conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Medo Profundo – O Segundo Ataque (2019)

Publicados

em

Medo Profundo

Aquilo que vem do fundo dos mares e dos rios sempre causou fascínio e medo no público. Os produtores de cinema sabendo disso lotaram salas de exibição e locadoras com obras ameaçadoras com criaturas das profundezas. Com o sucesso esmagador de Tubarão (1975), vieram incontáveis versões e variações do tema. Nos últimos anos, esse tipo de filme estava meio esquecido, mas com o sucesso de MegaTubarão (2018) e o primeiro Medo Profundo (2017) parece que o interesse dos produtores voltou, dando até sequência a este último citado.

A trama de “Medo Profundo 2” acompanha um grupo de amigas teens que mora num paraíso litorâneo no México e que resolve desobedecer seus pais partindo em segredo para uma aventura. As garotas mergulham para ver templos submersos de uma civilização antiga, mas para infelicidade delas, não estarão sozinhas. Tubarões brancos no local se adaptaram a escuridão e agora presas num labirinto de horror, elas terão de enfrentar as feras e encontrar uma saída se quiserem viver. Eu queria muito, muito ter gostado desse filme.

Amo filmes de tubarão e gostei muito do original, mas esse aqui é o típico exemplo da sequência mal planejada. Não sabendo como conduzir a história, o diretor e roteirista se rendem aos clichês e à megalomania. Tudo aqui é bem mais exagerado e os tubarões deixam de ser animais para se tornar monstros. As personagens encarnam o clichê máximo deste tipo de produção – vão desde a piriguete até a mocinha tímida e vitima de bullying. E ficam nisso… Não existe desenvolvimento e nem empatia para que a gente torça por elas. As atrizes também não ajudam e parecem que foram escolhidas pelo fato de algumas serem filhas de Jamie Foxx e Silvester Stallone.

O cenário do templo foi mega desperdiçado. Seus corredores escuros com visual macabro são pouco explorados, já que o foco é o jumpscare safado e não a construção de tensão. Os vilões parecem ter ciência do que acontece e parecem adorar dar sustos nas mocinhas. Assim o filme vai se arrastando até que a projeção esteja no meio e os ataques mortais comecem.

Esses ataques são recriações das mortes que acontecem em Do Fundo do Mar (1999), chegando até a ter um discurso motivacional a la Samuel L. Jackson, que aqui ganha as formas de John Cobbert numa rápida participação. Os efeitos também não são lá essas coisas e teve momentos que pensei estar vendo um filme do canal SyFy.

A coisa mais assustadora em “Medo Profundo – O Segundo Ataque” é saber que o diretor e roteirista do original fez essa sequência sem mostrar um terço do vigor exibido anteriormente. Com certeza ele só topou pela grana entregando qualquer coisa como produto final. E eu ter criticado tanto assim faz parecer que o filme é uma bomba… na verdade ele meio que é, mas também é perfeitamente assistível se baixar suas expectativas. A maior decepção mesmo vem do fato do primeiro ser tão bom e essa sequência não ser mais que um horror teen mequetrefe.

Escala de tocância de terror:

Direção: Johannes Roberts
Roteiro: Ernest Riera e Johannes Roberts
Elenco: Sophie Nélisse, Corinne Foxx, Sistine Rose Stalonne e outros
Ano de lançamento: 2019

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

"Nós deixamos de procurar os monstros embaixo de nossas camas, quando percebemos que eles estão dentro de nós"

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: #Alive (2020)

Publicados

em

Alive

O cinema sul coreano ganhou uma visibilidade incrivel nos últimos anos e hoje não é tão raro ver obras vindas de lá aportarem no cinema. Mas é claro que com a pandemia as coisas foram freadas e alguns filmes estão ganhando destaque via streaming. Este é o caso de #Alive, filme que estreou em seu país na reabertura dos cinemas com bastante êxito e está sendo distribuído mundialmente pela Netflix.

A trama acompanha um jovem rapaz, que sozinho no apartamento da família, tenta sobreviver a uma epidemia mortal que transforma os cidadãos em zumbis sedentos por carne humana. No passar de vários dias, com comida e água acabando e ataques cada vez piores das criaturas, o rapaz coloca em cheque a promessa que fez ao pai de sobreviver. E aos trancos e barrancos ele tentará cumprir o que foi pedido.

#Alive é um bom filme de zumbis que não coloca nada de novo na mesa, mas traz o básico que, em sua maior parte, é competente. O longa não enrola e logo nos primeiros minutos a confusão e o caos predominam. A primeira parte é a melhor, se passando em praticamente um único cenário, mostrando bem a sensação de solidão e medo do personagem com cenas de ação pontuais e mais comedidas. Vale comentar a ótima maquiagem dos monstros que lembram o conterrâneo “Invasão Zumbi” (Train to Busan).

Outra semelhança com o longa de zumbis mais famoso é a ambientação minimalista e o país. Sinceramente, essa sim deveria ser a sequência real dele, pois mesmo não sendo perfeita, se mostra bem superior à continuação oficial, chamanda “Península”.

Os problemas de #Alive vêm à tona em sua segunda metade, onde as sequências de ação se tornam inverossímeis demais (até para um filme de zumbis)… Meio que a produção se rende ao espetáculo ocidental apresentando exageros que tiram a atenção diversas vezes. O clímax acaba sendo forçado e emotivo demais querendo a todo custo arrancar lágrimas do público.

Concluindo… #Alive não é um divisor de águas do gênero, mas é divertido e tenso na maior parte de sua duração. Vale gastar o tempo assistindo as desventuras do protagonista e sua busca pela sobrevivência.

Escala de tocância de terror:

Título original: #Saraitda
Diretor: II Cho
Roteiro: II Cho,Matt Naylor
Elenco: Ah-in Yoo, Shin-Hye Park,Bae-soo Jeon e outros
País de origem: Coreia do Sul

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Dominação (2017)

Publicados

em

Dominação

[Por Felipe Macedo]

Estrelado por Aaron Eckhart e produzido por Jason Blum, “Dominação” (Incarnate) mais uma vez mostra a história de um jovem possuído por um demônio poderoso. Nosso herói aqui luta para derrotar o grande mal e salvar o dia. No entanto, o longa tenta vir com uma promessa de abordar o tema de uma forma diferente do que foi mostrado até hoje. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending