conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Holidays (2016)

Publicados

em

Poster-film-Holidays

Por Júlio César Carvalho

Holidays é uma antologia que visa subverter os principais feriados norte-americanos e que traz alguns realizadores já conhecidos do meio do horror atual como a dupla Kevin Kolsch & Dennis Widmyer (Starry Eyes), Gary Shore (Drácula: A História Nunca Contada)  e… Kevin Smith (Tusk). São sete curtas que vão desde o Dia dos Namorados até o Réveillon.


Holidays.2016.1080p.BluRay.x264-[YTS.AG].mp4_snapshot_00.13.19_[2016.08.04_19.36.39].jpg

DIA DOS NAMORADOS (Kevin Kolsch & Dennis Widmyer):
No conto de abertura, acompanhamos uma adolescente que tem uma queda pelo seu professor de natação e é hostilizada pelas “amigas” por isso. Claro que isso vai dar merda! A dupla de diretores opta por um ar mais cômico e se utiliza de uma fotografia cristalina e quadros muito certinhos. Pena que perdem também muito tempo com o bullying e alucinações da protagonista, restando pouco pra o horror de fato que, quando acontece, é até bacana.

Escala de tocância de terror:

Holidays.2016.1080p.BluRay.x264-[YTS.AG].mp4_snapshot_00.21.15_[2016.08.04_19.35.31]

SÃO PATRÍCIO (Gary Shore):
Acompanhamos aqui uma relação meio conturbada entre uma professora de ensino primário e uma pequena aluna anti-social. A coisa fica estranha mesmo quando a professora descobre que tá grávida… de uma serpente. Isso mesmo! Apesar da insistência dos médicos pelo aborto, ela leva a gravidez até o fim e claro que isso não iria terminar bem. O que chama a atenção, além da citada premissa estrana, é o estilo de filmagem “espertinho” escolhido por Gary Shore, lembrando muito os filmes do Edgar Wright. Ah, o final é uma presepada só.

Escala de tocância de terror:

Holidays.2016.1080p.BluRay.x264-[YTS.AG].mp4_snapshot_00.35.45_[2016.08.04_19.39.04]

PÁSCOA (Nicholas McCarthy):
Uma garotinha decide flagrar o coelho da Páscoa em ação e acaba descobrindo que de meigo, o orelhudo não tem é nada. Esse sim, é o que tem mais cara de terror de todos! Tudo aqui é subvertido. Dos questionamentos da garota sobre Jesus ser um zumbi, ao visual grotesco e cheio de simbolismos do coelho da Páscoa. McCarthy acerta no tom sombrio e no constante clima de ameaça. Para mim, o melhor absoluto dos sete curtas!

Escala de tocância de terror:

Holidays.2016.1080p.BluRay.x264-[YTS.AG].mp4_snapshot_00.46.59_[2016.08.04_19.39.30]

DIA DAS MÃES (Ellen Reid & Sarah Adina Smith):
Acompanhamos uma mulher que procura sua ginecologista por não conseguir parar de engravidar. Isso mesmo! Não importa o quanto ela se previna. Se transar, pega bucho. Só que ela não quer ser mãe e aborta todas as vezes. A dupla de diretoras sabem conduzir o suspense de uma forma bem eficiente, mas quando chega no “finalmente” tudo pode soar meio confuso com relação à “lição de moral” que desejam passar.

Escala de tocância de terror:

Holidays.2016.1080p.BluRay.x264-[YTS.AG].mp4_snapshot_00.57.54_[2016.08.04_19.41.51]

DIA DOS PAIS (Anthony Scott Burns):
Uma garota recebe um misterioso toca fitas que ao dar play, descobre que é de seu desaparecido pai que gravou instruções de como eles podem se ver novamente depois de anos. Tudo é mostrado apenas do ponto de vista da moça que vai seguindo passo a passo cada instrução do seu pai na fita levando-a à uma experiência sinistra. Além de ser um dos mais simples e belos visualmente, é também o mais criativo e enigmático de todos.

Escala de tocância de terror:

Holidays.2016.1080p.BluRay.x264-[YTS.AG].mp4_snapshot_01.16.53_[2016.08.04_19.45.40]

HALLOWEEN (Kevin Smith):
Um agente de atrizes pornôs amadoras maltrata suas três atrizes que se cansam e resolvem se vingar do sujeito. O diretor da vez é o já cultuado Kevin Smith do clássico cult O Balconista e do ridículo A Presa (Tusk, 2013). O curta até que tem uma ideia boa com relação a vingança das moças, mas Smith não tem a manha de conduzir o curta com a tensão que precisa, tornando-se bobo. E a conclusão mais óbvia, mesmo que pegando o feriado mais fácil pra o horror, é que: Deu ruim de novo, Kevin Smith!

Escala de tocância de terror:

Holidays.2016.1080p.BluRay.x264-[YTS.AG].mp4_snapshot_01.20.22_[2016.08.04_19.49.05]

NATAL (Scott Stewart):
Neste curta temos rostos conhecidos como Seth Green (It: Uma Obra Prima do Medo). Temos aqui um pai de família que gasta o que não pode pra comprar um óculos de realidade virtual pra sua filha. O treco inclusive mostra até o que não devia. Após o pai de família de bem mostrar seu lado escroto, o Natal de sua família começa a ficar cabuloso. Apesar de ser o mais subversivo de todos e com um bom plot twist, peca no ritmo se tornando meio maçante pra um curta.

Escala de tocância de terror:

Holidays.2016.1080p.BluRay.x264-[YTS.AG].mp4_snapshot_01.34.48_[2016.08.04_19.50.54]

ANO NOVO (Adam Egypt Mortimer):
Esse é o que menos dá pra descrever em uma sinopse sem estragar a experiência. Logo de cara vemos uma mulher sendo torturada e morta por um homem. Logo em seguida, esse mesmo psicopata já está em um outro encontro com outra futura vítima em plena véspera de ano novo. O diretor do bom Some Kind of Hate (2015) nos confere uma violência gráfica eficiente, fechando a antologia com chave de ouro. Para este que vos escreve, o segundo melhor.

Escala de tocância de terror:

Em suma, Holidays é uma boa antologia de horror que apesar das irregularidades da maioria dos curtas, serve de passatempo em casa, pois já está disponível na Netflix.

Direção: Anthony Scott Burns, Kevin Kolsch, Nicholas McCarthy, Adam Egypt Mortimer, Ellen Reid, Gary Shore, Kevin Smith, Sarah Adina Smith, Scott Stewart, Dennis Widmyer
Roteiro: Anthony Scott Burns, Kevin Kolsch, Nicholas McCarthy, Gary Shore, Kevin Smith, Sarah Adina Smith, Scott Stewart, Dennis Widmyer
Elenco: Harley Quinn Smith, Mark Steger, Lorenza Izzo, Seth Green
Origem: EUA

Continue lendo
3 Comentários

3 Comments

  1. Aline L.

    17 de agosto de 2016 a 16:08

    Gostei! O da Páscoa é de longe o melhor! O do Halloween podia ser cortado..

    • Júlio César Carvalho

      17 de agosto de 2016 a 23:42

      Verdade! Mas o de Halloween poderia ser refeito por alguém mais competente, até pq é uma data bem icônica e não poderia faltar, né? Uma pena Hahaha…

  2. thiago Rodrigues

    28 de setembro de 2017 a 08:25

    Para mim o dia das mães é o melhor dos curtas.

    Me sigam no instagram para resenhas de series e filmes em

    @thiagocinebairro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending