conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Megatubarão (2018)

Publicados

em

[Por Jarmeson de Lima]

Cerca de 40 anos após a primeira febre de filmes com tubarões, estamos vendo novamente filmes que colocam esta fera marítima como protagonista. E em meio a produções modestas e outras que apelam para o escracho por seu baixo orçamento, “Megatubarão” chega para chamar a atenção com um mega orçamento e uma campanha de marketing tão grande quanto o bicho que aparece na tela. Quando você ouve pessoas aleatórias falando na rua sobre o “novo filme de tubarão”, é certeza que pelo menos esta parte fizeram bem.

O filme vem para apresentar este peixe assassino com uma abordagem mais séria e com poucas falhas de roteiro. Mas ao contrário do que o primeiro trailer sugeria, “Megatubarão” não é engraçadinho ou zoeiro. A expressão sempre sisuda e carrancuda de Jason Statham não deixa espaço para piadinhas. Quando elas aparecem, é para quebrar o gelo mas nem sempre funcionam.

Mesclando drama, ficção científica e ação, o filme transcorre em águas internacionais próximo à costa da China. Eis um motivo pelo qual temos também um elenco diversificado e multi étnico que interage bem sem que pareçam forçados. É numa plataforma oceânica que se transformou em uma super hi-tech estação marítima que pesquisadores vão atrás do que seria o ponto mais profundo do oceano.

Após encontrarem um nível sub-abissal a 12 km mar adentro, a equipe descobre um ecossistema deslumbrante que fica bonito de ver na tela do cinema, mas que esconde uma gigantesca ameaça. Sim, a esta altura já devem imaginar que é onde vive o tal megatubarão, descendente do Megalodon, criatura pré-histórica que é maior do que a maior das baleias de nossa era.

E como as coisas não saem conforme o esperado, parte da equipe de exploradores fica presa no fundo do mar esperando resgate. O escolhido para esta missão é ninguém menos que o relutante Jonas Taylor (Statham) que alguns anos antes já havia participado de uma missão turbulenta e complexa, deixando traumas em nosso heroi. Nestas quase duas horas de filme, temos tempo suficiente para ver o protagonista brucutu tentar salvar vidas, mudar de ideia, salvar mais gente e depois buscar uma forma de matar o tubarão implacável.

Não há, no entanto, cenas muitos memoráveis de ação ou sustos em “Megatubarão“. A direção de Jon Turteltaub (“A Lenda do Tesouro Perdido”) é corretinha demais, com cenas econômicas de sangue e mortes mas ao menos faz com que o espectador se sinta encorajado para ver como tudo vai se desenrolar. Após o final dos créditos, no entanto, você fica com a impressão de ter visto SÓ mais um filme de tubarão que assusta mais pelo tamanho do que pela sua voracidade.

https://www.youtube.com/watch?v=l1xTSXp6LWI

Escala de tocância de terror:

Título original: The Meg
Diretor: Jon Turteltaub
Roteiro: Dean Georgaris e Jon Hoeber
Elenco: Jason Statham, Bingbing Li e Rainn Wilson
Ano de produção: 2018

* Filme visto na cabine de imprensa promovida pela Espaço Z no Recife

Resenhas

SÉRIE: What We Do in the Shadows (2019)

Publicados

em

What We Do in the Shadows

Na próxima quinta (15 de abril), estreia no canal FX dos EUA a segunda temporada de What We Do in the Shadows, série baseada no filme de mesmo nome lançado em 2014. Aqui no Brasil, sua primeira temporada foi exibida no ano passado pela Fox Premium. Vamos aproveitar então o retorno do programa lá fora para tecer algumas linhas sobre a atração.

Se você assistiu ao filme, fique sabendo que a mecânica é a mesma do longa. Uma equipe de filmagem que nunca aparece acompanha a rotina de três vampiros centenários que vivem na mesma casa e tentam se adequar ao mundo moderno. A principal mudança em relação à obra original é que a história se passa nos EUA, mais precisamente em Staten Island, Nova York.

O elenco também é outro Com a adição de uma personagem feminina, Nadja (Natasia Demetriou), e do lacaio Guillermo (Harvey Guillén), o trio de vampiros se completa com Nandor (Kayvan Novak) e Laszlo (Matt Berry). Há ainda um personagem recorrente, Colin Robinson (Mark Proksch), um humano que se apresenta como “vampiro de energia” e que se alimenta da força vital das pessoas, deixando-as entediadas.

A vida deles segue tranquila, até que eles são obrigados a receber como hóspede o barão Afanas (Doug Jones coberto de maquiagem, para variar), um vampiro milenar que vem da Europa e sonha em conquistar a América. Apesar desse ponto de partida, o enredo não se apega muito a ele. Como seriado, What We Do in the Shadows é basicamente uma sitcom, na qual o roteiro tenta brincar com os clichês da mitologia e da cultura pop.

No filme isso deu muito certo, mas ao longo de 10 capítulos, a série não se sustenta. Há momentos brilhantes, mas eles são raridades. Destaque para os episódios The Trial, com a participação de vários atores que interpretaram vampiros no cinema (como Wesley Snipes e Danny Trejo), e The Orgy, no qual, como o próprio nome diz, uma orgia vampírica é organizada, sem muito sucesso.

Porém, a impressão que fica é que assistir What We Do in the Shadows é um grande esforço para poucas risadas, mesmo que seus capítulos tenham apenas 30 minutos em média. Uma pena, pois o elenco todo é muito bom. Esperamos que nessa segunda temporada, os roteiristas estejam mais inspirados.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jemaine Clement e Taika Waititi
Roteiro: Jemaine Clement e Taika Waititi
Elenco: Kayvan Novak, Matt Berry e Natasia Demetriou
Origem: EUA

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Trending