conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: A Mata Negra (2018)

Publicados

em

Mata Negra

[Por Jota Bosco]

Começo logo essa resenha dizendo que sou suspeito pra falar do trabalho de Rodrigo Aragão pelo motivo de: sou tiete! O cara é, sem sombra de dúvidas, o maior representante das produções de horror no país atualmente. Passo a passo foi crescendo como produtor e diretor, conquistando seu espaço e indo, apesar dos poucos recursos, onde ninguém tinha ido antes no gênero aqui no país. Faz filme com cara de produção hollywoodiana e consegue até captação de verba por edital sem ser filme de gente que mora no Sertão com mensagem bonita no final.

Rasgação de seda à parte, bora falar de A Mata Negra, filme que estreou no último Fantaspoa e conta as desventuras da jovem Clara (interpretada por Carol Aragão, a filha do diretor e que já fez papeis em outras produções do pai, mas que pela primeira vez é uma protagonista), criada por Pai Pedro (personagem do sempre marcante Markus Konká), e que vê-se envolvida em uma série de problemas que iniciam com o adoecimento de seu tutor.

A situação dela piora em um encontro com um moribundo Albino (Sim! Ele mesmo! O personagem interpretado pelo Walderrama dos Santos está de volta!) que lhe dá a missão de salvar sua alma destruindo o Livro Perdido de Cipriano em troca de um saco de moedas de ouro. E piora ainda mais ao ter de enfrentar uma legião de fanáticos religiosos liderados pelo pastor Francisco das Graças (papel protagonizado pelo nosso Charles Bronson, Jackson Antunes) e sua fiel escudeira Abigail (numa divertida atuação de Mayra Alarcón, esposa do diretor e também produtora do filme).

Em sua saga, Clara se apaixona pelo jovem Jean (Elbert Merlin), pede a ajuda do granjeiro José (o ótimo Francisco Gaspar que fez o palhaço Cangaço em “Condado Macabro”), que mora com sua mãe, Dona Vera (Margareth Galvão provando que é um tipo de Fernanda Montenegro do horror até mesmo sem falar uma palavra no filme) e com a grávida e resmunguenta Maria (Clarissa Pinheiro). No decorrer da trama, até mesmo um dos vilões, Socó (Marco Antônio Reis), se junta à jovem aventureira em sua luta contra o mal.

Como deve ter dado para notar, A Mata Negra é bastante densa (risos) e esse talvez seja o único elo fraco da obra. O ritmo acaba sendo um pouco prejudicado na apresentação e “união” de tantos personagens no roteiro. Mas nada que chegue a sequer perto de estragar o produto final.

A Mata Negra foge um pouco dos já tradicionais filmes de zumbi de Rodrigo, cheios de gore e humor escrachado, partindo aqui para uma abordagem mais séria do horror “universal” e de nosso folclore (que o diretor já flertou muito bem em As Fábulas Negras, de 2015). Mas… calma! A obra ainda tem momentos divertidos e cenas e enquadramentos que remetem à obra de diretores como Sam Raimi (da franquia Evil Dead e Arraste-me Para o Inferno), àquele Peter Jackson de antigamente (o Peter Jackson de raiz, de Fome Animal), além de um cara que acho que tem uma obra bem similar a de Rodrigo pelos finais “apoteóticos” que é o Álex de la Iglesia (do ótimo O dia da Besta e As bruxas de Zugarramurdi). Também temos de destacar a excelente maquiagem e efeitos práticos (ou não) que já são quase uma assinatura das produções da Fábulas Negras.

Enfim, A Mata Negra chega para mostrar mais uma vez que existe horror feito no Brasil, com cara de Brasil e de ótima qualidade! Torça para que esse filme consiga uma distribuição pelas salas de cinema ou, ao menos, que entre na programação da TV a cabo como as demais obras do diretor.

Dica: Acompanhe o trabalho do próximo filme (O Cemitério das Almas Perdidas) através da página no Facebook da produtora Fábulas Negras.

Escala de tocância de terror:

Título original: A Mata Negra
Direção e roteiro: Rodrigo Aragão e Alexandre Callari
Elenco: Carol Aragão, Francisco Gaspar, Jackson Antunes
Ano de lançamento: 2018
País de origem: Brasil

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo
1 comentário

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: #Alive (2020)

Publicados

em

Alive

O cinema sul coreano ganhou uma visibilidade incrivel nos últimos anos e hoje não é tão raro ver obras vindas de lá aportarem no cinema. Mas é claro que com a pandemia as coisas foram freadas e alguns filmes estão ganhando destaque via streaming. Este é o caso de #Alive, filme que estreou em seu país na reabertura dos cinemas com bastante êxito e está sendo distribuído mundialmente pela Netflix.

A trama acompanha um jovem rapaz, que sozinho no apartamento da família, tenta sobreviver a uma epidemia mortal que transforma os cidadãos em zumbis sedentos por carne humana. No passar de vários dias, com comida e água acabando e ataques cada vez piores das criaturas, o rapaz coloca em cheque a promessa que fez ao pai de sobreviver. E aos trancos e barrancos ele tentará cumprir o que foi pedido.

#Alive é um bom filme de zumbis que não coloca nada de novo na mesa, mas traz o básico que, em sua maior parte, é competente. O longa não enrola e logo nos primeiros minutos a confusão e o caos predominam. A primeira parte é a melhor, se passando em praticamente um único cenário, mostrando bem a sensação de solidão e medo do personagem com cenas de ação pontuais e mais comedidas. Vale comentar a ótima maquiagem dos monstros que lembram o conterrâneo “Invasão Zumbi” (Train to Busan).

Outra semelhança com o longa de zumbis mais famoso é a ambientação minimalista e o país. Sinceramente, essa sim deveria ser a sequência real dele, pois mesmo não sendo perfeita, se mostra bem superior à continuação oficial, chamanda “Península”.

Os problemas de #Alive vêm à tona em sua segunda metade, onde as sequências de ação se tornam inverossímeis demais (até para um filme de zumbis)… Meio que a produção se rende ao espetáculo ocidental apresentando exageros que tiram a atenção diversas vezes. O clímax acaba sendo forçado e emotivo demais querendo a todo custo arrancar lágrimas do público.

Concluindo… #Alive não é um divisor de águas do gênero, mas é divertido e tenso na maior parte de sua duração. Vale gastar o tempo assistindo as desventuras do protagonista e sua busca pela sobrevivência.

Escala de tocância de terror:

Título original: #Saraitda
Diretor: II Cho
Roteiro: II Cho,Matt Naylor
Elenco: Ah-in Yoo, Shin-Hye Park,Bae-soo Jeon e outros
País de origem: Coreia do Sul

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Dominação (2017)

Publicados

em

Dominação

[Por Felipe Macedo]

Estrelado por Aaron Eckhart e produzido por Jason Blum, “Dominação” (Incarnate) mais uma vez mostra a história de um jovem possuído por um demônio poderoso. Nosso herói aqui luta para derrotar o grande mal e salvar o dia. No entanto, o longa tenta vir com uma promessa de abordar o tema de uma forma diferente do que foi mostrado até hoje. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending