeiro, interpretado por Julian Sands, capturado e condenado por práticas demoníacas está prestes a ser enforcado e depois queimado sobre um cesto com gatos vivos (?!?) quando magicamente é transportado para o Século XX.

Junto com ele, Redferne (Richard E. Grant), seu carrasco, também vem para na Boston do final dos anos 80 e com a ajuda de uma jovem (Lori Singer) tentará rastrear e destruir o feiticeiro antes que ele coloque suas mão nas páginas do Grand Grimoire (a bíblia do capeta) e desfaça tudo o que Deus criou. Estamos falando de “Warlock, O Demônio“, polêmico filme que despertou atenção até do Alborghetti quando a Rede OM exibiu o longa na TV aberta pela primeira vez.

Lembro como fiquei ansioso para ver esse filme na época de seu lançamento graças à uma matéria numa revista “Terror e Ficção“. Ela contava como o filme continha várias referências “verdadeiras” sobre bruxaria e coisa e tal. Assistindo, realmente havia coisas bem interessantes e inéditas no cinema lá pra ver (o lance dos pregos nas pegadas, por exemplo, é sensacional). Apesar do argumento ser basicamente um “Exterminador do Futuro” só que vindo do passado e com bruxos, consegue segurar a onda e divertir bastante.

O diretor Steve Miner (aquele do segundo “Sexta-Feira 13” e de “A Casa do Espanto“) mantém o filme em bom ritmo mesclando elementos de terror, comédia e ação. O trio de protagonistas têm ótima química, com destaque para Sands que faz um feiticeiro impecável. Como em certos momentos o filme abusa um pouco dos efeitos especiais, fica um pouquinho “datado” mas nada que comprometa o conjunto da obra.

O filme está disponível no YouTube em uma cópia com qualidade de VHS (tem uma versão dublada e com imagem melhor, também) mas pra quem quiser ver o filme numa qualidade bacana, a Obras Primas do Cinema lançou o filme no volume 3 da coleção “Sessão de Terror Anos 80“. Já as continuações “Warlock II” e “Warlock 3: Armageddon” podem ser vistas na Amazon Prime Video, que pelo visto esqueceu de colocar o primeiro em seu catálogo…

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: O Escondido (1987)

Publicados

em

O Escondido

A dica desta semana é um daqueles filmes que mesclam lindamente o gênero policial com horror e sci-fi. “O Escondido” (The Hidden), lançado em 1987, traz pra gente uma história aparentemente batida, mas bem conduzida a ponto de ficarmos na expectativa do que virá a acontecer cena após cena.

Em termos de ação, o longa já começa explodindo tudo com uma perseguição de carros e viaturas policiais. A caçada humana ocorre por conta de um sujeito aparentemente pacato que, do nada, assaltou um banco, matou um bocado de gente, deixou mais meio mundo de gente ferida e infringiu várias leis de trânsito na fuga.

No final da perseguição, ele é levado a um hospital em estado grave onde é revelado para nós espectadores o motivo pelo qual ele estava transtornado. Neste rastro de morte e confusão, o sujeito vinha sendo rastreado também por um misterioso agente do FBI (Lloyd Gallagher, alguns anos antes de Twin Peaks) que aparentemente sabe o que está rolando.

Possivelmente a maioria das pessoas que viveu os anos 80, já conhece o filme ou sabe do que se trata o tal “escondido” do título, no entanto pra garantir um melhor aproveitamento de quem nunca o assistiu, vou parando por aqui na sinopse.

É claro que “O Escondido” tem alguns pontos fracos, a começar pelo seu style datado que inclui uma trilha bem metal farofa característica da época e aquela obsessão yuppie por carros conversíveis. Mas o que você, caro leitor, precisa saber, é que se você curtiu “Enigma do Outro Mundo” e “O Exterminador do Futuro” (o primeiro e não aquelas continuações), certamente vai curtir este filme aqui também.

O Escondido” está disponível em versão legendada atualmente na mais nova plataforma de streaming brasileira: Vix. O bom é que pra ver filmes e séries não precisa de cadastro e nem de assinatura, mas de tempos em tempos aparece propaganda entre as cenas como ocorre em alguns canais de Tv a cabo.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending