conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Holidays (2016)

Publicados

em

Poster-film-Holidays

Por Júlio César Carvalho

Holidays é uma antologia que visa subverter os principais feriados norte-americanos e que traz alguns realizadores já conhecidos do meio do horror atual como a dupla Kevin Kolsch & Dennis Widmyer (Starry Eyes), Gary Shore (Drácula: A História Nunca Contada)  e… Kevin Smith (Tusk). São sete curtas que vão desde o Dia dos Namorados até o Réveillon.


Holidays.2016.1080p.BluRay.x264-[YTS.AG].mp4_snapshot_00.13.19_[2016.08.04_19.36.39].jpg

DIA DOS NAMORADOS (Kevin Kolsch & Dennis Widmyer):
No conto de abertura, acompanhamos uma adolescente que tem uma queda pelo seu professor de natação e é hostilizada pelas “amigas” por isso. Claro que isso vai dar merda! A dupla de diretores opta por um ar mais cômico e se utiliza de uma fotografia cristalina e quadros muito certinhos. Pena que perdem também muito tempo com o bullying e alucinações da protagonista, restando pouco pra o horror de fato que, quando acontece, é até bacana.

Escala de tocância de terror:

Holidays.2016.1080p.BluRay.x264-[YTS.AG].mp4_snapshot_00.21.15_[2016.08.04_19.35.31]

SÃO PATRÍCIO (Gary Shore):
Acompanhamos aqui uma relação meio conturbada entre uma professora de ensino primário e uma pequena aluna anti-social. A coisa fica estranha mesmo quando a professora descobre que tá grávida… de uma serpente. Isso mesmo! Apesar da insistência dos médicos pelo aborto, ela leva a gravidez até o fim e claro que isso não iria terminar bem. O que chama a atenção, além da citada premissa estrana, é o estilo de filmagem “espertinho” escolhido por Gary Shore, lembrando muito os filmes do Edgar Wright. Ah, o final é uma presepada só.

Escala de tocância de terror:

Holidays.2016.1080p.BluRay.x264-[YTS.AG].mp4_snapshot_00.35.45_[2016.08.04_19.39.04]

PÁSCOA (Nicholas McCarthy):
Uma garotinha decide flagrar o coelho da Páscoa em ação e acaba descobrindo que de meigo, o orelhudo não tem é nada. Esse sim, é o que tem mais cara de terror de todos! Tudo aqui é subvertido. Dos questionamentos da garota sobre Jesus ser um zumbi, ao visual grotesco e cheio de simbolismos do coelho da Páscoa. McCarthy acerta no tom sombrio e no constante clima de ameaça. Para mim, o melhor absoluto dos sete curtas!

Escala de tocância de terror:

Holidays.2016.1080p.BluRay.x264-[YTS.AG].mp4_snapshot_00.46.59_[2016.08.04_19.39.30]

DIA DAS MÃES (Ellen Reid & Sarah Adina Smith):
Acompanhamos uma mulher que procura sua ginecologista por não conseguir parar de engravidar. Isso mesmo! Não importa o quanto ela se previna. Se transar, pega bucho. Só que ela não quer ser mãe e aborta todas as vezes. A dupla de diretoras sabem conduzir o suspense de uma forma bem eficiente, mas quando chega no “finalmente” tudo pode soar meio confuso com relação à “lição de moral” que desejam passar.

Escala de tocância de terror:

Holidays.2016.1080p.BluRay.x264-[YTS.AG].mp4_snapshot_00.57.54_[2016.08.04_19.41.51]

DIA DOS PAIS (Anthony Scott Burns):
Uma garota recebe um misterioso toca fitas que ao dar play, descobre que é de seu desaparecido pai que gravou instruções de como eles podem se ver novamente depois de anos. Tudo é mostrado apenas do ponto de vista da moça que vai seguindo passo a passo cada instrução do seu pai na fita levando-a à uma experiência sinistra. Além de ser um dos mais simples e belos visualmente, é também o mais criativo e enigmático de todos.

Escala de tocância de terror:

Holidays.2016.1080p.BluRay.x264-[YTS.AG].mp4_snapshot_01.16.53_[2016.08.04_19.45.40]

HALLOWEEN (Kevin Smith):
Um agente de atrizes pornôs amadoras maltrata suas três atrizes que se cansam e resolvem se vingar do sujeito. O diretor da vez é o já cultuado Kevin Smith do clássico cult O Balconista e do ridículo A Presa (Tusk, 2013). O curta até que tem uma ideia boa com relação a vingança das moças, mas Smith não tem a manha de conduzir o curta com a tensão que precisa, tornando-se bobo. E a conclusão mais óbvia, mesmo que pegando o feriado mais fácil pra o horror, é que: Deu ruim de novo, Kevin Smith!

Escala de tocância de terror:

Holidays.2016.1080p.BluRay.x264-[YTS.AG].mp4_snapshot_01.20.22_[2016.08.04_19.49.05]

NATAL (Scott Stewart):
Neste curta temos rostos conhecidos como Seth Green (It: Uma Obra Prima do Medo). Temos aqui um pai de família que gasta o que não pode pra comprar um óculos de realidade virtual pra sua filha. O treco inclusive mostra até o que não devia. Após o pai de família de bem mostrar seu lado escroto, o Natal de sua família começa a ficar cabuloso. Apesar de ser o mais subversivo de todos e com um bom plot twist, peca no ritmo se tornando meio maçante pra um curta.

Escala de tocância de terror:

Holidays.2016.1080p.BluRay.x264-[YTS.AG].mp4_snapshot_01.34.48_[2016.08.04_19.50.54]

ANO NOVO (Adam Egypt Mortimer):
Esse é o que menos dá pra descrever em uma sinopse sem estragar a experiência. Logo de cara vemos uma mulher sendo torturada e morta por um homem. Logo em seguida, esse mesmo psicopata já está em um outro encontro com outra futura vítima em plena véspera de ano novo. O diretor do bom Some Kind of Hate (2015) nos confere uma violência gráfica eficiente, fechando a antologia com chave de ouro. Para este que vos escreve, o segundo melhor.

Escala de tocância de terror:

Em suma, Holidays é uma boa antologia de horror que apesar das irregularidades da maioria dos curtas, serve de passatempo em casa, pois já está disponível na Netflix.

Direção: Anthony Scott Burns, Kevin Kolsch, Nicholas McCarthy, Adam Egypt Mortimer, Ellen Reid, Gary Shore, Kevin Smith, Sarah Adina Smith, Scott Stewart, Dennis Widmyer
Roteiro: Anthony Scott Burns, Kevin Kolsch, Nicholas McCarthy, Gary Shore, Kevin Smith, Sarah Adina Smith, Scott Stewart, Dennis Widmyer
Elenco: Harley Quinn Smith, Mark Steger, Lorenza Izzo, Seth Green
Origem: EUA

Continue lendo
3 Comentários

3 Comments

  1. Aline L.

    17 de agosto de 2016 a 16:08

    Gostei! O da Páscoa é de longe o melhor! O do Halloween podia ser cortado..

    • Júlio César Carvalho

      17 de agosto de 2016 a 23:42

      Verdade! Mas o de Halloween poderia ser refeito por alguém mais competente, até pq é uma data bem icônica e não poderia faltar, né? Uma pena Hahaha…

  2. thiago Rodrigues

    28 de setembro de 2017 a 08:25

    Para mim o dia das mães é o melhor dos curtas.

    Me sigam no instagram para resenhas de series e filmes em

    @thiagocinebairro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: What We Do in the Shadows (2019)

Publicados

em

What We Do in the Shadows

Na próxima quinta (15 de abril), estreia no canal FX dos EUA a segunda temporada de What We Do in the Shadows, série baseada no filme de mesmo nome lançado em 2014. Aqui no Brasil, sua primeira temporada foi exibida no ano passado pela Fox Premium. Vamos aproveitar então o retorno do programa lá fora para tecer algumas linhas sobre a atração.

Se você assistiu ao filme, fique sabendo que a mecânica é a mesma do longa. Uma equipe de filmagem que nunca aparece acompanha a rotina de três vampiros centenários que vivem na mesma casa e tentam se adequar ao mundo moderno. A principal mudança em relação à obra original é que a história se passa nos EUA, mais precisamente em Staten Island, Nova York.

O elenco também é outro Com a adição de uma personagem feminina, Nadja (Natasia Demetriou), e do lacaio Guillermo (Harvey Guillén), o trio de vampiros se completa com Nandor (Kayvan Novak) e Laszlo (Matt Berry). Há ainda um personagem recorrente, Colin Robinson (Mark Proksch), um humano que se apresenta como “vampiro de energia” e que se alimenta da força vital das pessoas, deixando-as entediadas.

A vida deles segue tranquila, até que eles são obrigados a receber como hóspede o barão Afanas (Doug Jones coberto de maquiagem, para variar), um vampiro milenar que vem da Europa e sonha em conquistar a América. Apesar desse ponto de partida, o enredo não se apega muito a ele. Como seriado, What We Do in the Shadows é basicamente uma sitcom, na qual o roteiro tenta brincar com os clichês da mitologia e da cultura pop.

No filme isso deu muito certo, mas ao longo de 10 capítulos, a série não se sustenta. Há momentos brilhantes, mas eles são raridades. Destaque para os episódios The Trial, com a participação de vários atores que interpretaram vampiros no cinema (como Wesley Snipes e Danny Trejo), e The Orgy, no qual, como o próprio nome diz, uma orgia vampírica é organizada, sem muito sucesso.

Porém, a impressão que fica é que assistir What We Do in the Shadows é um grande esforço para poucas risadas, mesmo que seus capítulos tenham apenas 30 minutos em média. Uma pena, pois o elenco todo é muito bom. Esperamos que nessa segunda temporada, os roteiristas estejam mais inspirados.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jemaine Clement e Taika Waititi
Roteiro: Jemaine Clement e Taika Waititi
Elenco: Kayvan Novak, Matt Berry e Natasia Demetriou
Origem: EUA

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Trending