conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Nós (2019)

Publicados

em

Nós

[Por Felipe Macedo]

Em 2017, Corra! foi um grande sucesso de público e crítica, chegando a ganhar um Oscar no ano seguinte e lançando seu realizador Jordan Peele ao estrelato. Não demorou pra elegerem ele como o novo rei do terror. Pouco depois que foi anunciado seu novo projeto “Nós”, ele veio cercado de mistérios e expectativas. O trailer dessa produção foi bastante promissor, mas trailers enganam, certo? Na maioria das vezes sim. Mas nesse caso já adianto que não foi propaganda enganosa. Estamos diante de um filmão. Peele acertou novamente.

O roteiro acompanha uma família em férias pela costa da Califórnia que vai ter que lidar e sobreviver a momentos de genuínos de terror. Na calada da noite, um grupo de sósias malignos deles surge e clama por suas vidas. Qualquer um que se ponha no caminho dos antagonistas corre um sério perigo. Essa breve sinopse que já é escancarada pelo trailer é o máximo que se pode dizer sem soltar spoilers da trama.

Peele anteriormente mostrou ao mundo que sabe fazer suspense e agora prova que sabe ir além. Os momentos de humor no filme anterior do diretor foram criticados por darem uma quebra no ritmo. Já aqui ele soube dosar muito bem essas cenas, que além de soarem mais naturais dentro do enredo, fazem parte da composição de um dos personagens.

Voltando ao suspense, fazia tempo que não interagia tanto com um longa, ao ponto de falar no meio da sessão pedindo que certo personagem fizesse ou não fizesse determinada ação. O diretor sabe o que quer mostrar. E em planos elegantes, consegue mostrar todo o horror que essa família passa. Apesar de ser bem escrito e bastante provocativo, o roteiro peca em criar algumas situações forçadas que por vezes me desconcentrou. Ainda assim, tais momentos são realmente poucos e logo me via inserido no caos novamente.

Os atores estão todos muito bem em seus papéis. Tanto os mocinhos quanto os vilões. Em alguns momentos até tive dúvida se não eram outros atores fazendo os papeis dos antagonistas, tamanha a diferença entre eles. Os malvados tem uma interpretação forte e acentuadamente fisica. Eles realmente passam uma sensação de ameaça enorme.

“Nós” tenta retratar bem nossa atual realidade. Sua mensagem é universal nesses tempos sombrios que vivemos onde não estamos imunes a situações de caos e violência. Mas se você quiser pular todas as mensagens que o filme passa e ter uma experiência totalmente escapista, o filme também funciona e entrega tensão e bons sustos. Pode não ser o melhor terror do ano, mas com certeza fará parte do top 5 de muita gente em 2019 (e não falando só de listas de terror!).

Escala de tocância de terror:

Direção: Jordan Peele
Roteiro: Jordan Peele
Elenco: Lupita Nyong’o, Wiston Duke, Elisabeth Moss e outros
País de origem: EUA
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. centoundici

    27 de abril de 2019 a 22:32

    Existe uma grande diferença entre um bom filme de terror que exija raciocínio lógico dedutivo e um bom filme de terror amparado num misto de teorias filosóficas e místicas. Nós é o segundo caso. Num filme do primeiro caso, rapidamente passamos a gostar à medida que vamos interpretando o que se passa na tela, tentando dar um sentido e deduzir o que pode vir a ser o presente e futuro na trama. Nós exige mais que isso. Só depois que li mais sobre as fases alquimicas e nigredo, passei a compreender por completo o porquê de tudo. É o que posso dizer que entendi. Como se fosse um episódio longo, enganoso e cansativo de “além da imaginação ” ou Black mirror. Mas com alegorias de autocrítica social puramente americana. E olha que meu forte é mesmo filmes sobre realidades paralelas, dobras dimensionais e contextos de misticismo. Gostei e não gostei rsrs da trama, sim. Do desenrolar, não.

  2. Pingback: EVENTO: Maratona de filmes nesta Sexta-feira 13 no MIS-SP | Toca o Terror

  3. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending