conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Incidente em Ghostland (2018)

Publicados

em

Ghostland

[Por Geraldo de Fraga]

Lá em 2008, Pascal Laugier escreveu e dirigiu Martyrs, um dos destaques do New French Extremity, movimento composto por filmes transgressivos de diretores franceses na virada do século XXI. Dez anos depois, Pascal revisita suas raízes, reverenciando suas referências e, mais uma vez, investindo na violência.

Em Ghostland, Pauline e suas duas filhas adolescentes herdam uma antiga casa no meio do nada e se mudam para o local. Beth, a mais velha, é uma jovem tímida e fã de histórias de terror, inclusive sonha em ser escritora do gênero. Vera faz o tipo rebelde e não está satisfeita em trocar de cidade. Ambas vivem brigando.

Na primeira noite no novo lar, a família é atacada por dois psicopatas, mas sobrevivem. Após esse incidente, o roteiro dá um salto temporal para mostrar Beth já adulta curtindo o estrelato como uma autora de sucesso, porém ainda traumatizada com seu passado. Muito pior está Vera, que segue vivendo com a mãe na velha casa e sofre de danos psicológicos irreversíveis.

Após uma ligação desesperada da irmã, Beth resolve visitar a família para ver como as coisas estão. Lá, ela descobre que as loucuras de Vera talvez não sejam só coisas da cabeça dela. Muito clichê? Sim, mas é de propósito. O roteiro vai subverter os lugares comuns (ou pelo menos tentar).

O que pode ser dito primeiramente, sem dar spoiler, é que Pascal Laugier não perde a mão quando quer aterrorizar. A caracterização dos vilões é muito estereotipada (falaremos disso a seguir), mas a forma como eles são enquadrados, sem mostrar muito, escondendo detalhes dos seus corpos nas sombras, juntos aos seus movimentos rápidos, é um acerto para deixá-los mais assustadores. A direção de arte também ajuda. A casa caindo aos pedaços, cheia de detalhes esquisitos e bonecos sinistros é um elemento fundamental da trama.

Porém, nem sempre Ghostland acerta em encaixar as homenagens/referências. A influência de Lovecraft tão alardeada ao longo do filme é bem superficial e parece deslocada. Tem também um quê ou outro de O Massacre da Serra Elétrica e lembranças a Stephen King, mas nada que o fã do gênero considere um easter egg. Nesse quesito, Laugier parece ainda ser um iniciante e escorrega nas escolhas.

A subversão dos clichês citada anteriormente também não é essa maravilha toda. Há uma reviravolta para desfazer a trivialidade do início, mas isso não quer dizer que o roteiro se desgarra de coisas óbvias. O maior problema são os vilões padrões (problemas mentais e transexualidade), já tão explorados e que hoje exaltam o preconceito presente em várias produções do gênero ao longo dos anos.

Ghostland funciona muito mais como um revival do New French Extremity, com sua fotografia suja e clima tenso durante quase todo o filme. Se você perdoar os vacilos, terá 1h30 de boa diversão.

Escala de tocância de terror:

Direção: Pascal Laugier
Roteiro: Pascal Laugier
Elenco: Emilia Jones, Taylor Hickson e Crystal Reed
Origem: Canadá/França
Ano de lançamento: 2018

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo
1 comentário

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: A Lenda de Candyman (2021)

Publicados

em

A Lenda de Candyman

Bem sabemos que “O Mistério de Candyman” (Candyman, 1992) carrega o título de ser um dos melhores filmes de terror dos anos 90. E mesmo tendo ganho sequências bem inferiores, o personagem ganhou fama e força na cultura pop por conta da presença de Tony Todd que deu forma a esse icônico vilão.

Os anos passaram e agora o cineasta oscarizado Jordan Peele resolveu produz e construir de forma conjunta um roteiro que se baseia na mitologia do filme original. Basicamente como aconteceu com o novo Halloween que é uma sequência/reboot que ignora continuações que vieram depois do primeiro da série.

Em “A Lenda de Candyman” (Candyman, 2021), agora temos a história de um jovem artista em busca de inspiração. Morando em Chicago em uma região vítima de especulação imobiliária e gentrificação, Anthony McCoy (Yahya Abdul-Mateen II) acaba esbarrando na lenda de Candyman e fascinado pelo personagem, quanto mais ele se aprofunda nessa pesquisa, mais mortes vão surgindo e uma espiral de loucura e caos se instala. E a partir da chegada do vilão ao ter seu nome pronunciado 5x na frente do espelho, nada mais será igual para a vida das pessoas em Cabrini-Green.

Mas vamos lá… É bom deixar claro que mesmo que não tenha dirigido o longa, “A Lenda de Candyman” tem todas as características das produções de Jordan Peele. E isso não é ruim, pelo contrário. Mas a pergunta que fica é: a diretora Nia da Costa soube sair da tutela do produtor e teve a liberdade de fato para colocar sua visão da lenda?

Temos aqui uma direção competente que sabe criar cenas visualmente bonitas, inclusive nos momentos de assassinato e mortes grotescas. A direção de atores é competente e todos estão bem em seus papeis. É violento em uma dose aceitável, embora o fã de horror sempre espere algo mais.

Ainda assim, o maior problema do longa é que ele se esquece do terror. Não há tensão nas cenas ou uma sensação de medo… e somado a um roteiro que não deixa claro pra onde a história vai, acabei me decepcionando um pouco porque afinal de contas, também esperava mais.

O filme é ruim? De forma nenhuma. Os temas sociais abordados e questões sempre presentes na obra de Peele são poderosas e necessárias o suficiente para dar um rumo nessa história. E apesar de parecer de longe algo panfletário, o filme não se resume a “propaganda politica” como algumas pessoas vêm dizendo para desmerecê-lo.

A Lenda de Candyman” é um bom filme sim. O fã do antigo “Candyman” vai gostar de certos momentos com as citações à obra respeitando bastante o material original. Inclusive algo bacana foi recontar os eventos do primeiro filme através de um teatro de sombras, dando um tom mais lúdico a algo tão pesado.

Vale também ficar atento aos créditos finais onde mais informações são mostradas. E para o publico de cinema de horror mainstream um aviso: Não espere jumpscares! A pegada do filme não é essa.

Escala de tocância de terror:

Título original: Candyman
Direção: Nia DaCosta
Roteiro: Nia DaCosta, Jordan Peele e Win Rosenfeld
Elenco: Yayha Abdul-Mateen II, Teyonah Parris, Colman Domingo e outros
País de origem: EUA

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Maligno (2021)

Publicados

em

Eis que o tão esperado novo filme de terror do James Wan estreou e já dá pra adiantar aqui que MALIGNO (Malignant, 2021) vem pra dar o que falar. Antes de qualquer coisa, é preciso lembrar que com JOGOS MORTAIS (Saw, 2004) e INVOCAÇÃO DO MAL (The Conjuring, 2013), o cineasta malaio deu uma chacoalhada na indústria do terror mainstream ocidental, pois ambos os filmes ditaram tendências e viraram grandes franquias. Depois de se aventurar por outros estilos, agora em 2021, este seria uma revisitada ao gênero que o revelou para o mundo, mas que para este que vos escreve, apesar de gostar de alguns filmes do diretor, o filme não agradou não.

Bom… vamos lá! Na trama, tentando ser o menos expositivo possível, acompanhamos Madison (Annabelle Wallis), uma moça que sofre agressões por parte do marido, após sobreviver a uma invasão domiciliar no qual seu parceiro abusivo acaba morto, passa a ser assombrada pelas visões dos assassinatos de um serial killer que tá tocando o terror na cidade. Para entender o que está acontecendo, ela segue atrás de respostas contando com a ajuda da sua irmã e de uma dupla de detetives da polícia local.

Entrar em detalhes da trama de MALIGNO seria estragar a surpresa. Porém dá pra pontuar que se trata de um filme desmantelado que se joga no “massa véio!” onde, no máximo, funciona estéticamente em momentos pontuais por conta da produção de estúdio grande e das habilidades incontestáveis de James Wan na direção. Mas o lance é que temos aqui uma mistura de sub gêneros dos quais nenhum é bem trabalho de fato. Até a premissa, que poderia render algo interessantíssimo, é desenvolvida a partir de um roteiro porcamente escrito à três mãos, cheio de situações bregas e com soluções fáceis que beiram o ridículo.

Isso sem contar o elenco fraco que nos confere personagens mal desenvolvidos e sem carisma, salvando-se apenas a ranzinza – e com razão! – detetive Moss (Michole Briana White) por entregar as melhores falas do longa. Porém, tem duas coisas aqui que devem ser reconhecidas como muito positivas: o conceito cabuloso do serial killer pela ousadia e a sacadinha do título.

Como não seria diferente das demais produções de terror atuais destinadas ao grande público, MALIGNO também se pauta em fazer várias referências. Segundo o próprio Wan, a ideia era fazer algo aos moldes do Giallo italiano, por exemplo. Mas o diretor vai além, e flerta com outros subgêneros e obras – clássicas, cult, trash, enfim – bem como a um cineasta em particular que a simples menção já seria um baita spoiler. E claro que não poderia faltar a auto-referência, visto que Wan é detentor de uma filmografia sólida e marcante.

Apesar dos pesares, é preciso pontuar que MALIGNO é dirigido por alguém que sabe filmar e que carrega suas características típicas, como as cenas nas quais os malassombros desaparecem quando a luz é acesa e sequências longas como uma em específica que é filmada de cima, mostrando que o cara sempre tenta entregar algo criativo de alguma forma.

O filme também conta com uma violência que vai escalonando, chegando a momentos bem gore com efeitos práticos bacanas, mas também temos alguns muitos defeitos em CGI que já nascem datados por serem bem meia boca. Temos até umas cenas que evocam games famosos como os de uma cidade malassombrada e de um tal homem-morcego.

No fim das contas, como se é esperado de uma produção mainstream, MALIGNO é uma produção polida, cheia de pequenas reviravoltas e que atira pra todos os lados, tentando agradar ao nicho mais especializado no gênero como um todo, ao mesmo tempo que visa cativar o público mais novo e casual. Algo que provavelmente vai conseguir, até porque estamos falando de James Wan, que é considerado por muitos, um mestre no que faz.

Escala de tocância de terror:

Título original: Malignant
Direção: James Wan
Roteiro: James Wan, Ingrid Bisu, Akela Cooper
Elenco: Annabelle Wallis, Maddie Hasson, George Young, Michole Briana White
Origem: EUA

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Invocação do Mal 3 – A Ordem do Demônio (2021)

Publicados

em

Invocação do Mal 3

O Casal Warren está de volta com mais uma aventura tenebrosa. “Invocação do Mal 3: A Ordem do Demônio” (The Conjuring: The Devil Made Me Do It) estava deixando os fãs em polvorosa na internet antes da estreia. Todos estavam especulando se esse novo capítulo do invocaverso seria o melhor de todos. A dúvida era se depois de uma espera de quase um ano de adiamentos devido a pandemia do coronavirus, valeria a pena reencontrar os queridos personagens vividos por Vera Farmiga e Patrick Wilson.

O roteiro nos leva ao início dos anos 80, onde os Warren mais uma vez acompanham o exorcismo de uma criança. Desta vez, no entanto, a possessão não termina tão bem e deixa um de seus participantes sequelados pela força maligna. Tempos depois, o rapaz possuído acaba cometendo um crime bárbaro, é preso e sua defesa nos tribunais vai alegar que o diabo foi o mandante do crime. O casal instruído por sua advogada começa a fazer uma investigação paranormal para comprovar a existência do mal. O que eles não sabiam é que algo mais sinistro estava envolvido.

Eu confesso que gosto dos filmes anteriores da franquia principal e mesmo não tendo achado essa nova parte horrenda, tenho que admitir ela é bastante problemática. O longa sofre com uma grande crise de identidade. Os produtores não sabem que caminho seguir, se vão para o lado investigativo e sutil ou se continuam como um terror blockbuster convencional. Nesse impasse, foram capazes de não conseguirem agradar nenhuma das propostas.

As cenas de jumpscares são até agora as mais cretinas que já vi nesse ano de 2021. O lado bom é que são bem menos frequentes que nos outros exemplares. A investigação é morna e lotada de conveniências de roteiro, além de não desenvolver bem o que é apresentado. Tudo é literalmente jogado na cara do público.

Por um lado, temos uma novidade nesta parte 3 de “Invocação do Mal”. Somos apresentados à primeira vilã humana da franquia. Mas ela é tão genérica em todo o conceito que mesmo se fosse mais uma assombração, isso não faria diferença. Seu visual também não fica muito longe de uma Freira Valak da vida.

O lado bom é a inegável química de seus protagonistas. Não tem como não ficar do lado deles e a maior força do longa vem daqui. As partes mais sutis conseguem passar aquele clima sinistro e arrepia muito mais do que qualquer uma assombração gritalhona. Pena que são poucos os momentos assim.

O diretor Michael Chaves de “A Maldição da Chorona” demonstra uma melhora considerável na direção, mas ainda assim parece um James Wan genérico. Falando nele, o realizador original fez falta na hora de conduzir os momentos de malassombro pipoca.

Enfim, “Invocação do Mal 3: A Ordem do Demônio” é um filme bem fraco, mas ainda assim melhor que os últimos spin-offs do invocaverso (o que sinceramente não é algo muito difícil). O fã terá de se contentar com algumas referências bem diretas a “O Exorcista”, umas cenas mais piegas que o anterior e um pouquinho só de terror.

Escala de tocância de terror:

Título original: The Conjuring – The Devil Made Me Do It
Direção: Michael Chaves
Roteiro: David Leslie Johnson-Mcgoldrick
Elenco: Vera Farmiga, Patrick Wilson, Ruairi O´Connor e outros.
Ano de lançamento: 2021

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Que tal aquela forcinha?

PicPay @tocaoterror

Publicidade

Publicidade

Trending