conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: A Maldição da Casa Winchester (2018)

Publicados

em

[Por Felipe Macedo]

Filmes sobre casas assombradas e suas maldições inundam os cinemas de tempos em tempos, criando uma série de repetições sem fim dentro desse sub-gênero sem trazer nada de novo. Quando “A Maldição da Casa Winchester” (Winchester) foi anunciado, me peguei surpreso não por se basear em mais um caso supostamente real de assombração e sim pela presença da premiada atriz Helen Mirren encabeçando o elenco. Como ela costuma participar de obras ao menos divertidas, criei uma certa expectativa sobre o projeto.

Dirigido pelos Spierig Brothers, responsáveis pelo fantástico O Predestinado (2014) e pelo mediano Jogos Mortais – Jigsaw (2017), o filme relata as supostas atividades paranormais na mansão de Sarah Winchester, víuva do criador das armas de fogo do mesmo sobrenome. A senhora acreditava que sua família era amaldiçoada pelos espíritos de pessoas que morreram vítimas das armas de fogo. Ela então comprou uma obra inacabada e realizou incensantes reformas e ampliações no local, até sua morte em 1922.

Esperava que o show seria comandado por Mirren, mas quem realmente é o protagonista é o Dr.Eric Price (Jason Clarke), um psiquiatra com um passado trágico que foi enviado pelos outros acionistas da empresa para atestar a insanidade da mulher, já que eles queriam ter o controle total. O personagem toma as vias do espectador: vasculhando a fantástica mansão, tomando sustos em cada esquina e levando cagaço das aparições que não demoram a surgir na tela, além de ir descobrindo os mistério e suas regras junto com o público. Os demais personagens servem apenas para ser alvos de forças sinistras e mesmo tendo uma cena em particular boa, não acrescentam muito.

Confesso que não gostei dessa questão do protagonismo e esperava que o foco do filme fosse a Sra. Winchester, como a divulgação deixou parecer. Seria interessante ver um filme mais sério e focado nos demônios internos e reais que a mulher enfrentava. Dito isso, o filme prefere seguir a fórmula James Wan e apela pra sustos bem comuns, além de soar como repetições não tão bem realizadas. O roteiro também peca por apelar a situações fáceis que me fizeram abrir a boca em descrédito com um terceiro ato extremamente problemático. O desfecho é quase risivel e estraga o bom começo do longa.

O filme parece ser uma bomba, certo? Não necessariamente. Ele cumpre o papel de ser um filme simples para quem não pede muito e vai levar uns sustos aqui e ali. A presença de Mirren é magnética e quase em todas as cenas ela engole os demais atores, tomando as atenções para si. Outro ponto positivo é a fotografia triste e escura. Estamos num filme de terror de fantasmas, mas não é só isso… a mulher está de luto pela família há anos e os parentes que restam estão sendo ameaçados. A fotografia capta bem isso. No fim das contas, Winchester é um filme bem mediano que poderia ter sido muito mais se não quisesse ser um filhote dos filmes de fantasmas modernos.

Escala de tocância de terror:

Titulo original: Winchester
Direção: The Spierig Brothers
Roteiro: The Spierig Brothers e Tom Vaughan
Elenco: Hellen Mirren, Jason Clarke, Sarah Snoke e outros
Ano de lançamento: 2018

Continue lendo
1 comentário

1 comentário

  1. Fabio Bocco

    3 de março de 2018 a 17:34

    Como curiosidade, Alan Moore ambientou uma das histórias do Monstro do Pântano na Mansão Winchester (Swamp Thing #45 de 1985). Na história o Monstro é conduzido por John Constantine até a mansão para investigar as mortes provocadas pelos fantasmas que habitam a casa. Um ótimo conto de horror. Eu li quando guri e já gostei bastante, mas a história ficou ainda melhor quando, mais tarde, descobri que a mansão realmente existia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: A Visita (2015)

Publicados

em

A Visita

Por Júlio César Carvalho

Para uns, M. Night Shyamalam é um gênio, mas pra outros, o diretor não passa de uma farsa. Na minha visão, a carreira do rapaz se resume assim: em 1999, Shyamalam ganhou a atenção do mundo com o clássico contemporâneo O Sexto Sentido (The Sixth Sense) e em seguida, se superou com o ótimo Corpo Fechado (Unbreakable, 2000). Depois vieram Sinais (Signs, 2002) e A Vila (The Village, 2004) que apesar de bons, começaram a causar dúvidas em muitos a respeito da sua suposta genialidade. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Poço (2020)

Publicados

em

O Poço

Com uma produção modesta com apoio do governo espanhol e distribuição da Netflix, “O Poço” (El Hoyo) mescla mistério, drama e ficção científica numa trama que é fácil de resumir, mas difícil de explicar. Assim como obras como “Cubo” e “Demônio“, a ação deste filme se concentra em alguns poucos cenários, restando aos atores imprimir um trabalho que chama a atenção do público.

O estreante em direção de longas, Galder Gaztelu-Urrutia, apresenta aqui uma história que se passa em uma espécie de prisão vertical, em que cada andar abriga dois presos. A plataforma não possui grades ou janelas… apenas as paredes, camas e um buraco no chão e no teto que é por onde uma vez por dia desce uma grande mesa de comida.

E é através do comportamento dos presos frente às refeições que são destrinchadas analogias sociais de opressão, solidariedade e das relações de poder que vão de cima para baixo literalmente. Quem tem sorte de ficar nos níveis superiores tem a chance de comer as refeições com os pratos ainda intactos e limpinhos. Já quem está mais abaixo vai tendo que se contentar com o que vai sobrando sem que nehum dos confinados tenha a preocupação de deixar algo para quem vai se alimentar depois. 

Nesta situação de isolamento dividida em um lugar onde você não queria estar e com quem você não queria conviver, o lado obscuro de cada um se revela e podemos esperar o pior na medida em que vemos o que acontece nos níveis inferiores do Poço. Podia ser só um filme tipo crítica social ao sistema carcerário, mas ele abrange uma metáfora maior sobre nossa presença no mundo e nossa responsabilidade diante da escassez e desperdício de alimentos.

Apesar de ter um ritmo mais reflexivo, “O Poço” sempre guarda cenas impactantes (e com boa dose de gore) no desdobramento de sua história garantindo uma certa fluidez pra quem assiste. Obras assim que oferecem algo a mais do que aparentam estão em falta no cardápio da Netflix, mas são sempre bem vindas.

Escala de tocância de terror:

Título original: El Hoyo
Diretor: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteirista: David Desola
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Eguileor, Antonia San Juan
País de origem: Espanha

Continue lendo

Trending