conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: The Cloverfield Paradox (2018)

Publicados

em

Cloverfield Paradox

[Por Jarmeson de Lima]

Parece que J.J. Abrahms e equipe fizeram história mais uma vez. Depois de lançar na surdina o trailer de “Rua Cloverfield, 10” no intervalo do SuperBowl de 2016 e este vir a estrear pouco tempo depois nos cinemas, eis que mais um filme da franquia surge do nada para pegar todo mundo desprevenido. A tática desta vez foi ainda mais ousada. Anunciaram o teaser no intervalo do evento de maior audiência dos Estados Unidos mais uma vez… sendo que não foi para informar a data, mas sim para dizer que o filme já estava pronto e disponível de madrugada no catálogo da Netflix!

No caso deste novo “The Cloverfield Paradox“, uma co-produção da Netflix e Paramount, a trama se aproveita do crescente interesse da audiência da plataforma de streaming por mais histórias de ficção científica e focaliza grande parte de seus minutos no espaço. Mais precisamente em uma estação espacial que abriga um acelerador de partículas que visa gerar energia para alimentar a Terra em um período de crise de abastecimento elétrico.

Os cientistas e engenheiros na órbita da Terra estão com a missão de fazer o acelerador Shepard trabalhar direitinho para depois voltar ao planeta. O problema é que uma coisa com este grau de complexidade dificilmente funciona de primeira. Sendo assim, a missão que deveria ser de pouco tempo, demora bem mais que o previsto fazendo com que todos os astronautas a bordo, de diferentes nacionalidades (incluindo até um brasileiro), comecem a se estranhar. A coisa, no entanto, degringola de vez quando o Shepard é acionado e uma série de acontecimentos estranhos são desencadeados.

Ao lidar com realidades paralelas, portais interdimensionais, ameaças de monstros e o já temido terror que vem do confinamento espacial, “The Cloverfield Paradox” apresenta um bom resultado advindo deste universo expandido. Se no primeiro temos um filme de monstros e ação e no segundo temos um bom filme de suspense e mistério, esta terceira produção da franquia tenta apresentar uma nova visão sobre o que provocou ou não a invasão alienígena na Terra.

Supostamente o filme se passa pouco antes da história que cerca o primeiro “Cloverfield” e dá margem a certas interpretações. No entanto, ao lidarmos com questões que envolvem dimensões alternativas, nada é aquilo que aparenta ser, podendo confundir e alterar a cronologia do que veio antes e do que virá depois nesta franquia. [Notem o esforço todo aqui em não dar spoilers, uma vez que o roteiro é bem amarradinho e dar mais pistas do que acontece estragaria a experiência]

O fato é que apesar de ter clichês típicos de filmes do gênero, esta nova produção é bem vinda e trata bem o material original. O risco de ter novas produções da franquia agora só deve aumentar de acordo com a receptividade do público, mas pessoalmente creio que depois de três filmes, “Cloverfield” deveria logo virar série para saciar a sede dos fãs e de quem se interessa nos desdobramentos do caso.

Escala de tocância de terror:

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo
1 comentário

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: Castlevania (2017)

Publicados

em

Castlevania

[Por Felipe Macedo]

Sou gamer desde de quando me entendo por gente e passei boa parte da minha vida me divertindo (e me estressando) com essa mídia. Conheci a série Castlevania nos 16bits e já sabia que era uma franquia já bastante estabelecida antes (em 8 bits), mais precisamente no nintendinho. Passei várias tardes dando chicotadas em lobisomens, medusas, zumbis e claro no vampirão mais famoso do mundo: O Conde Drácula. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: #Alive (2020)

Publicados

em

Alive

O cinema sul coreano ganhou uma visibilidade incrivel nos últimos anos e hoje não é tão raro ver obras vindas de lá aportarem no cinema. Mas é claro que com a pandemia as coisas foram freadas e alguns filmes estão ganhando destaque via streaming. Este é o caso de #Alive, filme que estreou em seu país na reabertura dos cinemas com bastante êxito e está sendo distribuído mundialmente pela Netflix.

A trama acompanha um jovem rapaz, que sozinho no apartamento da família, tenta sobreviver a uma epidemia mortal que transforma os cidadãos em zumbis sedentos por carne humana. No passar de vários dias, com comida e água acabando e ataques cada vez piores das criaturas, o rapaz coloca em cheque a promessa que fez ao pai de sobreviver. E aos trancos e barrancos ele tentará cumprir o que foi pedido.

#Alive é um bom filme de zumbis que não coloca nada de novo na mesa, mas traz o básico que, em sua maior parte, é competente. O longa não enrola e logo nos primeiros minutos a confusão e o caos predominam. A primeira parte é a melhor, se passando em praticamente um único cenário, mostrando bem a sensação de solidão e medo do personagem com cenas de ação pontuais e mais comedidas. Vale comentar a ótima maquiagem dos monstros que lembram o conterrâneo “Invasão Zumbi” (Train to Busan).

Outra semelhança com o longa de zumbis mais famoso é a ambientação minimalista e o país. Sinceramente, essa sim deveria ser a sequência real dele, pois mesmo não sendo perfeita, se mostra bem superior à continuação oficial, chamanda “Península”.

Os problemas de #Alive vêm à tona em sua segunda metade, onde as sequências de ação se tornam inverossímeis demais (até para um filme de zumbis)… Meio que a produção se rende ao espetáculo ocidental apresentando exageros que tiram a atenção diversas vezes. O clímax acaba sendo forçado e emotivo demais querendo a todo custo arrancar lágrimas do público.

Concluindo… #Alive não é um divisor de águas do gênero, mas é divertido e tenso na maior parte de sua duração. Vale gastar o tempo assistindo as desventuras do protagonista e sua busca pela sobrevivência.

Escala de tocância de terror:

Título original: #Saraitda
Diretor: II Cho
Roteiro: II Cho,Matt Naylor
Elenco: Ah-in Yoo, Shin-Hye Park,Bae-soo Jeon e outros
País de origem: Coreia do Sul

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending