conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Medo Viral (2017)

Publicados

em

[Por Osvaldo Neto]

Uma das coisas mais irritantes no fã de terror (para não dizer do público em geral) é aquela velha cobrança de que ‘falta originalidade’ nos filmes feitos atualmente. Bom… o nascimento do cinema data de antes de 1900, muita coisa foi feita desde então e é seguro dizer que hoje vivemos numa época onde a frase “Nada se cria, tudo se copia” tem sido cada vez mais certeira.

“Medo Viral”, que estreia nos cinemas nesta quinta-feira (16) em circuito limitado no Brasil, retrata um grupo de jovens amigos que passa a ter suas vidas ameaçadas por um aplicativo de smartphone assombrado. Sim, essa é uma ideia um tanto quanto absurda, que até poderia ter rendido algo bem interessante e divertido. O porém é que o longa de estreia dos diretores Abel e Burlee Vang não vai além de uma colcha de retalhos sem qualquer personalidade de uma série de outros filmes recentes de sucesso.

O Sr. Bedevil, a entidade por trás do app do mal, tem um quê de Slenderman, de A Freira de Invocação do Mal 2 (que ganhou um spin-off, mesmo sendo outro personagem tosco) e do Pennywise visto no novo It – A Coisa. Uma das muitas e muitas tentativas canhestras do filme dar um susto no espectador tem até o uso de um balão vermelho (valha-me!). Assim como o ser sobrenatural criado por Stephen King, ela também assume diversas formas para amedrontar quem foi amaldiçoado. Ou seja, se você vê uma personagem conversando com a mãe sobre o medo que tinha da avó, você já sabe de antemão que mais na frente vai rolar algo com uma velha sinistra… e por aí vai. Tem até um Ursinho Ted do inferno.

Sério…

Como se já não bastasse ser previsível e genérico até a medula, MEDO VIRAL ainda comete aquele velho pecado de quase tudo que é terror teen: o de ter protagonistas completamente inexpressivos e desinteressantes, interpretados por um elenco idem. Quando os personagens começam a ir pro saco, as atuações e direção conseguem ser tão nulas que nem mesmo os outros personagens parecem ficar tristes ou se importar tanto com quem acabou de morrer. Se eles não se importam, por quê o espectador se importaria?

É tanta da burrada que nossos “heróis” cometem, uma atrás da outra, que fica impossível de torcer por eles. Você sabe que tá lascado quando o expert em tecnologia do filme fala de um ‘firmware’ como se ele fosse um antivírus. Em suma, mais uma produção boba e descartável que talvez só agrade a quem assistiu a 10 filmes de terror na vida. Que o Sr. Bedevil não volte mais para aterrorizar quem escreve resenhas pro Toca o Terror.

Escala de tocância de terror:

Continue lendo
2 Comentários

2 Comments

  1. Pingback: RESENHA: A Hora da Sua Morte (2020) – Toca o Terror

  2. Pingback: RESENHA: A Hora da Sua Morte (2020) - Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: A Morte Te Dá Parabéns (2017)

Publicados

em

Morte te Dá Parabens

[Por Felipe Macêdo]

Quem nunca quis ter uma segunda chance e corrigir algo em sua vida? Tree (Jessica Rothe) teve mais de uma chance pra fazer isso. Ela vive, morre e volta para o mesmo dia e não entende o que está acontecendo. A chave para sair desse pesadelo é descobrir quem é o vilão mascarado que a mata diversas vezes e bem no dia do seu aniversário. Essa é a trama do novo filme da Universal Pictures e Blumhouse, uma parceria que rendeu vários frutos como a franquia “Uma Noite de Crime” e o elogiado “Corra!”. A bola da vez é tentar reviver (opa!) os slasher movies, dando uma nova roupagem ao filme “A Morte Te Dá Parabéns”. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Floresta Maldita (2016)

Publicados

em

Floresta Maldita

[Por Geraldo de Fraga]

Sara (Natalie Dormer) descobre que sua irmã gêmea que mora no Japão está desaparecida. E o pior: na última vez em que foi vista, ela estava na floresta Aokigahara, conhecida por ser um lugar onde as pessoas vão para cometer suicídio. Aflita, Sara parte rumo à Terra do Sol Nascente na esperança de ainda encontrá-la viva. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Estranhos em casa (2019)

Publicados

em

"Estranhos em Casa" - poster

Após proveitosa carreira em festivais chegou recentemente à Netflix, “Estranhos em Casa“. Dizem que o roteirista Aurélien Molas se inspirou em uma notícia sobre um casal que emprestou a casa para amigos e, ao retornar de férias em seu trailer, descobriu a casa toda transformada em um tipo de “forte” para impedir sua entrada. E é mais ou menos daí que parte a premissa do filme.

Paul Diallo (Adama Niane), um professor de história do ensino médio, está feliz em voltar para casa das férias de verão com sua família, quando descobre que a babá de seu filho e seu marido, a quem Paul emprestou a casa durante o período em que estariam viajando, se recusam a sair e ainda se declaram inquilinos oficiais de seu imóvel. Paul e sua família são forçados a viver em um estacionamento de trailers enquanto tentam recuperar a casa na justiça. Só que as coisas não correm como deveriam.

Saudades de uma cama quentinha, né, minha filha?

O problema é que o meio-de-campo começa a embolar também para o diretor Olivier Abbou. Apesar de levantar a bola para temas importantes como racismo, ascensão da direita, problemas relacionados a masculinidade, “Estranhos em Casa” começa a entrar em conflito com o próprio discurso. Mostra discriminação racial mas coloca o protagonista, um homem negro, em diversas situações explicitas de submissão. Questiona a participação do Estado na vida das pessoas mas defende o direito da propriedade. Vilaniza o proletariado. Coloca os extremistas como caras legais e descolados… logicamente tudo vai se encaminhar para uma reviravolta, mas quando ela acontece, chega de uma forma simplória e finda deixando um “retrogosto” meio estranho.

Cá entre nós o título americano que colocaram no filme, “Get In”, é pura forçação, hein?

Mas bora falar das boas coisas do filme também… Stéphane Caillard, está ótima no papel de Chloé, a esposa que vive num relacionamento reprimido e cheio de culpa. O bombado Mickey, interpretado por Paul Hamy, também consegue ser um bom vilão (meio forçado no final mas aí é culpa do roteiro) e Adama Niane tem seus altos e baixos mas segura direitinho o protagonismo. O ritmo eficiente da montagem também deve te segurar na poltrona do começo ao fim.

“Tem Amigo Safado Quem Pode”

Ah! Antes que eu me esqueça! O filme tem sido divulgado como “o cão chupando manga“, “um filme que está apavorando o público com cenas sádicas e explícitas” mas não caiam nessa… O cinema francês e a tal da “New French Extremity“, que já nos trouxe obras como “Alta Tensão” e “Mártires“, fazem “Estranhos em Casa” ser tão chocante quanto um episódio de Peppa Pig. Mas isso não é ruim. Eu gosto da porquinha.

Peppa, George, Papai Pig…

Escala de tocância de terror:

Título original: Furie
Diretor: Olivier Abbou
Roteirista: Olivier Abbou e Aurélien Molas
Elenco: Adama Niane, Stéphane Caillard, Paul Hamy

Continue lendo

Trending