conecte-se conosco

Resenhas

DVD: A Menina do Outro Lado da Rua (1976)

Publicados

em


[Por Osvaldo Neto]

A jovem Jodie Foster teve um grande ano em 1976. Além de trabalhar com Martin Scorsese em TAXI DRIVER, ela viria a ter papéis de destaque no musical QUANDO AS METRALHADORAS COSPEM, de Alan Parker, no pouco conhecido drama ECOS DE UM VERÃO (filmado 2 anos antes), de Don Taylor e no longa que comentaremos hoje. A MENINA DO OUTRO LADO DA RUA chega pela 1a. vez no Brasil em DVD com um excelente tratamento pela distribuidora Obras-Primas do Cinema.

No filme, baseado no livro de Laird Koenig com roteiro do próprio autor, Rynn Jacobs (Foster) é uma adolescente que vive em uma casa que foi alugada por ela e seu pai, um poeta, em uma pequena cidade de Quebec, no Canadá. O porém é que algumas pessoas da área – entre elas, a senhoria e seu filho pedófilo (Alexis Smith e Martin Sheen), um policial (Mort Shuman) e seu sobrinho (Scott Jacoby) – nunca observam a garota na companhia do pai que, segundo ela, está sempre trabalhando e não deseja ser importunado. Ao longo da narrativa, todos passam a desconfiar que ela tem algo de anormal a esconder. Segredo esse que nós, espectadores, também iremos saber.


Essa produção franco-canadense dirigida por Nicolas Gessner hoje realmente é muito mais conhecida do que assistida graças à presença de Foster no elenco. Rynn é uma personagem que não seria nada convincente se tivéssemos uma atuação menor que a de Foster aqui, encarando um papel difícil. Sem falar que ela está presente no longa inteiro, com os outros poucos personagens importantes possuindo um tempo limitado de participação.

Nicolas Gessner mostra a que veio em poucos minutos logo no início do filme, quando Frank Hallet (Sheen) faz uma visita na casa de Rynn em plena noite de Halloween. Ver aquela garota indefesa enquanto Hallet constantemente sugere que um dia irá tê-la na cama é um exercício de tensão que beira o insuportável.

Esse repulsivo personagem foi muitíssimo bem atuado por Sheen, que é sempre uma presença incômoda nas poucas e certeiras cenas em que aparece. A veterana Alexis Smith, estrela de Hollywood durante os anos 40 e 50, deixa uma grande marca em seus únicos dois momentos no filme como Cora Hallet, a mãe de Frank, outra pessoa igualmente desprezível.

Mario (Scott Jacoby)

O policial Ron Miglioriti (Mort Shuman)

O trabalho de Gessner com o inteligente roteiro de Koenig é uma verdadeira aula de economia e segurança narrativa, em como ser objetivo se utilizando do subjetivo. Sua direção sempre cria tensão e suspense a partir das atuações, diálogos e o uso da câmera em um filme que se passa quase que inteiramente em uma única locação.

A MENINA DO OUTRO LADO DA RUA continua a ser tão surpreendente quanto na época de seu lançamento, quando ele foi vendido como um simples filminho de terror pela AIP (de Sam Arkoff e James H. Nicholson, estúdio e distribuidora que financiou as obras-primas de Roger Corman). O que temos aqui, na verdade, é um filme corajoso ao lidar com temas bem espinhosos e que, com certeza, não seria feito hoje.

Mas, ao mesmo tempo, ele também nunca cai no horror grotesco, nas cenas brutais de violência, no terreno do ‘exploitation’ por ser classudo demais para isso. O resultado é um longa inclassificável, que não se prende a um só gênero (alô, galerinha do “pós-horror”) e corre vários riscos. Sendo assim, também é difícil de acreditar que A MENINA DO OUTRO LADO DA RUA tenha sido feito nesse período em particular do cinema de gênero internacional.

A Edição Especial de Colecionador da Obras-Primas do Cinema para A MENINA DO OUTRO LADO DA RUA apresenta o filme em excelente cópia, de uma recente restauração. De extras, uma entrevista de quase meia hora com o ator Martin Sheen, claramente feliz de estar sendo entrevistado sobre o longa; uma pequena e amável conversa via Skype de Sheen com o diretor Nicolas Gessner e o trailer de cinema. Como um brinde, temos um card do pôster de cinema e outra arte de divulgação impressa no verso da capinha. Uma valiosa aquisição.

Todas as imagens do filme utilizadas nessa resenha são de capturas do DVD, que pode ser facilmente encontrado para compra nas melhores lojas físicas e virtuais.

Dica extra:
Antes de A MENINA DO OUTRO LADO DA RUA, Nicolas Gessner fez outro intrigante filme com poucos atores e uma casa de locação principal. Trata-se de ALGUÉM ATRÁS DA PORTA (1971), estrelado por Charles Bronson, Anthony Perkins e Jill Ireland. Merece muito ser redescoberto.

Continue lendo
1 comentário

1 comentário

  1. luizguilhermeyusuke

    28 de Maio de 2018 a 01:21

    Gostei do filme. Comprarei meu dvd para coleção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Ameaça Profunda (2020)

Publicados

em

Ameaça Profunda
[Por Felipe Macedo]
Alien” (1979) foi um divisor de águas no quesito de mesclar gêneros, nesse caso, ficção e horror. Sequências foram realizadas assim como cópias com qualidades que iam do mediano ao lixo total. E agora nesse inicio de década, surge “Ameaça Profunda” (Underwater), um filme com toda pinta do primo famoso, estrelado por Kristen Stewart e coincidentemente do mesmo estúdio. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Dracula (2020)

Publicados

em


[Por Jarmeson de Lima]
Quando uma produção como “Dracula” é lançada, a nossa primeira preocupação é imaginar o quão fiel pode ser a adaptação da obra original. E no caso, estamos falando de um livro de Bram Stoker que serviu de inspiração para inúmeros filmes nos últimos 100 anos. Sendo assim, o que a dupla Mark Gatiss (Sherlock) e Stephen Moffat (Doctor Who) poderiam nos trazer de novo? Logo nos créditos, os dois deixam claro que esta minissérie da BBC e exibida na Netflix é “baseada” e não “adaptada” da obra original, o que nos faz crer que haja certas liberdades no roteiro sem a intenção de ser uma transcrição fiel da trama com o mesmo personagem que “ganhou vida” em 1897.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Trending