conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: IT – Capítulo 2 (2019)

Publicados

em

It Capítulo 2

[Por Geraldo de Fraga]

It: Capítulo Dois (2019) foi pensado e executado para ser épico. O longa teve um orçamento de aproximadamente 70 milhões de dólares, quase o dobro do seu antecessor, e a campanha publicitária alardeou que, com suas 2h49, ele seria um dos filmes de terror mais longos da história. Soma-se a isso um elenco estrelado com Jessica Chastain e James McAvoy e temos o blockbuster do gênero do ano.

Essa megalomania, porém, é uma faca de dois gumes (na questão artística, não lucrativa, claro). Ao mesmo tempo em que a obra se adequa ao festival visual que vemos hoje em dia e se aproxima de filmes de super heróis e aventura, perde-se a atmosfera do horror. Tudo é muito grande, barulhento, com uma ânsia de mostrar demais, sendo que se esquece de amedrontar nos detalhes.

A história, como todo mundo sabe, se passa exatos 27 anos após o ‘clube dos perdedores’ dar uma surra no famigerado Pennywise. Naquela época, eles fizeram um juramento de retornar, caso ‘a coisa’ desse as caras de novo. Quando os ataques sobrenaturais voltam a acontecer, Mike (Isaiah Mustafa), o único que nunca deixou a cidade de Derry, convoca o resto da turma para cumprir a promessa e ajudar a deter a ameaça.

Na pressa para estabelecer esse cenário, algumas coisas são atropeladas. Se na primeira parte da história, há todo um cuidado com os personagens, ao explorar seus dramas e medos, até mesmo sem deixar de fora temas espinhosos como abuso sexual e racismo, na continuação o mais importante é ostentar os efeitos especiais.

Não sabemos direito que tipo de pessoas nossos heróis se tornaram, apenas que suas lembranças são confusas em relação ao embate com o “palhaço criatura” em Derry. Assim, pouco se cria de empatia com os protagonistas em sua fase adulta e fica até forçado o interesse em se reunir depois de tantos anos.

Cabe a Mike refazer essa conexão, trazendo os ‘perdedores’ de volta à realidade. Durante todos esses anos, ele estudou, pesquisou e ficou obcecado pela origem da entidade. Assim, o personagem serve de guia na nova jornada, além de apresentar a solução para matar de vez o Pennywise.

O roteiro aposta então em um texto que exalta memórias e recordações. E o maior reflexo disso são os flashbacks que trazem de volta o elenco infantil, em cenas feitas para exaltar a amizade e amarrar pontas soltas do passado.

Em se tratando de uma grande produção hollywoodiana, era de se esperar que It: Capítulo Dois exaltasse momentos de superação e desse ao público uma mensagem de que tudo ficaria bem. O problema é que ele se perde em vários momentos e embaralha tensão, alívio cômico e romance, deixando tudo superficial e repetitivo.

Há de se levar em conta a dificuldade de adaptar um livro tão extenso e confuso, que o próprio Stephen King já declarou ter escrito sob o efeito de álcool e outras ‘coisitas mas’. Quem leu e assistiu ao filme, disse que o resultado foi satisfatório no quesito visual e em seu desfecho. Aos fãs mais aficcionados, há ainda um vasto repertório de easter eggs para ser caçado na tela.

Surfando na onda do anterior, essa continuação fará rios de dinheiro e venderá action figures a torto e a direito, cumprindo a função pela qual foi planejado. Por outro lado, o show de pirotecnia, jump scares e criaturas descartáveis, nas suas quase 3 horas de projeção, serão pouco lembradas após a sessão degustada com um balde de pipoca gigante e um refrigerante de 1 litro.

Escala de tocância de terror:

Direção: Andy Muschietti
Roteiro: Gary Dauberman (baseado no livro de Stephen King)
Elenco: Jessica Chastain, James McAvoy, Bill Hader
Origem: EUA

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Pingback: RESENHA: Doutor Sono (2019) | Toca o Terror

  2. Pingback: DICA DA SEMANA: O Nevoeiro (2007) | Toca o Terror

  3. Pingback: DOUTOR SONO (2019) | Blog Vá e Veja, por Osvaldo Neto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Ameaça Profunda (2020)

Publicados

em

Ameaça Profunda
[Por Felipe Macedo]
Alien” (1979) foi um divisor de águas no quesito de mesclar gêneros, nesse caso, ficção e horror. Sequências foram realizadas assim como cópias com qualidades que iam do mediano ao lixo total. E agora nesse inicio de década, surge “Ameaça Profunda” (Underwater), um filme com toda pinta do primo famoso, estrelado por Kristen Stewart e coincidentemente do mesmo estúdio. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Dracula (2020)

Publicados

em


[Por Jarmeson de Lima]
Quando uma produção como “Dracula” é lançada, a nossa primeira preocupação é imaginar o quão fiel pode ser a adaptação da obra original. E no caso, estamos falando de um livro de Bram Stoker que serviu de inspiração para inúmeros filmes nos últimos 100 anos. Sendo assim, o que a dupla Mark Gatiss (Sherlock) e Stephen Moffat (Doctor Who) poderiam nos trazer de novo? Logo nos créditos, os dois deixam claro que esta minissérie da BBC e exibida na Netflix é “baseada” e não “adaptada” da obra original, o que nos faz crer que haja certas liberdades no roteiro sem a intenção de ser uma transcrição fiel da trama com o mesmo personagem que “ganhou vida” em 1897.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Trending