conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.

Se liga na sinopse: “Desde que era pequena, Rebecca tinha uma porção de medos, especialmente quando as luzes se apagavam”. Nossa… jura?! “Ela acreditava ser perseguida pela figura de uma mulher e anos mais tarde seu irmão mais novo começa a sofrer do mesmo problema”. Qualquer semelhança com O Chamado seria coincidência. “Juntos eles descobrem que a aparição está ligada à mãe deles. Rebecca começa a investigar o caso e chega perto de conhecer a terrível verdade”. É quase um CSI Paranormal.

quandoasluzesseapagam_8-750x380

Brincadeiras à parte, o longa do sueco David F. Sandberg, tem como base este que foi um dos primeiros temores da humanidade. Natural que muita gente se interesse pelo tema e se identifique com o medo de possíveis criaturas que se escondem no escuro. Conforme a sinopse atesta, o medo do escuro acompanha os personagens em três gerações, indo da infância à terceira idade, ainda que a ameaça não pareça crescer junto ou esquecer seus traumas anteriores.

O fato é que é mesmo complicado extrair uma história grandiosa tendo por base um curta que só possuía mesmo uma cena, mesmo que bem sacada. E quem assistiu ao curta viral acaba indo na expectativa de ter algo na mesma intensidade de medo e sustos. Até então o longa segue à risca a premissa de ver um criatura que se esconde nas sombras e some da vista diante da luz. Para quem acompanha Doctor Who pode até encontrar similaridades disso com os Weeping Angels que se movem e atacam quando você não está olhando. Infelizmente, ou felizmente, as semelhanças param por aqui.

lightsout_1200x675

Se a ação de se revelar e de se ocultar diante do apagar e acender das luzes parece atemorizar as pessoas, esse clima de medo se perde ao longo da trama. A repetição exaustiva dessas cenas e as inevitáveis explicações médico-científicas para justificar os acontecimentos sobrenaturais terminam por decepcionar o fã de terror que vai em busca de algo a mais.

Apesar de frágil em sua essência e no formato de terror blockbuster, “Quando as Luzes se Apagam” tem alguns bons momentos desde que encarado como algo despretensioso. As cenas em que os personagens tentam acender as luzes com o que estiverem à mão para espantar a criatura podem tanto ser tensas e nervosas quanto involuntariamente engraçadas.

lights-out-19

O final ousado para a média de filmes apadrinhados por James Wan faz até com que ele escape da vala comum em que produções recentes tem caído. Ainda assim, não temos nada a temer em um filme cujo vilão tem nome, passado e uma enorme carência afetiva.

lights_out-feature-screen2

Escala de tocância de terror:

Direção: David F. Sandberg
Roteiro: Eric Heisserer
Elenco: Teresa Palmer, Maria Bello e Gabriel Bateman
País de origem: EUA
Ano: 2016

* Filme visto na cabine de imprensa promovida pela Espaço Z no UCI Recife

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Thiago Andrade Marinho

    6 de outubro de 2016 a 18:26

    Gostei muito da resenha,achei bem condizente com o que foi visto no filme,temos opiniões bastante parecidas,porém não entendi a analogia: “Ela acreditava ser perseguida pela figura de uma mulher e anos mais tarde seu irmão mais novo começa a sofrer do mesmo problema”. Qualquer semelhança com O Chamado seria coincidência.
    Em nenhum dos dois filmes já lançados,vi algo que remetesse ou se assemelhasse à “Quando as luzes se apagam”.
    Abs

  2. Pingback: RESENHA: Annabelle 2: A Criação do Mal (2017) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: A Morte Te Dá Parabéns (2017)

Publicados

em

Morte te Dá Parabens

[Por Felipe Macêdo]

Quem nunca quis ter uma segunda chance e corrigir algo em sua vida? Tree (Jessica Rothe) teve mais de uma chance pra fazer isso. Ela vive, morre e volta para o mesmo dia e não entende o que está acontecendo. A chave para sair desse pesadelo é descobrir quem é o vilão mascarado que a mata diversas vezes e bem no dia do seu aniversário. Essa é a trama do novo filme da Universal Pictures e Blumhouse, uma parceria que rendeu vários frutos como a franquia “Uma Noite de Crime” e o elogiado “Corra!”. A bola da vez é tentar reviver (opa!) os slasher movies, dando uma nova roupagem ao filme “A Morte Te Dá Parabéns”. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Floresta Maldita (2016)

Publicados

em

Floresta Maldita

[Por Geraldo de Fraga]

Sara (Natalie Dormer) descobre que sua irmã gêmea que mora no Japão está desaparecida. E o pior: na última vez em que foi vista, ela estava na floresta Aokigahara, conhecida por ser um lugar onde as pessoas vão para cometer suicídio. Aflita, Sara parte rumo à Terra do Sol Nascente na esperança de ainda encontrá-la viva. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Estranhos em casa (2019)

Publicados

em

"Estranhos em Casa" - poster

Após proveitosa carreira em festivais chegou recentemente à Netflix, “Estranhos em Casa“. Dizem que o roteirista Aurélien Molas se inspirou em uma notícia sobre um casal que emprestou a casa para amigos e, ao retornar de férias em seu trailer, descobriu a casa toda transformada em um tipo de “forte” para impedir sua entrada. E é mais ou menos daí que parte a premissa do filme.

Paul Diallo (Adama Niane), um professor de história do ensino médio, está feliz em voltar para casa das férias de verão com sua família, quando descobre que a babá de seu filho e seu marido, a quem Paul emprestou a casa durante o período em que estariam viajando, se recusam a sair e ainda se declaram inquilinos oficiais de seu imóvel. Paul e sua família são forçados a viver em um estacionamento de trailers enquanto tentam recuperar a casa na justiça. Só que as coisas não correm como deveriam.

Saudades de uma cama quentinha, né, minha filha?

O problema é que o meio-de-campo começa a embolar também para o diretor Olivier Abbou. Apesar de levantar a bola para temas importantes como racismo, ascensão da direita, problemas relacionados a masculinidade, “Estranhos em Casa” começa a entrar em conflito com o próprio discurso. Mostra discriminação racial mas coloca o protagonista, um homem negro, em diversas situações explicitas de submissão. Questiona a participação do Estado na vida das pessoas mas defende o direito da propriedade. Vilaniza o proletariado. Coloca os extremistas como caras legais e descolados… logicamente tudo vai se encaminhar para uma reviravolta, mas quando ela acontece, chega de uma forma simplória e finda deixando um “retrogosto” meio estranho.

Cá entre nós o título americano que colocaram no filme, “Get In”, é pura forçação, hein?

Mas bora falar das boas coisas do filme também… Stéphane Caillard, está ótima no papel de Chloé, a esposa que vive num relacionamento reprimido e cheio de culpa. O bombado Mickey, interpretado por Paul Hamy, também consegue ser um bom vilão (meio forçado no final mas aí é culpa do roteiro) e Adama Niane tem seus altos e baixos mas segura direitinho o protagonismo. O ritmo eficiente da montagem também deve te segurar na poltrona do começo ao fim.

“Tem Amigo Safado Quem Pode”

Ah! Antes que eu me esqueça! O filme tem sido divulgado como “o cão chupando manga“, “um filme que está apavorando o público com cenas sádicas e explícitas” mas não caiam nessa… O cinema francês e a tal da “New French Extremity“, que já nos trouxe obras como “Alta Tensão” e “Mártires“, fazem “Estranhos em Casa” ser tão chocante quanto um episódio de Peppa Pig. Mas isso não é ruim. Eu gosto da porquinha.

Peppa, George, Papai Pig…

Escala de tocância de terror:

Título original: Furie
Diretor: Olivier Abbou
Roteirista: Olivier Abbou e Aurélien Molas
Elenco: Adama Niane, Stéphane Caillard, Paul Hamy

Continue lendo

Trending