conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Doutor Sono (2019)

Publicados

em

Doutor Sono

[Por Osvaldo Neto]

As adaptações das obras de Stephen King, um escritor que goza de imensa popularidade internacional, são quase que um subgênero do horror no cinema e TV. Desde que Brian De Palma fez CARRIE – A ESTRANHA que filmes e séries baseados e/ou inspirados pelo autor são produzidos em escala massiva e geram bastante expectativa para quem acompanha o gênero. Chegando às salas comerciais pouco após IT – CAPÍTULO 2, DOUTOR SONO é a segunda grande produção da Warner Bros com a grife S. K. lançada em 2019 com estreia nacional nesta semana.

Mas aí convenhamos: DOUTOR SONO, livro e filme, não precisariam existir. O ILUMINADO, livro, filme e minissérie, tem um final que passa longe de ser aberto. Mas já que King escreveu essa continuação e o filme foi feito, vamos nessa.

Com direção e roteiro de Mike Flanagan, o longa tem como protagonista o iluminado Danny Torrance (Ewan McGregor), agora adulto, que segue traumatizado pelos eventos acontecidos no Hotel Overlook. A situação inclusive é agravada pelo seu alcoolismo. O destino do personagem se depara em seu caminho com a adolescente Abra Stone (Kyliegh Curran), uma iluminada que descobriu seus poderes psíquicos aos cinco anos de idade. Além dela, Danny também conhece a impiedosa Rose, a Cartola, líder de uma seita de semi-imortais chamada O Nó, que cruzam os EUA extraindo “o vapor” através do assassinato de suas vítimas inocentes, outras pessoas iluminadas (inclusive crianças) para prolongar as suas vidas.

DOUTOR SONO tem então uma tarefa ambiciosa e bem difícil, que é ser uma continuação digna de um dos filmes de horror mais celebrados de todos os tempos, sem cair na mesmice e na tentação de apelar o tempo todo para a nostalgia dos fãs. E isso o filme consegue… até chegar no decepcionante 3º ato, onde a história se encerra – óbvio! – no hotel Overlook.

(Atenção: Não é ‘Spoiler’ porque o próprio teaser e o trailer se encarregaram de mostrar isso sem disfarçar nada)

Pelas graças de Cthulhu, Flanagan até tem alguma personalidade na direção e não temos mais outro filme que se resume a um jumpscare atrás do outro. O porém é que o seu próprio roteiro adaptado também não ajuda, sendo um tanto repetitivo e com um tedioso excesso de diálogos expositivos e personagens desinteressantes (inclusive os protagonistas), deixando a maioria do elenco com “cara de paisagem” no piloto automático. Uma exceção é o sempre competente Cliff Curtis como Billy, que consegue criar um personagem verossímil com o pouco que foi dado para ele trabalhar.

É impressionante como tanto IT – CAPÍTULO 2 quanto DOUTOR SONO possuem uma duração de mais de duas horas e, mesmo assim, conseguem apresentar resoluções tão apressadas justamente nos momentos em que os filmes precisavam de menos correria. Não é para menos que ambos só devem funcionar para aquele tipo de fã de terror e de grifes (Stephen King, Invocação do Mal, Sobrenatural e cia) que já sabe que vai gostar de um filme antes mesmo de assistir.

Escala de tocância de terror:

Direção: Mike Flanagan
Roteiro: Mike Flanagan e Stephen King (livro “Doctor Sleep”)
Elenco: Ewan McGregor, Rebecca Ferguson, Kyliegh Curran
Ano de lançamento: 2019

* Filme visto na Cabine de Imprensa promovida pela Espaço Z no Cinemark Rio Mar

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: A Hora da Sua Morte (2020)

Publicados

em

A Hora da Sua Morte

Nos últimos dez anos a Blumhouse deu o tom das produções de terror de baixo orçamento. Fez filmes com boas premissas, elenco iniciante, roteiros ágeis e muito jumpscare. Eis que agora chega às telas “A Hora da Sua Morte” (Countdown), um filme que tem todas essas características, mas que NÃO É da Blumhouse. Talvez até por isso tenha se saído melhor que a média desta produtora. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Rabid (2019)

Publicados

em

Rabid

Quando saiu a notícia que iria rolar um remake de RABID, clássico de ninguém menos que David Cronenberg – filme que aqui no Brasil saiu com o título infame de “ENRAIVECIDA NA FÚRIA DO SEXO” – eu fiquei num misto de curiosidade e medo do que viria. Mas aí vi que essa empreitada seria realizada pelas Irmãs Soska e fiquei bem animado, pois as gêmeas diretoras tem uns filmes cabulosos no currículo.

Nesta nova versão, dirigida por Jen e Sylvia Soska, a partir do roteiro de John Serge no qual elas também assinam, acompanhamos Rose, uma design de moda que se envolve em um acidente e fica com o rosto desfigurado. Sem esperanças de recuperar a aparência e voltar ao mundo da moda, resolve se inscrever numa clínica de estética adepta de um movimento “TRANS-HU-MA-NI-SMO” que não é aceito pela comunidade médica. Como voluntária, acaba se submetendo ao procedimento milagroso que restaura toda estrutura do seu rosto. Não bastasse a aparência, a moça passa a se sentir melhor em todos os sentidos. Mas não demoram a surgir os efeitos colaterais… e eles são pra lá de sinistros.

Em nenhum momento as diretoras escondem sua admiração por Cronenberg. Há referências frequentes de sua obra durante o longa, sendo que uma em especial acaba se destacando de tão gritante que é. E é claro que o sadismo aqui impera, marca registrada das gêmeas cineastas em seus longas anteriores – vide “T IS FOR TORTURE PORN” e “AMERICAN MARY“. E assim como o diretor canadense, as irmãs também são chegadas a um body horror raiz. Aqui, usam e abusam de efeitos práticos pra nos conferir muita nojeira e bizarrice. Em uma cena vemos uma “cobra” e uma axila… e basta dizer que ela dificilmente será esquecida, por exemplo.

Apesar de seguir a mesma premissa do “RABID” original, este remake tem suas diferenças – o que já é esperado – e a mais importante é a forma com que Rose, vivida por Laura Vandervoort (Biten), é construída. Ao contrário do original, nossa protagonista não passa o filme todo assistindo impassiva às transformações que seu corpo e mente sofrem. Aqui, nossa heroína evolui dentro da trama, passando a ter domínio de suas ações, dando força e profundidade à personagem.

O ponto forte aqui tá no desenvolvimento da personagem principal, como já mencionado, e na violência extremamente gráfica toda artesanal, que garante uma seboseira danada com muito sangue em tela. Infelizmente, a maquiagem dá uns vacilos como na deformidade do rosto da protagonista, o que é bastante fake. Há umas cenas toscas aqui e ali, mas os pontos fracos mesmos estão mais em alguns personagens que poderiam simplesmente nem existir, a exemplo do boyzinho que fica enchendo o saco da moça o filme todo.

Esta nova versão de “RABID” peca por tentar acrescentar mais elementos à trama do que ele precisaria de fato, mas nada que estrague a sua experiência. No fim das contas, o remake das Irmãs Soska agrada e acaba fazendo “bonito”. Pena que esta refilmagem passou meio batida pelo público do gênero e pouco se falou a respeito. Quem ainda tá torcendo o nariz e ainda não viu, tá vacilando.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jen e Sylvia Soska
Roteiro: John Serge e Irmãs Soska
Elenco: Laura Vandervoort, Benjamin Hollingsworth, Ted Atherton
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Resenhas

DVD: Digipack “Coleção O Homem Invisível”

Publicados

em

[Por Osvaldo Neto]

A Classicline é uma distribuidora de home video especializada em cinema clássico com mais de uma década de existência e atividade. Mensalmente, temos lançamentos e relançamentos de filmes que se encontravam ausentes das lojas físicas e virtuais – sejam lançados antes por eles ou outras empresas – assim como produções esquecidas que ganham uma nova vida no mercado. (mais…)

Continue lendo

Trending