conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Drácula de Bram Stoker (1992)

Publicados

em

Dracula

[Por Gabriela Alcântara]

Para quem não é fã de horror, pode parecer estranho falar da beleza dentro dos filmes de gênero, que comumente são lembrados pelos banhos de sangue e violência (muitas vezes excessiva e sem sentido, como em muitos filmes atuais). Contrariando essas crenças de “feiura”, um dos filmes de terror mais bonitos de todos os tempos e que continua tão belo como quando foi lançado. Falo de “Drácula de Bram Stoker”, dirigido pelo genial Francis Ford Coppola e que está disponível na Netflix.

Fugindo de diversos estereótipos do gênero, Coppola constrói um romance vampiresco que preza muito mais pela atmosfera do filme do que pelo horror em si. Aqui entramos em um universo lúgubre, triste e solitário, enquanto acompanhamos a busca de Drácula (belamente interpretado por Gary Oldman) pela versão atual de sua amada Elisabeta/Mina (a maravilhosa Winona Ryder).

Esse universo é representado principalmente pelos figurinos (o filme foi inclusive vencedor do Oscar nesta categoria), que além de ajudarem a compor as personalidades de cada personagem, funcionam como elementos fortes dentro da cena, atraindo nossa atenção para aquilo que é importante. Há por vezes um balé impressionante especialmente nas peças vermelho-sangue, usadas por Drácula e pela bela Lucy (Sadie Frost). O figurino de noiva de Lucy é talvez uma das peças mais lindas e bem trabalhadas do cinema (e uma das referências para o figurino que a drag Sasha Velour usou na finale do RuPaul’s Drag Race deste ano).

Outros elementos que parecem “dançar” majesticamente na mise-en-scène são os atores, especialmente Drácula e sua sombra, que evidenciam logo suas intenções na interação entre a personagem e o jovem Jonathan Haker (pobremente interpretado por Keanu Reeves).

Com um elenco que responde à altura do que é proposto – exceto por Keanu, que aparentemente nasceu fazendo aquela cara de confuso, e cuja escolha para o papel foi justificada por Coppola como uma “isca para atrair adolescentes ao filme” – o “Drácula” de Coppola é um excelente filme que deve ser visto, revisto e estudado por todos aqueles que amam o cinema de horror.

Título original: Bram Stoker’s Dracula
Ano: 1992
Direção: Francis Ford Coppola
Roteiro: James V. Hart
Elenco: Gary Oldman, Winona Ryder, Anthony Hopkins
País de origem: EUA

P.S.: Confira também a HQ “Dracula” de Mike Mignola e Roy Thomas lançada no Brasil pela Editora Mino.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: The Titan (2018)

Publicados

em

The Titan

Em mais uma aposta da Netflix na Ficção Científica, “The Titan” é uma prova que nem sempre a gigante do streaming acerta em suas produções. Veja bem, não é culpa da produção técnica em si (quase sempre impecável), mas de parte do roteiro e de seu ritmo. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Coletivo Terror (2020)

Publicados

em

Coletivo Terror

Coletivo Terror (Bloodride), série norueguesa da Netflix, é uma produção em formato de antologia. São seis episódios com histórias independentes, durando cerca de 30 minutos cada. Os roteiros são diversificados, temos contos de fantasmas, psicopatas, lendas nórdicas, tudo no melhor estilo Além da Imaginação.

Three Sick Brothers

Muita gente pensa que escrever histórias curtas pode ser fácil, mas nem todo mundo é capaz de condensar uma ideia em um espaço de tempo limitado. Em certos casos é até mais difícil. E a série criada por Kjetil Indregard e Atle Knudsen tropeça justamente aí, falhando em dar ritmo aos capítulos e buscando sempre uma reviravolta que poucas vezes surpreende o espectador.

The Elephant in the Room

De algum destaque, listamos como bons argumentos os episódios Three Sick Brothers (E02), Lab Rats (E04) e The Elephant in the Room (E06). A intenção foi boa, mas uma coisa ou outra no roteiro acaba deixando-os menos interessantes do que poderiam ter sido. Lab Rats tinha tudo para ser ótimo suspense, não fossem os diálogos constrangedores.

Ultimate Sacrifice

Ultimate Sacrifice (E01), Bad Writer (E04) e The Old School (E05) são os responsáveis por jogar a nota do programa lá pra baixo, com histórias ruins, previsíveis e atuações que deixam a desejar. O primeiro principalmente por ser o único a fugir do lugar comum e focar em um fato histórico bem norueguês: a herança viking.

Talvez o formato de curtas empolgue quem procura um passatempo rápido e leve, mas não espere ser surpreendido em nada por Coletivo Terror. Se uma segunda temporada for confirmada pela Netflix, é bom os criadores começarem a se esforçar mais.

P.S.: Não entendi a relação com o ônibus da abertura.

Escala de tocância de terror:

Título original: Bloodride
Direção: Geir Henning Hopland e Atle Knudsen
Roteiro: Kjetil Indregard e Atle Knudsen
Elenco: Stig R. Amdam, Anna Bache-Wiig e Ellen Bendu
Origem: Noruega

Continue lendo

Trending