conecte-se conosco

Resenhas

GAME: Slayaway Camp – Butcher’s Cut (2018)

Publicados

em

[Por Felipe Macedo]

No inicio da década de 80 e até perto do seu final, o cinema foi dominado pelo slashers. Independente da sua qualidade, eles arrastavam multidões às salas de exibição, gerando lucros aos estúdios que realizavam infinitas continuações de cada um. O tempo passou, assim como a era de ouro dos slashers, mas a memória afetiva dos fãs continua forte e a maior prova disso é o game Slayaway Camp , um puzzle que homenageia e satiriza esse amado subgênero.

A trama inicialmente se passa… adivinhem? Num acampamento de férias onde skullface, um assassino mascarado dedica seu tempo a matar campistas. Alguém conhece essa história? hehehe… O restante do game é dividido em capítulos, que na verdade são sequências do primeiro filme Sexta-Feira 13. Não vou contar mais para não estragar as divertidas homenagens e citações, que mesmo tendo Jason como base, vai muito mais além. Inclusive, tem alguém e um capítulo especial dedicado a um certo mineiro assassino, mas não vou falar mais.

O gameplay consiste em andar pelo cenário no controle do skullface matando todas as vitimas para prosseguir para a próxima fase. À primeira vista parece uma mecânica simples, mas no seu decorrer teremos elementos interativos como fogueiras, lagos e outros itens que também servem para dar fim aos jovens. Também existem fases onde os passos que o personagem dá são limitados. Então se ficou preso em alguma parte e não sabe o que fazer, rebobine o tempo e refaça seus passos.. isso pode te ajudar. O maior problema é que os capítulos são muito longos e cada um tem em média 13 fases. E com a narrativa de 10 filmes, isso pode se tornar um pouco cansativo.

Tenho que destacar ainda o material desbloqueável do game que vai desde novos assassinos a fatalities que homenageiam o cinema de terror em geral, com direito a tubarões e bolhas assassinas. Infelizmente em relação a personagens que se tratam de skins, é estranho ver uma bolha empunhando um machado, por exemplo. Os fatalities por outro lado são muito bacanas de se ver. Existem também extras. A versão que joguei foi a completa de PS4, mas fica claro que nas versões anteriores, esse material era o famigerado dlc ou seja do tipo que tem que se pagar por eles.

Quem espera um visual realista pode se decepcionar. A arte do game segue a linha do popular minecraft, mas isso não pode ser visto como algo ruim. Pelo contrário, dá ate certo charme. O gore não deixa de existir por isso. Ver os fofos bonequinhos serem queimados e esquartejados é um barato! Finalizando, para quem curte slashers e gosta de puzzles esse jogo é uma ótima pedida.

Slayaway Camp esta disponível para PS4, Switch, PC, Celulares e XBox One

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Poço (2020)

Publicados

em

O Poço

Com uma produção modesta com apoio do governo espanhol e distribuição da Netflix, “O Poço” (El Hoyo) mescla mistério, drama e ficção científica numa trama que é fácil de resumir, mas difícil de explicar. Assim como obras como “Cubo” e “Demônio“, a ação deste filme se concentra em alguns poucos cenários, restando aos atores imprimir um trabalho que chama a atenção do público.

O estreante em direção de longas, Galder Gaztelu-Urrutia, apresenta aqui uma história que se passa em uma espécie de prisão vertical, em que cada andar abriga dois presos. A plataforma não possui grades ou janelas… apenas as paredes, camas e um buraco no chão e no teto que é por onde uma vez por dia desce uma grande mesa de comida.

E é através do comportamento dos presos frente às refeições que são destrinchadas analogias sociais de opressão, solidariedade e das relações de poder que vão de cima para baixo literalmente. Quem tem sorte de ficar nos níveis superiores tem a chance de comer as refeições com os pratos ainda intactos e limpinhos. Já quem está mais abaixo vai tendo que se contentar com o que vai sobrando sem que nehum dos confinados tenha a preocupação de deixar algo para quem vai se alimentar depois. 

Nesta situação de isolamento dividida em um lugar onde você não queria estar e com quem você não queria conviver, o lado obscuro de cada um se revela e podemos esperar o pior na medida em que vemos o que acontece nos níveis inferiores do Poço. Podia ser só um filme tipo crítica social ao sistema carcerário, mas ele abrange uma metáfora maior sobre nossa presença no mundo e nossa responsabilidade diante da escassez e desperdício de alimentos.

Apesar de ter um ritmo mais reflexivo, “O Poço” sempre guarda cenas impactantes (e com boa dose de gore) no desdobramento de sua história garantindo uma certa fluidez pra quem assiste. Obras assim que oferecem algo a mais do que aparentam estão em falta no cardápio da Netflix, mas são sempre bem vindas.

Escala de tocância de terror:

Título original: El Hoyo
Diretor: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteirista: David Desola
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Eguileor, Antonia San Juan
País de origem: Espanha

Continue lendo

Trending