conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: As Boas Maneiras (2018)

Publicados

em

[Por Geraldo de Fraga]

Filme de terror com crítica social não é novidade nas carreiras dos diretores Juliana Rojas e Marco Dutra. Juntos, eles já haviam realizado Trabalhar Cansa (2011), que como o próprio título indica, aborda, de várias formas e com toques fantásticos, o mercado de trabalho brasileiro.

A nova parceria também vem carregada de discursos. As Boas Maneiras (2018) estreia nos cinemas do país nesta quinta-feira (7), após circular em vários festivais de gênero e colecionar 21 prêmios. Se você já viu o trailer, deve saber que se trata de uma história de lobisomem, mas não espere nada muito convencional.

O filme começa nos apresentando Clara (Isabél Zuaa). Em péssima situação financeira, a vida da protagonista parece estar dando uma virada quando ela é contratada pela rica Ana (Marjorie Estiano), que está grávida e precisa de uma babá/cozinheira/faxineira para lhe auxiliar enquanto enfrenta uma gestação sem o apoio de ninguém da família.

Só que além das manias de menina rica, Ana esconde um segredo muito peculiar sobre como se deu a sua gravidez e que espécie de bebê tem na barriga. Sob a ótica de Clara, o espectador acompanha a transformação da futura mãe e já as primeiras alegorias sobre certos comportamentos da ‘Classe A’ brasileira.

O longa reserva algumas reviravoltas, sempre mesclando os elementos fantásticos com situações cotidianas para tecer um roteiro dúbio, mas que faz todo o sentido dentro da nossa realidade. Dá até para prever a enxurrada de críticas dos fãs de horror comercial, nem tanto pelo direcionamento ideológico, mas sim pela falta de clichês ou jumpscares.

As Boas Maneiras vai dividir opiniões, como qualquer obra que procura fugir do usual. Mas se você está disposto a desviar do óbvio, separe uma grana e uma horinha na sua agenda para um dos melhores filmes brasileiros do ano.

Escala de tocância de terror:

Direção: Juliana Rojas e Marco Dutra
Roteiro: Juliana Rojas e Marco Dutra
Elenco: Isabél Zuaa, Marjorie Estiano e Miguel Lobo
Origem: Brasil
Ano de lançamento: 2018

Resenhas

RESENHA: Rabid (2019)

Publicados

em

Rabid

Quando saiu a notícia que iria rolar um remake de RABID, clássico de ninguém menos que David Cronenberg – filme que aqui no Brasil saiu com o título infame de “ENRAIVECIDA NA FÚRIA DO SEXO” – eu fiquei num misto de curiosidade e medo do que viria. Mas aí vi que essa empreitada seria realizada pelas Irmãs Soska e fiquei bem animado, pois as gêmeas diretoras tem uns filmes cabulosos no currículo.

Nesta nova versão, dirigida por Jen e Sylvia Soska, a partir do roteiro de John Serge no qual elas também assinam, acompanhamos Rose, uma design de moda que se envolve em um acidente e fica com o rosto desfigurado. Sem esperanças de recuperar a aparência e voltar ao mundo da moda, resolve se inscrever numa clínica de estética adepta de um movimento “TRANS-HU-MA-NI-SMO” que não é aceito pela comunidade médica. Como voluntária, acaba se submetendo ao procedimento milagroso que restaura toda estrutura do seu rosto. Não bastasse a aparência, a moça passa a se sentir melhor em todos os sentidos. Mas não demoram a surgir os efeitos colaterais… e eles são pra lá de sinistros.

Em nenhum momento as diretoras escondem sua admiração por Cronenberg. Há referências frequentes de sua obra durante o longa, sendo que uma em especial acaba se destacando de tão gritante que é. E é claro que o sadismo aqui impera, marca registrada das gêmeas cineastas em seus longas anteriores – vide “T IS FOR TORTURE PORN” e “AMERICAN MARY“. E assim como o diretor canadense, as irmãs também são chegadas a um body horror raiz. Aqui, usam e abusam de efeitos práticos pra nos conferir muita nojeira e bizarrice. Em uma cena vemos uma “cobra” e uma axila… e basta dizer que ela dificilmente será esquecida, por exemplo.

Apesar de seguir a mesma premissa do “RABID” original, este remake tem suas diferenças – o que já é esperado – e a mais importante é a forma com que Rose, vivida por Laura Vandervoort (Biten), é construída. Ao contrário do original, nossa protagonista não passa o filme todo assistindo impassiva às transformações que seu corpo e mente sofrem. Aqui, nossa heroína evolui dentro da trama, passando a ter domínio de suas ações, dando força e profundidade à personagem.

O ponto forte aqui tá no desenvolvimento da personagem principal, como já mencionado, e na violência extremamente gráfica toda artesanal, que garante uma seboseira danada com muito sangue em tela. Infelizmente, a maquiagem dá uns vacilos como na deformidade do rosto da protagonista, o que é bastante fake. Há umas cenas toscas aqui e ali, mas os pontos fracos mesmos estão mais em alguns personagens que poderiam simplesmente nem existir, a exemplo do boyzinho que fica enchendo o saco da moça o filme todo.

Esta nova versão de “RABID” peca por tentar acrescentar mais elementos à trama do que ele precisaria de fato, mas nada que estrague a sua experiência. No fim das contas, o remake das Irmãs Soska agrada e acaba fazendo “bonito”. Pena que esta refilmagem passou meio batida pelo público do gênero e pouco se falou a respeito. Quem ainda tá torcendo o nariz e ainda não viu, tá vacilando.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jen e Sylvia Soska
Roteiro: John Serge e Irmãs Soska
Elenco: Laura Vandervoort, Benjamin Hollingsworth, Ted Atherton
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Resenhas

DVD: Digipack “Coleção O Homem Invisível”

Publicados

em

[Por Osvaldo Neto]

A Classicline é uma distribuidora de home video especializada em cinema clássico com mais de uma década de existência e atividade. Mensalmente, temos lançamentos e relançamentos de filmes que se encontravam ausentes das lojas físicas e virtuais – sejam lançados antes por eles ou outras empresas – assim como produções esquecidas que ganham uma nova vida no mercado. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Aterrorizados (2017)

Publicados

em

Aterrorizados

[Por Geraldo de Fraga]

O cinema argentino tem se destacado há tempos, são inúmeros os exemplos de obras que fizeram sucesso. Você mesmo já deve ter assistido e gostado de algum. Porém, não havia ainda um longa do gênero horror que arrebatasse corações. Agora tem. Aterrorizados (Aterrados), escrito e dirigido por Demián Rugna, é esse exemplar que faltava. (mais…)

Continue lendo

Trending