conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Incidente em Ghostland (2018)

Publicados

em

Ghostland

[Por Geraldo de Fraga]

Lá em 2008, Pascal Laugier escreveu e dirigiu Martyrs, um dos destaques do New French Extremity, movimento composto por filmes transgressivos de diretores franceses na virada do século XXI. Dez anos depois, Pascal revisita suas raízes, reverenciando suas referências e, mais uma vez, investindo na violência.

Em Ghostland, Pauline e suas duas filhas adolescentes herdam uma antiga casa no meio do nada e se mudam para o local. Beth, a mais velha, é uma jovem tímida e fã de histórias de terror, inclusive sonha em ser escritora do gênero. Vera faz o tipo rebelde e não está satisfeita em trocar de cidade. Ambas vivem brigando.

Na primeira noite no novo lar, a família é atacada por dois psicopatas, mas sobrevivem. Após esse incidente, o roteiro dá um salto temporal para mostrar Beth já adulta curtindo o estrelato como uma autora de sucesso, porém ainda traumatizada com seu passado. Muito pior está Vera, que segue vivendo com a mãe na velha casa e sofre de danos psicológicos irreversíveis.

Após uma ligação desesperada da irmã, Beth resolve visitar a família para ver como as coisas estão. Lá, ela descobre que as loucuras de Vera talvez não sejam só coisas da cabeça dela. Muito clichê? Sim, mas é de propósito. O roteiro vai subverter os lugares comuns (ou pelo menos tentar).

O que pode ser dito primeiramente, sem dar spoiler, é que Pascal Laugier não perde a mão quando quer aterrorizar. A caracterização dos vilões é muito estereotipada (falaremos disso a seguir), mas a forma como eles são enquadrados, sem mostrar muito, escondendo detalhes dos seus corpos nas sombras, juntos aos seus movimentos rápidos, é um acerto para deixá-los mais assustadores. A direção de arte também ajuda. A casa caindo aos pedaços, cheia de detalhes esquisitos e bonecos sinistros é um elemento fundamental da trama.

Porém, nem sempre Ghostland acerta em encaixar as homenagens/referências. A influência de Lovecraft tão alardeada ao longo do filme é bem superficial e parece deslocada. Tem também um quê ou outro de O Massacre da Serra Elétrica e lembranças a Stephen King, mas nada que o fã do gênero considere um easter egg. Nesse quesito, Laugier parece ainda ser um iniciante e escorrega nas escolhas.

A subversão dos clichês citada anteriormente também não é essa maravilha toda. Há uma reviravolta para desfazer a trivialidade do início, mas isso não quer dizer que o roteiro se desgarra de coisas óbvias. O maior problema são os vilões padrões (problemas mentais e transexualidade), já tão explorados e que hoje exaltam o preconceito presente em várias produções do gênero ao longo dos anos.

Ghostland funciona muito mais como um revival do New French Extremity, com sua fotografia suja e clima tenso durante quase todo o filme. Se você perdoar os vacilos, terá 1h30 de boa diversão.

Escala de tocância de terror:

Direção: Pascal Laugier
Roteiro: Pascal Laugier
Elenco: Emilia Jones, Taylor Hickson e Crystal Reed
Origem: Canadá/França
Ano de lançamento: 2018

Continue lendo
1 comentário

1 comentário

  1. Ariel Bruno

    1 de julho de 2018 a 14:13

    Achava que fosse só mais um filme americano repetitivo só pelo pôster.
    Vou assistir então.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: What We Do in the Shadows (2019)

Publicados

em

What We Do in the Shadows

Na próxima quinta (15 de abril), estreia no canal FX dos EUA a segunda temporada de What We Do in the Shadows, série baseada no filme de mesmo nome lançado em 2014. Aqui no Brasil, sua primeira temporada foi exibida no ano passado pela Fox Premium. Vamos aproveitar então o retorno do programa lá fora para tecer algumas linhas sobre a atração.

Se você assistiu ao filme, fique sabendo que a mecânica é a mesma do longa. Uma equipe de filmagem que nunca aparece acompanha a rotina de três vampiros centenários que vivem na mesma casa e tentam se adequar ao mundo moderno. A principal mudança em relação à obra original é que a história se passa nos EUA, mais precisamente em Staten Island, Nova York.

O elenco também é outro Com a adição de uma personagem feminina, Nadja (Natasia Demetriou), e do lacaio Guillermo (Harvey Guillén), o trio de vampiros se completa com Nandor (Kayvan Novak) e Laszlo (Matt Berry). Há ainda um personagem recorrente, Colin Robinson (Mark Proksch), um humano que se apresenta como “vampiro de energia” e que se alimenta da força vital das pessoas, deixando-as entediadas.

A vida deles segue tranquila, até que eles são obrigados a receber como hóspede o barão Afanas (Doug Jones coberto de maquiagem, para variar), um vampiro milenar que vem da Europa e sonha em conquistar a América. Apesar desse ponto de partida, o enredo não se apega muito a ele. Como seriado, What We Do in the Shadows é basicamente uma sitcom, na qual o roteiro tenta brincar com os clichês da mitologia e da cultura pop.

No filme isso deu muito certo, mas ao longo de 10 capítulos, a série não se sustenta. Há momentos brilhantes, mas eles são raridades. Destaque para os episódios The Trial, com a participação de vários atores que interpretaram vampiros no cinema (como Wesley Snipes e Danny Trejo), e The Orgy, no qual, como o próprio nome diz, uma orgia vampírica é organizada, sem muito sucesso.

Porém, a impressão que fica é que assistir What We Do in the Shadows é um grande esforço para poucas risadas, mesmo que seus capítulos tenham apenas 30 minutos em média. Uma pena, pois o elenco todo é muito bom. Esperamos que nessa segunda temporada, os roteiristas estejam mais inspirados.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jemaine Clement e Taika Waititi
Roteiro: Jemaine Clement e Taika Waititi
Elenco: Kayvan Novak, Matt Berry e Natasia Demetriou
Origem: EUA

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Trending