conecte-se conosco

Resenhas

GAME: Slayaway Camp – Butcher’s Cut (2018)

Publicados

em

[Por Felipe Macedo]

No inicio da década de 80 e até perto do seu final, o cinema foi dominado pelo slashers. Independente da sua qualidade, eles arrastavam multidões às salas de exibição, gerando lucros aos estúdios que realizavam infinitas continuações de cada um. O tempo passou, assim como a era de ouro dos slashers, mas a memória afetiva dos fãs continua forte e a maior prova disso é o game Slayaway Camp , um puzzle que homenageia e satiriza esse amado subgênero.

A trama inicialmente se passa… adivinhem? Num acampamento de férias onde skullface, um assassino mascarado dedica seu tempo a matar campistas. Alguém conhece essa história? hehehe… O restante do game é dividido em capítulos, que na verdade são sequências do primeiro filme Sexta-Feira 13. Não vou contar mais para não estragar as divertidas homenagens e citações, que mesmo tendo Jason como base, vai muito mais além. Inclusive, tem alguém e um capítulo especial dedicado a um certo mineiro assassino, mas não vou falar mais.

O gameplay consiste em andar pelo cenário no controle do skullface matando todas as vitimas para prosseguir para a próxima fase. À primeira vista parece uma mecânica simples, mas no seu decorrer teremos elementos interativos como fogueiras, lagos e outros itens que também servem para dar fim aos jovens. Também existem fases onde os passos que o personagem dá são limitados. Então se ficou preso em alguma parte e não sabe o que fazer, rebobine o tempo e refaça seus passos.. isso pode te ajudar. O maior problema é que os capítulos são muito longos e cada um tem em média 13 fases. E com a narrativa de 10 filmes, isso pode se tornar um pouco cansativo.

Tenho que destacar ainda o material desbloqueável do game que vai desde novos assassinos a fatalities que homenageiam o cinema de terror em geral, com direito a tubarões e bolhas assassinas. Infelizmente em relação a personagens que se tratam de skins, é estranho ver uma bolha empunhando um machado, por exemplo. Os fatalities por outro lado são muito bacanas de se ver. Existem também extras. A versão que joguei foi a completa de PS4, mas fica claro que nas versões anteriores, esse material era o famigerado dlc ou seja do tipo que tem que se pagar por eles.

Quem espera um visual realista pode se decepcionar. A arte do game segue a linha do popular minecraft, mas isso não pode ser visto como algo ruim. Pelo contrário, dá ate certo charme. O gore não deixa de existir por isso. Ver os fofos bonequinhos serem queimados e esquartejados é um barato! Finalizando, para quem curte slashers e gosta de puzzles esse jogo é uma ótima pedida.

Slayaway Camp esta disponível para PS4, Switch, PC, Celulares e XBox One

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending