conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: O Bar Luva Dourada (2019)

Publicados

em

Bar Luva Dourada

[Por Frederico de Oliveira Toscano]*

O Bar Luva Dourada (Der goldene Handschuh, 2019) não é um filme de terror convencional, se é que se pode mesmo chamar de terror. Tampouco é um suspense padrão, embora trate de uma série de assassinatos cometidos na Alemanha durante a década de 1970. Não há uma investigação tensa que leva à prisão do criminoso, nem um jogo de gato e rato entre duas mentes brilhantes, ainda que em lados opostos da lei. Também não existem correrias, tiroteios, perseguições ou qualquer coisa do tipo. Talvez mais importante, as mortes não são fetichizadas, tratadas como o resultado da genialidade perversa de um louco. Há muito pouco de Hollywood e bastante de vida real aqui, e este é o trunfo maior da história.

O filme trata dos crimes reais de Fritz Honka (vivido pelo galã Jonas Dassler, de apenas 23 anos, desaparecido dentro do personagem), um homem frustrado com a própria vida e a feiura que nela enxergava, inclusive no espelho. Encurvado, estrábico, cabelos rareando, dentes tortos e podres e um nariz deformado, Honka era rejeitado até mesmo pelas mulheres que frequentavam o Luva Dourada, o tal bar do título. É lá que se reúne uma fauna de figuras patéticas não apenas da noite de Hamburgo, mas do dia também. Quando um dos personagens questiona o porquê de as cortinas estarem sempre fechadas lá, o dono do estabelecimento explica que “quando as pessoas enxergam a luz do sol, elas param de beber”.

Beber – e fumar – é o que essas almas perdidas mais fazem, de manhã até escurecer, esparramadas sobre mesas e balcões decorados por cinzeiros abarrotados. Espécie de farol para os desvalidos, o bar reúne homens e mulheres que lá permanecem por horas a fio, não por uma verdadeira afeição ao lugar e aos outros frequentadores, mas por não terem mais para onde ir. Alguns literalmente – pobres, alcóolatras, expulsos de casa pela família farta -, outros por não se encaixarem mais na vida lá fora. O Luva Dourada era ainda um ajuntamento de veteranos e vítimas da II Guerra Mundial. Gente que passou por horrores inimagináveis e perdeu a capacidade de funcionar em sociedade, buscando esquecimento no fundo da garrafa.

É aí que Honka encontra suas vítimas: mulheres idosas e desesperadas, que ele atrai ao seu apartamento imundo, com a promessa de mais álcool. Lá, são humilhadas, espancadas, ameaçadas, abusadas e, quase sempre, mortas. Esquartejadas, seus pedaços são escondidos e vão apodrecendo ao longo de anos. Os que procuram mortes ritualizadas e estilizadas vão se frustrar. Os assassinatos são menos planejados e mais espontâneos, explosões de ódio quando Honka se vê confrontado pela realidade ao seu redor, refletida nas mulheres que leva ao seu apartamento. É nelas que ele enxerga o horror de sua aparência e a decadência de sua vida. Ao matá-las, está matando a si mesmo, escolhendo vítimas que sabe que ninguém dará pela falta.

Uma subtrama envolvendo uma colegial estilo Lolita e seu amigo desengonçado não chegam a acrescentar muita coisa, e o filme está no seu melhor quando segue o protagonista, mostrando em detalhes a sua vida arruinada. As fotos exibidas nos créditos finais deixam claro o espetacular trabalho da produção ao recriar o apartamento do assassino e o bar, além da caracterização dos atores. Essa aproximação com a realidade é, talvez, o que mais incomoda no filme, no bom sentido.

Todo mundo tem um – ou mais de um – Luva Dourada em sua cidade. Talvez até já tenha frequentado ou ainda frequente. E ao fazê-lo, acaba juntando-se a esse extrato mais degradado da sociedade, que escapa pelas frestas escuras e é esquecido, até que os jornais anunciem a tragédia e o horror invada a sala de estar. Isso sim, é que é assustador.

Escala de tocância de terror:

Direção: Fatih Akin
Roteiro: Fatih Akin (baseado no livro de Heinz Strunk)
Elenco: Jonas Dassler, Margarete Tiesel e Marc Hosemann
Origem: Alemanha
Ano de lançamento: 2019

* Especial para o Toca o Terror
** Filme assistido a convite da distribuidora Imovision

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

  2. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) – Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Rabid (2019)

Publicados

em

Rabid

Quando saiu a notícia que iria rolar um remake de RABID, clássico de ninguém menos que David Cronenberg – filme que aqui no Brasil saiu com o título infame de “ENRAIVECIDA NA FÚRIA DO SEXO” – eu fiquei num misto de curiosidade e medo do que viria. Mas aí vi que essa empreitada seria realizada pelas Irmãs Soska e fiquei bem animado, pois as gêmeas diretoras tem uns filmes cabulosos no currículo.

Nesta nova versão, dirigida por Jen e Sylvia Soska, a partir do roteiro de John Serge no qual elas também assinam, acompanhamos Rose, uma design de moda que se envolve em um acidente e fica com o rosto desfigurado. Sem esperanças de recuperar a aparência e voltar ao mundo da moda, resolve se inscrever numa clínica de estética adepta de um movimento “TRANS-HU-MA-NI-SMO” que não é aceito pela comunidade médica. Como voluntária, acaba se submetendo ao procedimento milagroso que restaura toda estrutura do seu rosto. Não bastasse a aparência, a moça passa a se sentir melhor em todos os sentidos. Mas não demoram a surgir os efeitos colaterais… e eles são pra lá de sinistros.

Em nenhum momento as diretoras escondem sua admiração por Cronenberg. Há referências frequentes de sua obra durante o longa, sendo que uma em especial acaba se destacando de tão gritante que é. E é claro que o sadismo aqui impera, marca registrada das gêmeas cineastas em seus longas anteriores – vide “T IS FOR TORTURE PORN” e “AMERICAN MARY“. E assim como o diretor canadense, as irmãs também são chegadas a um body horror raiz. Aqui, usam e abusam de efeitos práticos pra nos conferir muita nojeira e bizarrice. Em uma cena vemos uma “cobra” e uma axila… e basta dizer que ela dificilmente será esquecida, por exemplo.

Apesar de seguir a mesma premissa do “RABID” original, este remake tem suas diferenças – o que já é esperado – e a mais importante é a forma com que Rose, vivida por Laura Vandervoort (Biten), é construída. Ao contrário do original, nossa protagonista não passa o filme todo assistindo impassiva às transformações que seu corpo e mente sofrem. Aqui, nossa heroína evolui dentro da trama, passando a ter domínio de suas ações, dando força e profundidade à personagem.

O ponto forte aqui tá no desenvolvimento da personagem principal, como já mencionado, e na violência extremamente gráfica toda artesanal, que garante uma seboseira danada com muito sangue em tela. Infelizmente, a maquiagem dá uns vacilos como na deformidade do rosto da protagonista, o que é bastante fake. Há umas cenas toscas aqui e ali, mas os pontos fracos mesmos estão mais em alguns personagens que poderiam simplesmente nem existir, a exemplo do boyzinho que fica enchendo o saco da moça o filme todo.

Esta nova versão de “RABID” peca por tentar acrescentar mais elementos à trama do que ele precisaria de fato, mas nada que estrague a sua experiência. No fim das contas, o remake das Irmãs Soska agrada e acaba fazendo “bonito”. Pena que esta refilmagem passou meio batida pelo público do gênero e pouco se falou a respeito. Quem ainda tá torcendo o nariz e ainda não viu, tá vacilando.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jen e Sylvia Soska
Roteiro: John Serge e Irmãs Soska
Elenco: Laura Vandervoort, Benjamin Hollingsworth, Ted Atherton
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Resenhas

DVD: Digipack “Coleção O Homem Invisível”

Publicados

em

[Por Osvaldo Neto]

A Classicline é uma distribuidora de home video especializada em cinema clássico com mais de uma década de existência e atividade. Mensalmente, temos lançamentos e relançamentos de filmes que se encontravam ausentes das lojas físicas e virtuais – sejam lançados antes por eles ou outras empresas – assim como produções esquecidas que ganham uma nova vida no mercado. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Aterrorizados (2017)

Publicados

em

Aterrorizados

[Por Geraldo de Fraga]

O cinema argentino tem se destacado há tempos, são inúmeros os exemplos de obras que fizeram sucesso. Você mesmo já deve ter assistido e gostado de algum. Porém, não havia ainda um longa do gênero horror que arrebatasse corações. Agora tem. Aterrorizados (Aterrados), escrito e dirigido por Demián Rugna, é esse exemplar que faltava. (mais…)

Continue lendo

Trending