conecte-se conosco

Resenhas

DVD: Obras Primas do Terror – Vol. 6

Publicados

em

[Por Jarmeson de Lima]

Uma das coleções mais interessantes da Versátil Home Video é a “Obras Primas do Terror“. Estamos chegando a sete volumes e devido a sua variedade de títulos e subgêneros, é possível facilmente passarmos de 10. Neste volume 6 em específico, temos clássicos dos anos 30 e 40, body horror, história de fantasmas e serial killers.

O cuidado com a embalagem se mantém e temos um box com três DVDs e dois filmes em cada juntamente com cards especiais. O DISCO 1 vem com “A Ilha das Almas Selvagens” (Island of Lost Souls, 1932) e “A Sociedade dos Amigos do Diabo” (Society, 1989). Já o DISCO 2 traz “A Mansão Macabra” (Burnt Offerings, 1976) e “A Sétima Vítima” (The Seventh Victim, 1943). Por fim, o DISCO 3 apresenta “Internato Derradeiro” (La Residencia, 1969) e “A Máscara do Horror” (Mr. Sardonicus, 1960).

Com exceção de “A Ilha das Almas Selvagens” e “A Sétima Vítima” que estão em formato Letterbox, os demais filmes apresentam seu aspecto original Widescreen com uma ótima qualidade de imagem restaurada. Por sinal, é uma marca da coleção apresentar no mercado brasileiro versões exclusivas e inéditas a exemplo de “A Máscara do Horror“, de William Castle, “A Mansão Macabra“, de Dan Curtis e “Internato Derradeiro“, de Ibañez Serrador, que não obteve uma restauração completa, mas que vem até com um aviso em tela sobre isso.

Os extras para esta coleção apresentam no DISCO 1 uma conversa de John Landis com Rick Baker e Bob Burns sobre “A Ilha das Almas Selvagens“, a primeira adaptação para o cinema do livro “A Ilha do Dr. Moreau“, de H.G. Wells. O mesmo disco também apresenta um video depoimento de Brian Yuzna falando sobre sua carreira e seu longa “A Sociedade dos Amigos do Diabo“. No DISCO 2, o roteirista William F. Nolan fala sobre “A Mansão Macabra” com detalhes de bastidores e outras curiosidades. Por fim, o DISCO 3, traz um breve especial sobre William Castle e “A Máscara do Horror“, considerado por ele seu filme preferido.

O Box OBRAS-PRIMAS DO TERROR – VOL. 6 pode ser adquirido nas melhores lojas físicas ou virtuais.


DISCO 1

A ILHA DAS ALMAS SELVAGENS (Island of Lost Souls, 1932, 70 min.)
De Erle C. Kenton. Com Charles Laughton, Bela Lugosi, Richard Arlen.
Cientista obcecado conduz macabras experiências genéticas numa remota ilha do Oceano Pacífico. Primeira adaptação de “A Ilha do Dr. Moreau”, de H. G. Wells, essa obra-prima é um clássico do cinema de horror dos anos 30.

A SOCIEDADE DOS AMIGOS DO DIABO (Society, 1989, 99 min.)
De Brian Yuzna. Com Billy Warlock, Devin DeVasquez, Evan Richards.
Um adolescente desconfia que sua família faça parte de um culto grotesco formado pela elite da sociedade local. Estreia do famoso produtor Brian Yuzna (“Re-Animator”) na direção, esse cult do body horror é uma cáustica sátira social.


DISCO 2

A SÉTIMA VÍTIMA (The Seventh Victim, 1943, 71 min.)
De Mark Robson. Com Kim Hunter, Tom Conway, Jean Brooks.
Uma mulher em busca da irmã desaparecida descobre um culto satânico no coração de Nova York. Obra-prima do lendário ciclo de filmes de terror do produtor Val Lewton (“Sangue de Pantera”, “O Túmulo Vazio”).

A MANSÃO MACABRA (Burnt Offerings, 1976, 106 min.)
De Dan Curtis. Com Karen Black, Oliver Reed e Burgess Meredith.
Uma família se muda para uma velha mansão assombrada, que se alimenta de seus habitantes. Um dos melhores filmes de casa assombrada do cinema de terror dirigido pelo especialista Dan Curtis (“Sombras da Noite”).


DISCO 3

INTERNATO DERRADEIRO (La Residencia/The House that Screamed, 1969, 104 min.)
De Narciso Ibañez Serrador. Com Lili Palmer, Cristina Galbó, John Moulder-Brown.
França, século XIX. Jovens estudantes de um internato isolado começam a desaparecer em circunstâncias misteriosas. Precursor de “Suspiria”, esse clássico do horror europeu tem direção do mestre Narciso Ibañez Serrador (“Os Meninos”).

A MÁSCARA DO HORROR (Mr. Sardonicus, 1960, 90 min.)
De William Castle. Com Ronald Lewis, Audrey Dalton, Guy Rolfe.
Desesperado para recuperar um bilhete de loteria vitorioso, um barão ganancioso desenterra o corpo do pai e se torna vítima de uma maldição. Filme favorito do lendário produtor William Castle (“A Casa dos Maus Espíritos”).

Continue lendo
1 comentário

1 comentário

  1. Pingback: DICA DA SEMANA: A Sociedade dos Amigos do Diabo (1989) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending