conecte-se conosco

Resenhas

SÉRIE: Slasher – S03 – Solstício (2019)

Publicados

em

Slasher

[Por Felipe Macedo]

Depois de um hiato de dois anos, a série de terror Slasher retorna para mais uma temporada na Netflix. Mais uma vez, a produção promete emoções e diversão para quem adora uma história envolvendo um assassino mascarado. Se na segunda temporada tivemos situações que ocorreram em um ambiente isolado e frio, esta aqui tenta dar um tempero a mais numa história de assassinatos com um rol bem diversificado de personagens.

A trama se passa num conjunto habitacional de uma cidade onde um ano atrás ocorreu um chocante assassinato. A vítima era bissexual assumido, bastante libertino e sua morte veio após as festividades do solstício de verão promovida entre os residente deste condomínio. Seria um caso de vingança? LGBTfobia? O que interessa é que doze meses depois, a mesma figura mascarada chamada de Druida retorna ao local para exterminar todos os moradores que foram testemunhas do homicídio. O novo vilão os caça e mata de maneira criativa e violenta, mas quem será que está por trás da máscara?

O estilo de Slasher é bastante familiar aos fãs do gênero e segue adaptando a cartilha de histórias de assassinos em série para os dias atuais, mostrando os perigos do mau uso da tecnologias, a constante falta de empatia pelo próximo e o preconceito pelas diferenças que vem sempre disfarçada de opinião.

A primeira impressão é que com esse material e com o formato episódico, esses temas podem ser melhor desenvolvidos a cada flashback focado nos diferentes personagens: um supremacista branco, um casal gay, um casal de lésbicas, uma blogueira sensacionalista, um hipster, uma nerd e até uma família de origem árabe. O desenvolvimento da maioria dos personagens, no entanto, ficam no meio do caminho. As atuações são bem medianas, algumas vezes se rendendo ao exagero sem chegar a atrapalhar o resultado final.

A direção vai para um lugar seguro, investindo em jump scares e nos climas do slashers atuais como Halloween (2018), utilizando-se de vários clichês desse subgênero. A série prefere apostar mais nas mortes chocantes (bem mais impactantes do que muito filme gore) e no desenrolar das investigações policiais. As cenas de assassinatos são a cereja do bolo. A câmera não deixa de mostrar as mortes bastante grotescas e exageradas sem desviar o foco. Ponto para a equipe de efeitos de maquiagem e direção de arte com vísceras, rostos deformados e muito sangue jorrando.

Vocês devem saber que adoro slashers, mas fica aqui a crítica de que esta temporada poderia ser mais elaborada. A série diverte bastante, mas fica aquele gostinho do que poderia ter sido se fosse mais polida.

Escala de tocância de terror:

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Felippe Martins

    20 de junho de 2019 a 19:52

    Eu acho legal nessa série eles utilizarem os atores das outras temporadas em outros papéis. A gente fica naquele “metajogo” de tentar descobrir qual ator das temporadas passadas vai sobreviver nessa. Aconteceu o mesmo na temporada passada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending