conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Os Demônios da Noite (1995)

Publicados

em

Demônios da Noite

[Por Osvaldo Neto]

Foi no ano de 1989 que uma série de TV da HBO deu um gás sem tamanho na popularização do nosso gênero favorito. Intitulada CONTOS DA CRIPTA e baseada nos quadrinhos da EC Comics, ela foi produzida por gigantes como Walter Hill, Richard Donner, Robert Zemeckis e Joel Silver. Apresentada por uma inesquecível representação do ‘The Crypt Keeper’ com a voz do ator John Kassir, os seus episódios tinham cerca de meia hora cada e costumavam sempre contar com atores e diretores famosos em histórias que não se prendiam às limitações dos canais abertos nos quesitos nudez, sexo, palavrões e violência gráfica. Foram 7 temporadas, de 1989 a 1996.

Lançada em 13 de janeiro de 1995 (não por acaso, uma sexta-feira 13) e com um roteiro original, OS DEMÔNIOS DA NOITE (Demon Knight) levou tudo pelo qual a série era tão querida para os cinemas. A produção foi dirigida por Ernest R. Dickerson (BONES) e entregou para o eterno coadjuvante William Sadler um raro papel de protagonista, assim como aconteceu em OS SAQUEADORES (1992, dirigido por Hill).

O misterioso Frank Brayker (Sadler) é incansavelmente perseguido por uma outra figura ainda mais estranha, apenas identificado como O Coletor (Billy Zane). Por acaso, o personagem acaba conhecendo o Tio Willy (o grande Dick Miller), um bebaço que o leva para um hotel que antigamente foi uma igreja (“fechada por falta de interesse”, diz ele). Chegando no local, ele aluga um quarto com a dona Irene (a sempre ótima CCH Pounder) e conhece os demais tipos que estão por lá, a prostituta Cordelia (Brenda Bakke), a empregada Jeryline (Jada Pinkett Smith), o carteiro Wally (Charles Fleischer) e um cozinheiro que chega um pouco depois chamado Roach (Thomas Haden Church), também conhecido como “O Babaca” para o espectador. É com uma informação dada por Roach em sua chegada mais a inevitável aparição d’O Coletor na companhia de dois policiais idiotas (Gary Farmer e John Schuck) que bom… a merda vai bater no ventilador.

OS DEMÔNIOS DA NOITE não tem outro propósito a não ser divertir. A despretensão é a palavra da vez e o longa também presta reverência ao clássico dos clássicos dos filmes de ‘pessoas encurraladas em uma casa grande demais para todas elas’, A NOITE DOS MORTOS VIVOS de George A. Romero. É verdade que ele fica um pouco arrastado rumo ao final mas o elenco afiado, com destaque para um impagável Billy Zane, e a excelente direção de Dickerson seguram a onda. E outra: esse é um filme feito na metade dos anos 90 que poderia muito bem fazer parte da filmografia oitentista do gênero, pois está repleto de humor, ‘gore’ de responsa, criaturas asquerosas e efeitos práticos. Há ainda uma sempre bem-vinda inserção de fortes personagens femininas e negras em um filme de terror mainstream, também realizado por um diretor negro.

Houve um segundo filme do CONTOS DA CRIPTA intitulado BORDEL DE SANGUE, lançado em 1998, que investiu pesado em ser uma comédia de horror. O fracasso de bilheteria da produção fez com que o 3º e último longa da franquia – o fraco RITUAL, de 2002 – chegasse a ser lançado sem qualquer referência à série.

OS DEMÔNIOS DA NOITE está disponível no catálogo da Netflix Brasil.

Continue lendo
3 Comentários

3 Comments

  1. augusto

    17 de fevereiro de 2018 a 17:33

    Pra mim, tá no top 10 dos melhores filmes de terror lançados na decada de 90

  2. Pingback: “Contos da Cripta – Os Demônios da Noite” (1995), para o Toca o Terror | Blog Vá e Veja

  3. Pingback: RESENHA: Diário de Horrores (2017) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending