conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Bird Box (2018)

Publicados

em

Bird Box

[Por Geraldo de Fraga]

Vamos contextualizar, antes de mais nada, o universo em que se passa Bird Box. O roteiro nos mostra duas linhas de tempo. No passado, vemos como um evento sobrenatural teve início. Algum tipo de criatura invadiu a Terra e quem quer que entre em contato visual com ela enlouquece e se mata (algo parecido com o que acontece em Fim dos Tempos, de M. Night Shyamalan).

No presente, cinco anos após o início da confusão, acompanhamos Malorie (Sandra Bullock) vivendo isolada com duas crianças. Pelo rádio, ela descobre que há um lugar seguro para os humanos, mas que para chegar lá ela terá que descer de barco por um rio perigosíssimo. E, para piorar, eles terão que ir vendados, pois ainda existe a ameaça de ver as criaturas e enlouquecerem. Impossível também não lembrar de Um Lugar Silencioso, de John Krasinski, por conta de se trabalhar a questão da privação de um dos sentidos, no caso de Bird Box, a visão.

Quando o filme nos mostra o início dos acontecimentos, com vários personagens presos dentro de uma casa, apesar de todos os clichês de histórias pós-apocalípticas, ainda há um certo gás. Vamos acompanhando as descobertas dos sobreviventes pouco a pouco, e juntando as peças para entender em que condições está a personagem de Sandra Bullock no futuro.

Porém, isso não se sustenta por muito tempo. Talvez no livro que deu origem ao roteiro, a coisa seja mais bem detalhada, mas aqui é meio confuso. E piora quando descobrimos que a ameaça atinge algumas pessoas de forma diferente. Mas o pecado de Bird Box é a falta de tensão. É inadmissível que um filme com essa pegada não deixe o espectador grudado no sofá.

Nem as sequências de aventura rio abaixo são suficientes para arrancar do público qualquer momento de grande aflição. Assim como os dois filmes lembrados acima, Bird Box também usa o horror para passar uma mensagem sobre família. Talvez, focado mais nisso, tenha esquecido de amedrontar a gente.

Escala de tocância de terror:

Direção: Susanne Bier
Roteiro: Eric Heisserer (baseado no livro de Josh Malerman)
Elenco: Sandra Bullock, Trevante Rhodes e John Malkovich
Origem: EUA
Ano de lançamento: 2018

Continue lendo
1 comentário

1 comentário

  1. André Cavallini

    21 de dezembro de 2018 a 15:20

    Ainda não vi Bird Box, mas imaginei que seria algo como Um Lugar Silencioso, mudando apenas o sentido suprimido… Já vi que vou ficar decepcionado kkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Poço (2020)

Publicados

em

O Poço

Com uma produção modesta com apoio do governo espanhol e distribuição da Netflix, “O Poço” (El Hoyo) mescla mistério, drama e ficção científica numa trama que é fácil de resumir, mas difícil de explicar. Assim como obras como “Cubo” e “Demônio“, a ação deste filme se concentra em alguns poucos cenários, restando aos atores imprimir um trabalho que chama a atenção do público.

O estreante em direção de longas, Galder Gaztelu-Urrutia, apresenta aqui uma história que se passa em uma espécie de prisão vertical, em que cada andar abriga dois presos. A plataforma não possui grades ou janelas… apenas as paredes, camas e um buraco no chão e no teto que é por onde uma vez por dia desce uma grande mesa de comida.

E é através do comportamento dos presos frente às refeições que são destrinchadas analogias sociais de opressão, solidariedade e das relações de poder que vão de cima para baixo literalmente. Quem tem sorte de ficar nos níveis superiores tem a chance de comer as refeições com os pratos ainda intactos e limpinhos. Já quem está mais abaixo vai tendo que se contentar com o que vai sobrando sem que nehum dos confinados tenha a preocupação de deixar algo para quem vai se alimentar depois. 

Nesta situação de isolamento dividida em um lugar onde você não queria estar e com quem você não queria conviver, o lado obscuro de cada um se revela e podemos esperar o pior na medida em que vemos o que acontece nos níveis inferiores do Poço. Podia ser só um filme tipo crítica social ao sistema carcerário, mas ele abrange uma metáfora maior sobre nossa presença no mundo e nossa responsabilidade diante da escassez e desperdício de alimentos.

Apesar de ter um ritmo mais reflexivo, “O Poço” sempre guarda cenas impactantes (e com boa dose de gore) no desdobramento de sua história garantindo uma certa fluidez pra quem assiste. Obras assim que oferecem algo a mais do que aparentam estão em falta no cardápio da Netflix, mas são sempre bem vindas.

Escala de tocância de terror:

Título original: El Hoyo
Diretor: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteirista: David Desola
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Eguileor, Antonia San Juan
País de origem: Espanha

Continue lendo

Trending