conecte-se conosco

Dicas

RESENHA: Emelie (2015)

Publicados

em

[Por Gabriela Alcântara]

A busca por bons filmes na Netflix nem sempre é fácil. Emelie (2015), de Michael Telin, pode não ser o melhor filme que você verá na sua vida (nem mesmo neste final de semana), mas traz uma experiência bacana através da boa execução. Além disso, o filme tem uma trama que evoca medos extremamente comuns em todas as mães e pais: o medo de que algo aconteça algo a seus filhos.

Encarnada pela competente Sarah Bolger, a personagem principal parece ser a típica girl next door americana. Ela é a nova babá da família Thompson, e está indo cuidar das crianças enquanto o jovem casal comemora seu aniversário de casamento. Apesar de sua aparência dentro do padrão de boa-moça, a atuação de Sarah – que conta com olhares poderosos – já nos indica que alguma coisa ali está fora de ordem. Logo após o jovem casal deixar seus filhos com a nova babá, as suspeitas se confirmam: há algo de muito errado com Anna.

Sendo a figura da babá fonte de diversas fantasias – especialmente machistas e hiperssexualizadas – em filmes de terror, fica difícil fazer um novo filme sobre a temática sem soar piegas e repetitivo. Portanto, Emelie acaba não necessariamente nos surpreendendo por conta da narrativa, mas sim por boas atuações e pela sensação reconfortante de ver um bom filme independente.

Ainda assim, é um filme com problemas de narrativa – o suspense quase não tem tempo para crescimento e as “soluções” de nossas suspeitas, que deveriam nos surpreender, acabam sendo entregues muito facilmente. Emelie, na verdade, pode não agradar a todos. Entretanto, onde se está um ponto fraco é possível apontar também que o filme surpreende inclusive por ser mais tenso e arrepiante do que assustador.

Isso acontece especialmente pelas atuações de Sarah e das três crianças, que seguram o filme e nos deixam assistindo até o final. Fosse construído com mais pausas, Emelie poderia ser uma versão moderna de A Mão que Balança o Berço – e na verdade é isso que ele aparenta alcançar. Mesmo ficando na metade do caminho, o comportamento da babá nos deixa ansiosos e claustrofóbicos.

É o tipo de filme que nos instiga a ter participação mais ativa. E isso já é um trunfo, se pensarmos que vivemos um momento onde a maioria das pessoas não consegue mais assistir a um filme sem parar e mexer no celular.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dicas

DICA DA SEMANA: Alligator – O Jacaré Gigante (1980)

Publicados

em

Alligator

Um dos prazeres de todos nós que fazemos a coluna Dica da Semana é correr atrás de pérolas subestimadas dignas daquela boa e velha revisão. Não deve fazer menos de 20 anos que, por exemplo, o filme de hoje foi exibido na TV aberta pela última vez. (mais…)

Continue lendo

Dicas

LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019)

Publicados

em


Neste final de ano, nossa retrospectiva será diferente. Como se aproxima uma nova década, estamos agora compilando os melhores filmes de terror lançado nos últimos 10 anos. Os integrantes da equipe do Toca o Terror escolheram em votação individual os seus preferidos por ano e aqui chegamos a esta lista com as 20 obras mais importantes do estilo que apreciamos. (mais…)

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: Paranorman (2012)

Publicados

em

Paranorman

[Por Júlio Carvalho]

Já vou logo avisando que a dica da semana é fofa, pois se trata de um filme de fantasmas, bruxas e zumbis pra a família. PARANORMAN é uma produção de 2012, mas que entrou no catálogo da Netflix Brasil em janeiro deste ano. (mais…)

Continue lendo

Trending