conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: A Maldição da Chorona (2019)

Publicados

em

[Por Jarmeson de Lima]

Vou direto ao ponto… faz tempo que não via um filme tão enfadonho e medíocre como “A Maldição da Chorona“. É o sinal de que a fórmula de copiar e colar os clichês da Blumhouse não estão mais surtindo os efeitos que deveriam. Até o visual da Chorona se parece com o da Freira para tentar pegar uma lasquinha do sucesso da antecessora. Por isso é que me espantaria muito se isso vier a fazer sucesso.

Temos aqui a tentativa de levar às telas mundiais uma história que se baseia numa conhecida lenda mexicana. Até o seriado Chaves já fez menção ao tal mito no clássico episódio sobre os “Espíritos Zombeteiros“. Coincidentemente, o sobrenome do diretor também é Chaves, mas no caso, o Michel não fez um filme engraçado, apesar das risadas involuntárias que dei durante o filme.

Na sua introdução, a gente vê muito rapidamente como a personagem que dá nome ao filme caiu em desgraça nos idos do Século XVII. Uma linda mulher casou-se com um rico fazendeiro e teve com ele dois filhos. Ao ver que ele a traiu com outra, resolveu se vingar e matou as suas crianças! (OI?!) Ao perceber o que tinha feito, arrependeu-se e começou a chorar compulsivamente (mais ou menos como certas pessoas hoje em dia após a última eleição).

Trezentos anos se passam e uma família mexicana em Los Angeles se vê enfrentando o espírito possessivo da Chorona que quer ficar com suas crianças para repor a prole. Engana-se, no entanto, quem pensa que a fantasma ataca de uma vez e pronto… ela vai aos poucos deixando sua marca para só depois de uns dias sacrificar os pequenos. Por qual motivo? Nunca saberemos…

Assim como acontece em vários filmes ruins, a personagem tenta alertar do ocorrido, mas ninguém acredita nela e nem na lenda. E por conta das ausências de seus filhos na escola, a mãe é denunciada ao Conselho Tutelar. É neste momento que somos apresentados ao núcleo central do filme em que uma assistente social viúva de dois filhos passa a herdar a ameaça do fantasma latino.

Em meio ao ceticismo do caso anterior mas sendo testemunha ocular de fatos inexplicáveis, a mãe de família branca recorre à Igreja Católica, onde o padre que prontamente sabe de tudo indica a ajuda de um “curandeiro” que estava benzendo pessoas em um funeral. O “curandeiro”, claro, é um mexicano. Mas não basta ele conhecer a fundo as lendas do seu país, ele ainda é um ex-padre que basicamente age como exorcista nas horas vagas.
Esqueça “Superação“! O verdadeiro “Milagre da Fé” está aqui.

Isso tudo acontece em meia hora. Tempo suficiente para me sentir entediado e torcer para que os 60 minutos restantes passem rápido. Infelizmente não passaram. Serviram apenas para repetir clichês e cenas que poderiam estar em qualquer outra produção do horror mainstream nos últimos dez anos. E pra quem tem esperanças de ter bons sustos no cinema, saiba que até essa pegadinha do SBT é mais apavorante.

Escala de tocância de terror:

Título original: The Curse of La Llorona
Diretor: Michael Chaves
Roteiro: Mikki Daughtry e Tobias Iaconis
Elenco: Linda Cardellini, Raymond Cruz, Patricia Velasquez
País de origem: EUA

P.S.: Por ter produção de James Wan, “A Maldição da Chorona” ainda recebeu a participação especial de um personagem de seu “universo”. Arrisca advinhar quem seria?

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Stuart Marcelo

    17 de abril de 2019 a 10:27

    Hhahahuahuahahahauh nos últimos 2 anos venho compilando uma lista de 100 filmes ruins (mas que são extremamente divertidos). Em geral entra produções toscas dos anos 80, mas volta e meia arrisco uma nova, como Deuses do Egito (2017), que é tão tosco que me diverti pra caralho.
    Vai que a chorona entra pra lista?

  2. Israel Maciel

    22 de abril de 2019 a 23:11

    Minha expectativa era bem baixa, fui mais pela referência ao episódio de “Chaves” q por qq coisa, por isso não me decepcionei, só esperei acabar e aproveitei a gritaria e as tentativas excessivas de jump scares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: What We Do in the Shadows (2019)

Publicados

em

What We Do in the Shadows

Na próxima quinta (15 de abril), estreia no canal FX dos EUA a segunda temporada de What We Do in the Shadows, série baseada no filme de mesmo nome lançado em 2014. Aqui no Brasil, sua primeira temporada foi exibida no ano passado pela Fox Premium. Vamos aproveitar então o retorno do programa lá fora para tecer algumas linhas sobre a atração.

Se você assistiu ao filme, fique sabendo que a mecânica é a mesma do longa. Uma equipe de filmagem que nunca aparece acompanha a rotina de três vampiros centenários que vivem na mesma casa e tentam se adequar ao mundo moderno. A principal mudança em relação à obra original é que a história se passa nos EUA, mais precisamente em Staten Island, Nova York.

O elenco também é outro Com a adição de uma personagem feminina, Nadja (Natasia Demetriou), e do lacaio Guillermo (Harvey Guillén), o trio de vampiros se completa com Nandor (Kayvan Novak) e Laszlo (Matt Berry). Há ainda um personagem recorrente, Colin Robinson (Mark Proksch), um humano que se apresenta como “vampiro de energia” e que se alimenta da força vital das pessoas, deixando-as entediadas.

A vida deles segue tranquila, até que eles são obrigados a receber como hóspede o barão Afanas (Doug Jones coberto de maquiagem, para variar), um vampiro milenar que vem da Europa e sonha em conquistar a América. Apesar desse ponto de partida, o enredo não se apega muito a ele. Como seriado, What We Do in the Shadows é basicamente uma sitcom, na qual o roteiro tenta brincar com os clichês da mitologia e da cultura pop.

No filme isso deu muito certo, mas ao longo de 10 capítulos, a série não se sustenta. Há momentos brilhantes, mas eles são raridades. Destaque para os episódios The Trial, com a participação de vários atores que interpretaram vampiros no cinema (como Wesley Snipes e Danny Trejo), e The Orgy, no qual, como o próprio nome diz, uma orgia vampírica é organizada, sem muito sucesso.

Porém, a impressão que fica é que assistir What We Do in the Shadows é um grande esforço para poucas risadas, mesmo que seus capítulos tenham apenas 30 minutos em média. Uma pena, pois o elenco todo é muito bom. Esperamos que nessa segunda temporada, os roteiristas estejam mais inspirados.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jemaine Clement e Taika Waititi
Roteiro: Jemaine Clement e Taika Waititi
Elenco: Kayvan Novak, Matt Berry e Natasia Demetriou
Origem: EUA

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Trending