conecte-se conosco

Resenhas

SÉRIE: Slasher – S03 – Solstício (2019)

Publicados

em

Slasher

[Por Felipe Macedo]

Depois de um hiato de dois anos, a série de terror Slasher retorna para mais uma temporada na Netflix. Mais uma vez, a produção promete emoções e diversão para quem adora uma história envolvendo um assassino mascarado. Se na segunda temporada tivemos situações que ocorreram em um ambiente isolado e frio, esta aqui tenta dar um tempero a mais numa história de assassinatos com um rol bem diversificado de personagens.

A trama se passa num conjunto habitacional de uma cidade onde um ano atrás ocorreu um chocante assassinato. A vítima era bissexual assumido, bastante libertino e sua morte veio após as festividades do solstício de verão promovida entre os residente deste condomínio. Seria um caso de vingança? LGBTfobia? O que interessa é que doze meses depois, a mesma figura mascarada chamada de Druida retorna ao local para exterminar todos os moradores que foram testemunhas do homicídio. O novo vilão os caça e mata de maneira criativa e violenta, mas quem será que está por trás da máscara?

O estilo de Slasher é bastante familiar aos fãs do gênero e segue adaptando a cartilha de histórias de assassinos em série para os dias atuais, mostrando os perigos do mau uso da tecnologias, a constante falta de empatia pelo próximo e o preconceito pelas diferenças que vem sempre disfarçada de opinião.

A primeira impressão é que com esse material e com o formato episódico, esses temas podem ser melhor desenvolvidos a cada flashback focado nos diferentes personagens: um supremacista branco, um casal gay, um casal de lésbicas, uma blogueira sensacionalista, um hipster, uma nerd e até uma família de origem árabe. O desenvolvimento da maioria dos personagens, no entanto, ficam no meio do caminho. As atuações são bem medianas, algumas vezes se rendendo ao exagero sem chegar a atrapalhar o resultado final.

A direção vai para um lugar seguro, investindo em jump scares e nos climas do slashers atuais como Halloween (2018), utilizando-se de vários clichês desse subgênero. A série prefere apostar mais nas mortes chocantes (bem mais impactantes do que muito filme gore) e no desenrolar das investigações policiais. As cenas de assassinatos são a cereja do bolo. A câmera não deixa de mostrar as mortes bastante grotescas e exageradas sem desviar o foco. Ponto para a equipe de efeitos de maquiagem e direção de arte com vísceras, rostos deformados e muito sangue jorrando.

Vocês devem saber que adoro slashers, mas fica aqui a crítica de que esta temporada poderia ser mais elaborada. A série diverte bastante, mas fica aquele gostinho do que poderia ter sido se fosse mais polida.

Escala de tocância de terror:

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

"Nós deixamos de procurar os monstros embaixo de nossas camas, quando percebemos que eles estão dentro de nós"

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Felippe Martins

    20 de junho de 2019 a 19:52

    Eu acho legal nessa série eles utilizarem os atores das outras temporadas em outros papéis. A gente fica naquele “metajogo” de tentar descobrir qual ator das temporadas passadas vai sobreviver nessa. Aconteceu o mesmo na temporada passada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: Reality Z (2020)

Publicados

em

Reality Z

Apesar do enorme sucesso que fez a última edição do Big Brother, a impressão é que Reality Z, produção brasileira da Netflix que parodia o programa, chegou atrasada. Principalmente pelo fato de ela ser remake de uma minisérie inglesa de 2008: Dead Set. Naquela época, os zumbis estavam na crista da onda, mas hoje em dia, até sucessos como The Walking Dead lutam para se manter de pé.

Em Reality Z, temos uma atração de TV no mesmo formato do BBB que toma conta da vida dos brasileiros, sobretudo nas redes sociais. Enquanto o povo se diverte com as confusões que culminam nas eliminações dos participantes, o apocalipse zumbi explode no Rio de Janeiro. Não demora para que os mortos vivos cheguem ao estúdio e virem uma ameaça para os confinados.

O roteiro alterna entre duas tramas, uma fora e outra dentro das dependências do programa para que em um determinado momento todos os personagens se encontrem no ambiente de confinamento. Curiosamente, cada uma tem um tom diferente. Na emissora, o clima é de comédia, brincando com os clichês do Big Brother, como brigas entre os confinados, e criticando os executivos e TV que buscam audiência a qualquer custo.

Do lado fora, o drama toma conta. Enquanto fogem dos zumbis, mãe e filho se encontram com políticos e policiais corruptos, em meio a um Rio de Janeiro destruído. Mesmo com personagens caricatos demais, é interessante ver alguns debates atuais no Brasil inseridos em um contexto apocalíptico, já que vemos sempre isso em produções estrangeiras.

Na parte técnica, Reality Z faz o ‘feijão com arroz’ suficiente para dar consistência aos seus mortos vivos corredores. Mesmo com uma escorregada aqui e ali, as atuações são satisfatórias e o roteiro flui. Mas, como foi dito anteriormente, a série parece deslocada no tempo, depois de tanta coisa já feita no gênero.

Será que um fã de horror, que já viu e reviu a obra de George A. Romero, ainda aguenta assistir a mais um ‘fim do mundo’? Provavelmente não. Mas se a bagagem cultural do espectador não for tanta e se ele tiver boa vontade sobrando para dar chance a uma produção nacional, Reality Z é totalmente feita para esse público. E dá pro gasto.

Escala de tocância de terror:

Direção: Cláudio Torres e Rodrigo Monte
Roteiro: Cláudio Torres e Rodrigo Monte
Elenco: Sabrina Sato, Ana Hartmann, Ravel Andrade e Luellem de Castro
Origem: Brasil

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Doutor Sono (2019)

Publicados

em

Doutor Sono

[Por Osvaldo Neto]

As adaptações das obras de Stephen King, um escritor que goza de imensa popularidade internacional, são quase que um subgênero do horror no cinema e TV. Desde que Brian De Palma fez CARRIE – A ESTRANHA que filmes e séries baseados e/ou inspirados pelo autor são produzidos em escala massiva e geram bastante expectativa para quem acompanha o gênero. Chegando às salas comerciais pouco após IT – CAPÍTULO 2, DOUTOR SONO é a segunda grande produção da Warner Bros com a grife S. K. lançada em 2019 com estreia nacional nesta semana.

(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: A Torre Negra (2017)

Publicados

em

A Torre Negra

[Por Felipe Macedo]

Stephen King é um dos dos autores mais adaptados do cinema e em meio a tantos filmes, a maioria é de qualidade duvidosa. Poucos são os que merecem ser dignos de menção. O novo longa baseado em sua obra é inspirado na série de livros A Torre Negra e que de acordo com o próprio King bebe da fonte de Tolkien na construção do universo e criaturas fantásticas. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending