conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Drácula de Bram Stoker (1992)

Publicados

em

Dracula

[Por Gabriela Alcântara]

Para quem não é fã de horror, pode parecer estranho falar da beleza dentro dos filmes de gênero, que comumente são lembrados pelos banhos de sangue e violência (muitas vezes excessiva e sem sentido, como em muitos filmes atuais). Contrariando essas crenças de “feiura”, um dos filmes de terror mais bonitos de todos os tempos e que continua tão belo como quando foi lançado. Falo de “Drácula de Bram Stoker”, dirigido pelo genial Francis Ford Coppola e que está disponível na Netflix.

Fugindo de diversos estereótipos do gênero, Coppola constrói um romance vampiresco que preza muito mais pela atmosfera do filme do que pelo horror em si. Aqui entramos em um universo lúgubre, triste e solitário, enquanto acompanhamos a busca de Drácula (belamente interpretado por Gary Oldman) pela versão atual de sua amada Elisabeta/Mina (a maravilhosa Winona Ryder).

Esse universo é representado principalmente pelos figurinos (o filme foi inclusive vencedor do Oscar nesta categoria), que além de ajudarem a compor as personalidades de cada personagem, funcionam como elementos fortes dentro da cena, atraindo nossa atenção para aquilo que é importante. Há por vezes um balé impressionante especialmente nas peças vermelho-sangue, usadas por Drácula e pela bela Lucy (Sadie Frost). O figurino de noiva de Lucy é talvez uma das peças mais lindas e bem trabalhadas do cinema (e uma das referências para o figurino que a drag Sasha Velour usou na finale do RuPaul’s Drag Race deste ano).

Outros elementos que parecem “dançar” majesticamente na mise-en-scène são os atores, especialmente Drácula e sua sombra, que evidenciam logo suas intenções na interação entre a personagem e o jovem Jonathan Haker (pobremente interpretado por Keanu Reeves).

Com um elenco que responde à altura do que é proposto – exceto por Keanu, que aparentemente nasceu fazendo aquela cara de confuso, e cuja escolha para o papel foi justificada por Coppola como uma “isca para atrair adolescentes ao filme” – o “Drácula” de Coppola é um excelente filme que deve ser visto, revisto e estudado por todos aqueles que amam o cinema de horror.

Título original: Bram Stoker’s Dracula
Ano: 1992
Direção: Francis Ford Coppola
Roteiro: James V. Hart
Elenco: Gary Oldman, Winona Ryder, Anthony Hopkins
País de origem: EUA

P.S.: Confira também a HQ “Dracula” de Mike Mignola e Roy Thomas lançada no Brasil pela Editora Mino.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: #Alive (2020)

Publicados

em

Alive

O cinema sul coreano ganhou uma visibilidade incrivel nos últimos anos e hoje não é tão raro ver obras vindas de lá aportarem no cinema. Mas é claro que com a pandemia as coisas foram freadas e alguns filmes estão ganhando destaque via streaming. Este é o caso de #Alive, filme que estreou em seu país na reabertura dos cinemas com bastante êxito e está sendo distribuído mundialmente pela Netflix.

A trama acompanha um jovem rapaz, que sozinho no apartamento da família, tenta sobreviver a uma epidemia mortal que transforma os cidadãos em zumbis sedentos por carne humana. No passar de vários dias, com comida e água acabando e ataques cada vez piores das criaturas, o rapaz coloca em cheque a promessa que fez ao pai de sobreviver. E aos trancos e barrancos ele tentará cumprir o que foi pedido.

#Alive é um bom filme de zumbis que não coloca nada de novo na mesa, mas traz o básico que, em sua maior parte, é competente. O longa não enrola e logo nos primeiros minutos a confusão e o caos predominam. A primeira parte é a melhor, se passando em praticamente um único cenário, mostrando bem a sensação de solidão e medo do personagem com cenas de ação pontuais e mais comedidas. Vale comentar a ótima maquiagem dos monstros que lembram o conterrâneo “Invasão Zumbi” (Train to Busan).

Outra semelhança com o longa de zumbis mais famoso é a ambientação minimalista e o país. Sinceramente, essa sim deveria ser a sequência real dele, pois mesmo não sendo perfeita, se mostra bem superior à continuação oficial, chamanda “Península”.

Os problemas de #Alive vêm à tona em sua segunda metade, onde as sequências de ação se tornam inverossímeis demais (até para um filme de zumbis)… Meio que a produção se rende ao espetáculo ocidental apresentando exageros que tiram a atenção diversas vezes. O clímax acaba sendo forçado e emotivo demais querendo a todo custo arrancar lágrimas do público.

Concluindo… #Alive não é um divisor de águas do gênero, mas é divertido e tenso na maior parte de sua duração. Vale gastar o tempo assistindo as desventuras do protagonista e sua busca pela sobrevivência.

Escala de tocância de terror:

Título original: #Saraitda
Diretor: II Cho
Roteiro: II Cho,Matt Naylor
Elenco: Ah-in Yoo, Shin-Hye Park,Bae-soo Jeon e outros
País de origem: Coreia do Sul

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Dominação (2017)

Publicados

em

Dominação

[Por Felipe Macedo]

Estrelado por Aaron Eckhart e produzido por Jason Blum, “Dominação” (Incarnate) mais uma vez mostra a história de um jovem possuído por um demônio poderoso. Nosso herói aqui luta para derrotar o grande mal e salvar o dia. No entanto, o longa tenta vir com uma promessa de abordar o tema de uma forma diferente do que foi mostrado até hoje. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending