conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Predadores Assassinos (2019)

Publicados

em

Predadores Assassinos
[Por Osvaldo Neto]
Muitos fãs de terror estarão assistindo a PREDADORES ASSASSINOS nos cinemas no próximo final de semana. Mas nem todos nutrem a mesma expectativa quanto aqueles que tem algum conhecimento de causa a respeito do diretor Alexandre Aja.
Resumindo rapidamente: Aja tornou-se um nome a ser seguido após o lançamento de ALTA TENSÃO (Haute Tension), longa que marcou um ciclo conhecido por “New French Extremity”, pelo fato de outros filmes de terror ou ‘de arte’ franceses com conteúdo mais extremo tais como ELES (Ils), BAISE-MOI, MARTYRS e A FRONTEIRA (Frontières). Chegando aos EUA, o realizador foi contratado para realizar os remakes do clássico QUADRILHA DE SÁDICOS (The Hills Have Eyes), do coreano ESPELHO (Mirrors) e o divertidíssimo PIRANHA 3D, onde atualizou o famoso ‘jawsploitation’ dirigido por Joe Dante em 1978. E pode-se dizer que Aja teve êxito nos três projetos.

Nos últimos 5 anos, o diretor lançou dois filmes com temas sobrenaturais, mas que não seriam “de terror”: AMALDIÇOADO (Horns) e A NONA VIDA DE LOUIS DRAX (The 9th Life of Louis Drax). E agora chegou a vez de PREDADORES ASSASSINOS (Crawl), que também tem o atrativo de ter o nome de Sam Raimi como produtor através da sua Ghost House Pictures.
O novo longa de Aja tem como protagonista uma nadadora universitária chamada Haley (Kaya Scoledario) que reside na Flórida. A jovem é informada pela irmã de que um furacão de categoria 5 estaria a caminho do estado e de que o pai das duas (Barry Pepper) estava incomunicável. Preocupada, Haley se dirige à antiga casa onde sua família morava, antes do recente divórcio dos pais, para encontrar o seu pai ferido no porão da casa. Mal sabia ela que encarar a fúria das chuvas para salvar os dois não era o maior dos problemas… o pai estava naquele estado justamente pelo ataque de um grande jacaré que deu um jeito de entrar no local. E o número desses animais irá aumentar, conforme o avanço do desastre natural.

Em seus menos de 90 minutos de duração, PREDADORES ASSASSINOS agrada bastante. O filme é uma boa mistura de ‘terror de sobrevivência’ e ‘filme catástrofe’ com ótimos efeitos, atuações acima da média e cenas onde a violência gráfica é muito bem dosada por Aja. O que atrapalha um pouco nessa diversão é haver drama e mais drama familiar no meio de tudo. Algo que poderia ter sido melhor dosado na narrativa.
É certo que um filme onde pessoas são atacadas por enormes jacarés assassinos não tem qualquer necessidade de ser um primor de realismo, mas nem parece que pai e filha estão passando tanto perigo tamanha a quantidade de “DRs”. Era só colocar mais alguns personagens aparecendo só para morrer que esse probleminha estava resolvido. Mas relevando essa concessão para o grande público (afinal, família é algo universal e que gera fácil identificação), pode-se dizer que estamos diante de um terrorzão mainstream dos bons feito por um diretor que sabe construir suspense e usar os artifícios básicos dos dois gêneros que PREDADORES ASSASSINOS abraça. Vale o ingresso.

Escala de tocância de terror:

Título original: Crawl
Diretor: Alexandre Aja
Roteirista: Michael Rasmussen, Shawn Rasmussen
País de origem: EUA
Ano de lançamento: 2019

P.S.: Nos créditos finais, nota-se que o filme foi inteiramente rodado na Sérvia, com incentivos do governo para a realização de audiovisual. PREDADORES ASSASSINOS também contou com incentivo do governo da província de Ontario para serviços de produção. Enquanto isso, no Brasil…
* Filme visto na cabine de imprensa promovida pela Espaço Z

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Julieet

    30 de setembro de 2019 a 21:34

    Achei melhor que “água rasa”

  2. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Poço (2020)

Publicados

em

O Poço

Com uma produção modesta com apoio do governo espanhol e distribuição da Netflix, “O Poço” (El Hoyo) mescla mistério, drama e ficção científica numa trama que é fácil de resumir, mas difícil de explicar. Assim como obras como “Cubo” e “Demônio“, a ação deste filme se concentra em alguns poucos cenários, restando aos atores imprimir um trabalho que chama a atenção do público.

O estreante em direção de longas, Galder Gaztelu-Urrutia, apresenta aqui uma história que se passa em uma espécie de prisão vertical, em que cada andar abriga dois presos. A plataforma não possui grades ou janelas… apenas as paredes, camas e um buraco no chão e no teto que é por onde uma vez por dia desce uma grande mesa de comida.

E é através do comportamento dos presos frente às refeições que são destrinchadas analogias sociais de opressão, solidariedade e das relações de poder que vão de cima para baixo literalmente. Quem tem sorte de ficar nos níveis superiores tem a chance de comer as refeições com os pratos ainda intactos e limpinhos. Já quem está mais abaixo vai tendo que se contentar com o que vai sobrando sem que nehum dos confinados tenha a preocupação de deixar algo para quem vai se alimentar depois. 

Nesta situação de isolamento dividida em um lugar onde você não queria estar e com quem você não queria conviver, o lado obscuro de cada um se revela e podemos esperar o pior na medida em que vemos o que acontece nos níveis inferiores do Poço. Podia ser só um filme tipo crítica social ao sistema carcerário, mas ele abrange uma metáfora maior sobre nossa presença no mundo e nossa responsabilidade diante da escassez e desperdício de alimentos.

Apesar de ter um ritmo mais reflexivo, “O Poço” sempre guarda cenas impactantes (e com boa dose de gore) no desdobramento de sua história garantindo uma certa fluidez pra quem assiste. Obras assim que oferecem algo a mais do que aparentam estão em falta no cardápio da Netflix, mas são sempre bem vindas.

Escala de tocância de terror:

Título original: El Hoyo
Diretor: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteirista: David Desola
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Eguileor, Antonia San Juan
País de origem: Espanha

Continue lendo

Trending