conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Hellraiser Judgment (2018)

Publicados

em

Hellraiser Judgment

[Por Júlio César Carvalho]

Até então, o último longa da franquia dos “Renascidos do Inferno” tinha sido em 2011. Achando pouco, em pleno 2018, a galera solta mais uma presepada pra avacalhar com os cenobitas. Cadê respeito?

Escrito e dirigido por Gary J. Tunnicliffe (Hansel & Gretel, 2002), HELLRAISER JUDGMENT abre logo com um diálogo entre Pinhead e um tal de “Auditor” em que falam da obsolescência da famosa caixinha que abre as portas do inferno, já que essa geração da internet só vive nos celulares e não brincam mais com brinquedos convencionais(!). HAHAHAHA! (desculpa) Ao mesmo tempo, acompanhamos a investigação de três detetives em busca de um serial killer cabuloso autodenominado “Preceptor”. Daí você tira pra onde essa investigação vai levar, né?

Nada aqui se aproveita. O lado ~filme policial~ é uma porcaria de tão mal escrita e conduzida e a bancada cenobita é tão mal trabalhada que você chega a esquecer várias vezes que eles existem durante o longa. Os diálogos fazem você virar os olhos tantas vezes que chega a dar tontura de tão bobos. As cenas de gore são tímidas, se resumindo praticamente a fluidos escuros sujando o povo ou o chão dos cenários com cara de cenários(!).O filme parece ter medo de mostrar violência. Os visuais dos cenobitas em nada chocam ou causam agonia, me fazendo pensar numa possível consultoria do Rob Zombie nesse sentido. Pelo que pesquisei, não teve, mas vai que…

Pra ser justo, o novo “Pinhead”, desta vez vivido por Paul T. Taylor, até que nos concebe uma voz marcante e um semblante de respeito ao personagem. É o contrário do ridículo Pinhead com cara de “engenheiro de Prometheus ” encarnado por Stephan Smith Collins no “Hellraiser: Revelations” de 2011. Infelizmente, o fraco roteiro não colabora e o personagem não entrega nada além de uma boa presença. Os demais cenobitas são totalmente esquecíveis. Esta obra tenta até refazer uma cena e fala do clássico de 1987, mas a única reação que gera é: Não! Não faz isso n… já era.

Eu sei que deveria desenvolver um pouco mais sobre cada aspecto xingado aqui no texto, mas escrever sobre este erro cinematográfico também é algo sofrível de ser feito. O fato é que HELLRAISER JUDGMENT, além de todos os pesares porcamente já citados, ainda se mostra pretensioso por tentar dar novos rumos à franquia. Pena que é tanta incompetência por parte de todos os envolvidos, que tudo acaba sendo uma dolorosa vergonha alheia.

Nota 01: Tem cena pós-crédito que só vi porque ao seu término, esqueci de desligar a TV e quando voltei pra fazê-lo, a cena começou. Uma merda.

Nota 02: Antes deste longa, em 2013 teve um teaser trailer que prometia um outro filme chamado HELLRAISER: ORIGINS, que até que me animou na época, mas nunca saiu disso. Hoje em dia eu penso que ainda bem.

Escala de tocância de terror:

Direção: Gary J. Tunnicliffe
Roteiro: Gary J. Tunnicliffe
Elenco: Damon Carney, Randy Wayne, Alexandra Harris
Origem: EUA
Ano de lançamento: 2018

https://www.youtube.com/watch?v=1jsNINUm8J8

Continue lendo
1 comentário

1 comentário

  1. augusto

    9 de março de 2018 a 22:53

    Pessoal, uma sugestão. Pq não concentrar esforços em buscar filmes legais para divulgar , em vez de comentar bombas que já foram comentadas em tudo qto é site? Basta dizer q o filme é uma porcaria e pronto… isso no máximo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: A Visita (2015)

Publicados

em

A Visita

Por Júlio César Carvalho

Para uns, M. Night Shyamalam é um gênio, mas pra outros, o diretor não passa de uma farsa. Na minha visão, a carreira do rapaz se resume assim: em 1999, Shyamalam ganhou a atenção do mundo com o clássico contemporâneo O Sexto Sentido (The Sixth Sense) e em seguida, se superou com o ótimo Corpo Fechado (Unbreakable, 2000). Depois vieram Sinais (Signs, 2002) e A Vila (The Village, 2004) que apesar de bons, começaram a causar dúvidas em muitos a respeito da sua suposta genialidade. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Poço (2020)

Publicados

em

O Poço

Com uma produção modesta com apoio do governo espanhol e distribuição da Netflix, “O Poço” (El Hoyo) mescla mistério, drama e ficção científica numa trama que é fácil de resumir, mas difícil de explicar. Assim como obras como “Cubo” e “Demônio“, a ação deste filme se concentra em alguns poucos cenários, restando aos atores imprimir um trabalho que chama a atenção do público.

O estreante em direção de longas, Galder Gaztelu-Urrutia, apresenta aqui uma história que se passa em uma espécie de prisão vertical, em que cada andar abriga dois presos. A plataforma não possui grades ou janelas… apenas as paredes, camas e um buraco no chão e no teto que é por onde uma vez por dia desce uma grande mesa de comida.

E é através do comportamento dos presos frente às refeições que são destrinchadas analogias sociais de opressão, solidariedade e das relações de poder que vão de cima para baixo literalmente. Quem tem sorte de ficar nos níveis superiores tem a chance de comer as refeições com os pratos ainda intactos e limpinhos. Já quem está mais abaixo vai tendo que se contentar com o que vai sobrando sem que nehum dos confinados tenha a preocupação de deixar algo para quem vai se alimentar depois. 

Nesta situação de isolamento dividida em um lugar onde você não queria estar e com quem você não queria conviver, o lado obscuro de cada um se revela e podemos esperar o pior na medida em que vemos o que acontece nos níveis inferiores do Poço. Podia ser só um filme tipo crítica social ao sistema carcerário, mas ele abrange uma metáfora maior sobre nossa presença no mundo e nossa responsabilidade diante da escassez e desperdício de alimentos.

Apesar de ter um ritmo mais reflexivo, “O Poço” sempre guarda cenas impactantes (e com boa dose de gore) no desdobramento de sua história garantindo uma certa fluidez pra quem assiste. Obras assim que oferecem algo a mais do que aparentam estão em falta no cardápio da Netflix, mas são sempre bem vindas.

Escala de tocância de terror:

Título original: El Hoyo
Diretor: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteirista: David Desola
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Eguileor, Antonia San Juan
País de origem: Espanha

Continue lendo

Trending