conecte-se conosco

Dicas

RESENHA: Ele Nunca Morre (2015)

Publicados

em

Ele Nunca Morre

[Por Osvaldo Neto]

Henry Rollins, ex-vocalista das bandas Black Flag e Rollins Band, vem atuando em papéis coadjuvantes e pequenas participações no cinema e TV há mais de 25 anos. Rollins chegou a fazer, inclusive, um guarda-costas que é derrubado pelo Al Pacino (um nanico perto dele) em FOGO CONTRA FOGO.

Mas foi somente em 2015 que o público pode vê-lo em seu primeiro papel de protagonista e o cara fez bem em esperar até encontrar o projeto certo. O enfezado e solitário Jack de ELE NUNCA MORRE não apenas parece ter sido escrito para ele. Esse personagem também o faz entregar a melhor atuação de sua carreira.


Neste 2o. longa escrito e dirigido por Jason Krawczyk, Rollins interpreta esse homem depressivo e misterioso que deseja ficar alheio a tudo o que acontece na sociedade e tem uma rotina que seria entediante aos olhos de todos nós. Jack geralmente se acorda, assiste TV, dorme mais um pouco, sai para comer um rango em um pequeno restaurante (nada de carne, ele é vegetariano) e volta para casa. Depois ele dorme mais um pouco, se arruma e sai para jogar bingo na igreja do bairro. Com o jogo terminado, Jack volta para casa e dorme. No dia seguinte, repete-se a programação.


Essa rotina muda quando Jack conhece sua filha Andrea (Jordan Todosey), já uma mulher crescida, e de quem nunca tinha ouvido falar até então. Enquanto a jovem passa a morar com o seu pai, uns gangsters também começam a encher com a sua paciência do nosso anti-herói. E é a partir daí que vamos conhecendo um pouco mais sobre Jack, dentre outras coisas o porque dele jogar tanto bingo, o porque dele recusar as investidas da simpática garçonete que sempre o atende no restaurante (Kate Greenhouse) e porque raios ele compra bolsas de sangue de um estudante de medicina (Booboo Stewart)…


Vendida como uma ‘comédia de horror’, a produção independente é mais um estudo de personagem com muito humor negro do que aquele filme que te fica jogando uma piadinha atrás da outra. A comicidade aqui é bem mais sutil do que se espera e a maior graça do filme vem justamente da ótima atuação de Rollins. Reparem no andar do sujeito, nas constantes tentativas de esconder emoções, em como ele entrega os seus diálogos e frases de efeito e todas as suas interações com os outros personagens. Jack é um personagem ‘badass’ e imprevisível que, em algum momento, todos sabemos que irá explodir.


O título já entrega alguma coisa do que o espectador irá saber sobre Jack mas as sinopses, trailers e muitas imagens que aparecem por aí entregam até demais. Portanto, evite tudo isso antes de assistir ao filme e corra do Google e do IMDB igual a vampiro quando vê um crucifixo na sua frente!

ELE NUNCA MORRE está disponível para ser assistido hoje mesmo em plataformas digitais como a Netflix (não leia a sinopse daqui!!), GooglePlay, NOW e Looke. O filme também chegou a ser lançado em DVD no Brasil através do selo Focus Filmes. Ontem mesmo foi anunciado que o longa terá uma continuação… diferente, clique aqui para ler a notícia.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dicas

DICA DA SEMANA: Warlock, O Demônio (1989)

Publicados

em

Warlock, O Demônio

Colônia de Massachusetts, Boston, Século XVII. Um feiticeiro, interpretado por Julian Sands, capturado e condenado por práticas demoníacas está prestes a ser enforcado e depois queimado sobre um cesto com gatos vivos (?!?) quando magicamente é transportado para o Século XX.

Junto com ele, Redferne (Richard E. Grant), seu carrasco, também vem para na Boston do final dos anos 80 e com a ajuda de uma jovem (Lori Singer) tentará rastrear e destruir o feiticeiro antes que ele coloque suas mão nas páginas do Grand Grimoire (a bíblia do capeta) e desfaça tudo o que Deus criou. Estamos falando de “Warlock, O Demônio“, polêmico filme que despertou atenção até do Alborghetti quando a Rede OM exibiu o longa na TV aberta pela primeira vez.

Lembro como fiquei ansioso para ver esse filme na época de seu lançamento graças à uma matéria numa revista “Terror e Ficção“. Ela contava como o filme continha várias referências “verdadeiras” sobre bruxaria e coisa e tal. Assistindo, realmente havia coisas bem interessantes e inéditas no cinema lá pra ver (o lance dos pregos nas pegadas, por exemplo, é sensacional). Apesar do argumento ser basicamente um “Exterminador do Futuro” só que vindo do passado e com bruxos, consegue segurar a onda e divertir bastante.

O diretor Steve Miner (aquele do segundo “Sexta-Feira 13” e de “A Casa do Espanto“) mantém o filme em bom ritmo mesclando elementos de terror, comédia e ação. O trio de protagonistas têm ótima química, com destaque para Sands que faz um feiticeiro impecável. Como em certos momentos o filme abusa um pouco dos efeitos especiais, fica um pouquinho “datado” mas nada que comprometa o conjunto da obra.

O filme está disponível no YouTube em uma cópia com qualidade de VHS (tem uma versão dublada e com imagem melhor, também) mas pra quem quiser ver o filme numa qualidade bacana, a Obras Primas do Cinema lançou o filme no volume 3 da coleção “Sessão de Terror Anos 80“. Já as continuações “Warlock II” e “Warlock 3: Armageddon” podem ser vistas na Amazon Prime Video, que pelo visto esqueceu de colocar o primeiro em seu catálogo…

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: O Escondido (1987)

Publicados

em

O Escondido

A dica desta semana é um daqueles filmes que mesclam lindamente o gênero policial com horror e sci-fi. “O Escondido” (The Hidden), lançado em 1987, traz pra gente uma história aparentemente batida, mas bem conduzida a ponto de ficarmos na expectativa do que virá a acontecer cena após cena.

Em termos de ação, o longa já começa explodindo tudo com uma perseguição de carros e viaturas policiais. A caçada humana ocorre por conta de um sujeito aparentemente pacato que, do nada, assaltou um banco, matou um bocado de gente, deixou mais meio mundo de gente ferida e infringiu várias leis de trânsito na fuga.

No final da perseguição, ele é levado a um hospital em estado grave onde é revelado para nós espectadores o motivo pelo qual ele estava transtornado. Neste rastro de morte e confusão, o sujeito vinha sendo rastreado também por um misterioso agente do FBI (Lloyd Gallagher, alguns anos antes de Twin Peaks) que aparentemente sabe o que está rolando.

Possivelmente a maioria das pessoas que viveu os anos 80, já conhece o filme ou sabe do que se trata o tal “escondido” do título, no entanto pra garantir um melhor aproveitamento de quem nunca o assistiu, vou parando por aqui na sinopse.

É claro que “O Escondido” tem alguns pontos fracos, a começar pelo seu style datado que inclui uma trilha bem metal farofa característica da época e aquela obsessão yuppie por carros conversíveis. Mas o que você, caro leitor, precisa saber, é que se você curtiu “Enigma do Outro Mundo” e “O Exterminador do Futuro” (o primeiro e não aquelas continuações), certamente vai curtir este filme aqui também.

O Escondido” está disponível em versão legendada atualmente na mais nova plataforma de streaming brasileira: Vix. O bom é que pra ver filmes e séries não precisa de cadastro e nem de assinatura, mas de tempos em tempos aparece propaganda entre as cenas como ocorre em alguns canais de Tv a cabo.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: A Casa do Espanto (1986)

Publicados

em

A Casa do Espanto

Não vou mentir, A Casa do Espanto (House, 1986) é ruim que dói. Mas é aquele ruim, tão ruim, que é bom. E para quem já tá aí na faixa dos 40, vale pelo saudosismo, pois o filme passava o tempo todo na Globo, na segunda metade dos anos 80 e início da década de 90. Quando era criança, eu morria de medo, hoje tem cena que dá até vergonha alheia.

Mas vamos à sinopse dessa pérola dirigida por Steve Miner (o mesmo de Sexta-feira 13 parte 2 e 3 e Warlock: o Demônio) e escrita por Fred Dekker (Deu a Louca nos Monstros e A Noite dos Arrepios). O roteiro, bem sem pé nem cabeça, acompanha o escritor Roger Cob, que cresceu na casa da tia, após ficar órfão, e retorna para lá, depois que a velha morre.

Azarado é ele. Além de seu filho ter sumido misteriosamente nessa mesma casa, ele ainda está passando por um processo de divórcio. Não bastasse isso, tem trauma de quando lutou na guerra do Vietnam e ainda agora mora em uma casa assombrada. Mas era assombrada quando ele morou lá criança ou já como adulto e pai de família? Ninguém sabe e ninguém liga.

O que interessa em A Casa do Espanto é o suco dos anos 80 que sai do filme, com aquela clássica mistura de comédia com horror, maquiagem tosca e cenas sem sentido, apenas pra dar um susto ou outro no espectador. Tem no YouTube, dublado, que é testar sua paciência mesmo. Boa sorte!

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending