conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Os 3 Infernais (2019)

Publicados

em

Os 3 Infernais
[Por Geraldo de Fraga]
Rob Zombie confia demais no carisma dos seus personagens. Ele já deve ter ouvido muito por aí que seu filme mais elogiado pelo público é Rejeitados pelo Diabo (2005). E isso provavelmente fez com que o rockeiro diretor se animasse para voltar a esse universo em mais uma empreitada cinematográfica, agora fechando a trilogia começada em A Casa dos 1000 Corpos (2003).

Em Os 3 Infernais (2019), Baby (Sheri Moon Zombie), Otis Driftwood (Bill Moseley) e Captain Spaulding (Sid Haig) sobreviveram ao acidente de carro do último filme, mas foram em cana e estão no corredor da morte. Infelizmente, Sid Haig só aparece em uma cena. O ator, então com 80 anos, já estava bem doente e viria a falecer em setembro desse ano.
Neste caso, para não desfalcar o trio, entra em cena um novo membro da família: Winslow Foxworth Coltrane (Richard Brake), filho bastardo de Spaulding. É ele quem liberta Otis da prisão e os dois dão início a uma onda de assassinatos que culmina com o resgate de Baby e uma fuga para o México, onde se desenrola a maior parte da ação do filme.

Voltando a falar do carisma dos personagens, eles na verdade não têm muito. Desde a obra anterior, Zombie tenta fazer referências aos anos 70, com claras influências de O Massacre da Serra Elétrica e da família Manson, mas nada é muito marcante. Em um roteiro simples como temos aqui – uma road trip de psicopatas – é necessário que os protagonistas se destaquem.
E o trio é bem desinteressante em vários aspectos. O texto é fraco, as caras e bocas são caricatas e Sheri Moon Zombie como alívio cômico explica porque ela só consegue emprego nos filmes do marido. Tem ainda um fiapo de discurso sobre pessoas deslocadas no mundo, mas era melhor que nem tivesse. Os 3 Infernais termina parecendo uma banda de rock com um visual bad ass, mas que não toca porra nenhuma.

Escala de tocância de terror:

Direção: Rob Zombie
Roteiro: Rob Zombie
Elenco: Sheri Moon Zombie, Bill Moseley e Richard Brake
Ano de lançamento: 2019
País de origem: EUA

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Daivrod

    6 de novembro de 2019 a 11:27

    Não vi nenhum elemento do filme ser analisado e criticado, o motivo da nota baixa parece mero desgosto pessoal pela obra. 1/5 pra crítica.

  2. Jonny Garttew

    13 de novembro de 2019 a 11:56

    “Voltando a falar do carisma dos personagens, eles na verdade não têm muito. Desde a obra anterior, Zombie tenta fazer referências aos anos 70, com claras influências de O Massacre da Serra Elétrica e da família Manson, mas nada é muito marcante. Em um roteiro simples como temos aqui – uma road trip de psicopatas – é necessário que os protagonistas se destaquem.
    E o trio é bem desinteressante em vários aspectos. O texto é fraco, as caras e bocas são caricatas e Sheri Moon Zombie como alívio cômico explica porque ela só consegue emprego nos filmes do marido.”
    1- Personagens não têm muito carisma. (Na minha opinião, nenhum.)
    2- Tenta fazer referências mas não consegue.
    3- Roteiro simples quando deveria ser mais trabalhado por conta dos personagens fracos.
    4- O trio é desinteressante.
    5- As atuações são fracas.(acho a Sheri linda mas não sabe atuar)
    6- A analogia com a banda de rock.
    A trilogia é uma merda. O primeiro e o segundo assisti pulando as partes de blá blá blá para as partes com violência mas mesmo assim são muito fracas.
    Psicopata Americano é bem melhor nesse quesito (em todos os quesitos na verdade). Sabe equilibrar cômico com violência, SPOILER>>>>> aquela cena em que ele mata o personagem do Jared Leto com um machado<<<<<, fora as outras cenas muito boas.
    Assisti os 2 primeiros filmes comendo de tão fraco que é, filme de violência para crianças, sem história, sem personagens bons, nada, mais vazio que um balão estourado.
    O terceiro nem vou assistir, já sei a merda que vai ser.
    Uma dica: Vai ler mais, aprender interpretar textos. Está precisando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Farol (2019)

Publicados

em


[Por Rodrigo Rigaud]*
Após A Bruxa, difícil resistir a lançar holofotes sobre o novo longa de Robert Eggers – ainda o segundo de sua carreira. Para quem mergulhou no universo de isolamento, fanatismo, loucura e fantasia – um horror, de fato – de seu filme debut, O Farol (The Lighthouse) poderá soar como um naufrágio na potência de seu cinema. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Contato Visceral (2019)

Publicados

em

Contato Visceral

Sinceramente, alguns títulos traduzidos da Netflix atrapalham mais do que ajudam na hora de decidir o que ver. Se não fosse alguns colegas falarem bem de “Wounds“, eu jamais chegaria perto de assistir o filme que está no catálogo de streaming com o nome de “Contato Visceral“.

Dirigido por Babak Anvari, o mesmo autor de “À Sombra do Medo” (Under The Shadow), esta produção com selo Netflix vai fisgar a atenção de quem curte um horror sobrenatural perturbador.

(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Marianne (2019)

Publicados

em

marianne
[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “ Suspiria ”.

A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. A trama acompanha Emma, uma jovem escritora de bastante sucesso devido a uma série de livros onde a bruxa Marianne, literalmente toca o terror. Forçada a voltar para a cidade de Eden, uma pequena cidade costeira na França, lá ela descobre que sua personagem é real e está a procura de algo. Agora cabe a Emma e seus amigos de infância colocarem um fim no reinado de terror de Marianne.

Bem, qualquer semelhança com algumas historias de Stephen King não é mera coincidência. É notável a influência do autor em toda a história. O clima soturno e uma criatura realmente maligna norteiam a trama com alguns momentos cabulosos. Pena que isso não dure muitos episódios. Apesar de ter bastantes clichês do gênero, no começo a série me prendeu e logo em seguida me fez revirar os olhos diversas vezes. A tentativa de humor, no entanto, é totalmente descabida, sem agradar em nenhum momento gerando até irritação em uma quebra de clima.


O formato de série não ajudou no desenvolvimento dos demais personagens. Tirando Emma e Marianne, os outros são apenas estereótipos de filmes de terror. Pra piorar não são carismáticos e a medida que somem ou morrem na história, isso não acarreta peso algum. E isso é um grande problema no roteiro. A falta de consequências em situações que deveriam repercutir são esquecidas rapidamente. Num filme, isso é compreensível pela questão do tempo, mas numa série? Parece preguiça mesmo.

O número de episódios também poderia ter sido reduzido para no máximo uns seis. Tanto é que no meio da temporada temos muita encheção de linguiça. No fim, “Marianne” tem uma premissa boa, uma vilã realmente aterradora, mas os jumpscares em desmasia e a tentativa a todo custo de parecer um enlatado americano tiram muito de sua graça.

Escala de tocância de terror:

Criador: Samuel Bodin
Elenco: Victorie Du Bois, Lucie Boujenah, Alban Lenoir e outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Trending