conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Parque do Inferno (2018)

Publicados

em

[Por Felipe Macedo]

Parques de diversão sempre estiveram em minha memória afetiva. Lembro como era divertido ir no carrinho bate-bate e na montanha-russa, mas o que mais gostava era a ida ao Trem Fantasma e o famigerado Castelo dos Horrores do saudoso Playcenter/Mirabilândia alguns anos depois.

A adrenalina e a sensação de me sentir parte de uma trama de terror sempre tiveram um efeito muito grande em mim. Mas e se a fantasia e a realidade se chocassem e uma ameça real se fizesse presente num lugar como esse? A trama de “Parque do Inferno” segue essa premissa. E é assim que Natalie e seus amigos logo descobrirão.

Um parque temático chamado Hell Fest, que só abre na época de Halloween atrai os jovens para uma noite de sustos e diversão. Sendo que para esse grupo específico, isso se tornará uma luta pela sobrevivência. Simplesmente porque um assassino mascarado resolve fazer deles seu alvo da noite, primeiro assustando, para depois caçá-los um por um. A vítima preferencial, claro, é Natalie, que logo descobriremos ser a ‘final girl’.

O filme segue à risca a cartilha do slasher e mostra Natalie e seus amigos como pedaços de carne que serão destroçados pelo vilão. Para quem curte slashers dos anos 80 e 90 isso é um prato cheio. O roteiro é previsível, mas não esquece do fator diversão.

Ele não chega a ser inovador ou pretensioso, algo que não posso dizer do no novo Halloween (2018), por exemplo. O clímax me fez lembrar um pouco do clássico de Tobe Hooper “Pague Para Entrar, Reze Para Sair” (1981) e conseguiu me deixar na ponta da cadeira, mesmo tendo quase certeza do que ia acontecer.

A direção também não recicla nada, entregando sustos e momentos gore como nos velhos tempos. E como nos melhores slashers de antigamente, tudo vira arma nas mãos do vilão. Falando nele, seu visual pode parecer genérico e realmente é um pouco, mas tem uma justificativa para isso.

O elenco é formado por carinhas jovens vindas de seriados e estão lá por serem bonitos e para soltar o gogó nas cenas de perseguição, outra coisa que sempre foi marca desse tipo de filme. É por isso que digo que o longa é para quem curte slasher e quer assistir algo descompromissado. Mas informo logo que o passeio no parque valeu a pena.

Escala de tocância de terror:

Diretor: Gregory Plotkin
Roteiro: Seth M. Sherwood, Blair Butler
Elenco: Amy Forsyth, Reign Edwards, Tony Todd e outros
País de origem: EUA
Ano de lançamento: 2018

Continue lendo
4 Comentários

4 Comments

  1. Wagner Andrade

    22 de novembro de 2018 a 17:08

    Olá, esse novos slaschers que estão surgindo n chegam de perto com os do começo dos anos 80. Vou conferir esse na segunda. Felipe, infelizmente tiraram do Google o acervo digital do Diário de Pernambuco . Uma pena mesmo pq eu estava curtindo as velhas edições das décadas passadas em PDF.

  2. Wagner Andrade

    24 de novembro de 2018 a 10:05

    Terminei esquecendo. Eu falei sobre essas edições do jornal pq eu gostava de vê a parte VIVER onde tinha os filmes em cartaz.

  3. Amanda

    16 de junho de 2019 a 22:34

    Muito bom, fiquei com um cagaço do c***

  4. Pingback: LISTA: Filmes que se passam no Halloween mas que não são da franquia Halloween | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: A Hora da Sua Morte (2020)

Publicados

em

A Hora da Sua Morte

Nos últimos dez anos a Blumhouse deu o tom das produções de terror de baixo orçamento. Fez filmes com boas premissas, elenco iniciante, roteiros ágeis e muito jumpscare. Eis que agora chega às telas “A Hora da Sua Morte” (Countdown), um filme que tem todas essas características, mas que NÃO É da Blumhouse. Talvez até por isso tenha se saído melhor que a média desta produtora. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Rabid (2019)

Publicados

em

Rabid

Quando saiu a notícia que iria rolar um remake de RABID, clássico de ninguém menos que David Cronenberg – filme que aqui no Brasil saiu com o título infame de “ENRAIVECIDA NA FÚRIA DO SEXO” – eu fiquei num misto de curiosidade e medo do que viria. Mas aí vi que essa empreitada seria realizada pelas Irmãs Soska e fiquei bem animado, pois as gêmeas diretoras tem uns filmes cabulosos no currículo.

Nesta nova versão, dirigida por Jen e Sylvia Soska, a partir do roteiro de John Serge no qual elas também assinam, acompanhamos Rose, uma design de moda que se envolve em um acidente e fica com o rosto desfigurado. Sem esperanças de recuperar a aparência e voltar ao mundo da moda, resolve se inscrever numa clínica de estética adepta de um movimento “TRANS-HU-MA-NI-SMO” que não é aceito pela comunidade médica. Como voluntária, acaba se submetendo ao procedimento milagroso que restaura toda estrutura do seu rosto. Não bastasse a aparência, a moça passa a se sentir melhor em todos os sentidos. Mas não demoram a surgir os efeitos colaterais… e eles são pra lá de sinistros.

Em nenhum momento as diretoras escondem sua admiração por Cronenberg. Há referências frequentes de sua obra durante o longa, sendo que uma em especial acaba se destacando de tão gritante que é. E é claro que o sadismo aqui impera, marca registrada das gêmeas cineastas em seus longas anteriores – vide “T IS FOR TORTURE PORN” e “AMERICAN MARY“. E assim como o diretor canadense, as irmãs também são chegadas a um body horror raiz. Aqui, usam e abusam de efeitos práticos pra nos conferir muita nojeira e bizarrice. Em uma cena vemos uma “cobra” e uma axila… e basta dizer que ela dificilmente será esquecida, por exemplo.

Apesar de seguir a mesma premissa do “RABID” original, este remake tem suas diferenças – o que já é esperado – e a mais importante é a forma com que Rose, vivida por Laura Vandervoort (Biten), é construída. Ao contrário do original, nossa protagonista não passa o filme todo assistindo impassiva às transformações que seu corpo e mente sofrem. Aqui, nossa heroína evolui dentro da trama, passando a ter domínio de suas ações, dando força e profundidade à personagem.

O ponto forte aqui tá no desenvolvimento da personagem principal, como já mencionado, e na violência extremamente gráfica toda artesanal, que garante uma seboseira danada com muito sangue em tela. Infelizmente, a maquiagem dá uns vacilos como na deformidade do rosto da protagonista, o que é bastante fake. Há umas cenas toscas aqui e ali, mas os pontos fracos mesmos estão mais em alguns personagens que poderiam simplesmente nem existir, a exemplo do boyzinho que fica enchendo o saco da moça o filme todo.

Esta nova versão de “RABID” peca por tentar acrescentar mais elementos à trama do que ele precisaria de fato, mas nada que estrague a sua experiência. No fim das contas, o remake das Irmãs Soska agrada e acaba fazendo “bonito”. Pena que esta refilmagem passou meio batida pelo público do gênero e pouco se falou a respeito. Quem ainda tá torcendo o nariz e ainda não viu, tá vacilando.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jen e Sylvia Soska
Roteiro: John Serge e Irmãs Soska
Elenco: Laura Vandervoort, Benjamin Hollingsworth, Ted Atherton
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Resenhas

DVD: Digipack “Coleção O Homem Invisível”

Publicados

em

[Por Osvaldo Neto]

A Classicline é uma distribuidora de home video especializada em cinema clássico com mais de uma década de existência e atividade. Mensalmente, temos lançamentos e relançamentos de filmes que se encontravam ausentes das lojas físicas e virtuais – sejam lançados antes por eles ou outras empresas – assim como produções esquecidas que ganham uma nova vida no mercado. (mais…)

Continue lendo

Trending