conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Brinquedo Assassino (2019)

Publicados

em

Brinquedo Assassino

[Por Osvaldo Neto]

Antes de conversar com o leitor do Toca o Terror sobre o novo Brinquedo Assassino em si, o rapaz que vos escreve gostaria de convidá-los a se lembrar de um passado recente. Um passado em que as redes sociais poderiam até existir, mas não eram tão invasivas e não chegavam a criar ou destruir tantas expectativas quanto ao consumo de um produto audiovisual (seja filme ou série de TV) que ainda será lançado daqui a uns bons meses.

E quando se fala de uma tentativa de ‘reboot’ de uma franquia tão famosa e popular entre fãs de terror como essa… aí é que a merda bate no ventilador. Haja “polêmica”!

Foi só a Orion/MGM começar a divulgar os pôsters, o novo visual do boneco e os trailers para uma legião de fãs nos encherem de posts negativos, falando que o filme seria um lixo antes mesmo de sequer o assistirem. Aliás, talvez essas pessoas não saibam, mas os estúdios AMAM toda essa propaganda gratuita.

Por essas e outras que o melhor é sempre ignorar esse tipo de reação exagerada, assistir ao filme ou série que você realmente tá a fim de ver e ter a sua própria opinião. E a minha opinião é que, se o Brinquedo Assassino versão 2019 não é nenhuma maravilha (assim como o original nunca foi, convenhamos!), também não se trata de nenhuma bomba atômica.

Na cena de abertura vemos que Buddi é produzido em uma fábrica no Vietnã com condições desumanas de trabalho a mando da Kaslan, uma corporação bilionária (representada na participação especial de Tim Matheson, de Sepultado Vivo). Ou seja, o novo filme já explicita que o Chucky dos dias de hoje não é resultado de nenhuma possessão do espírito de um sádico criminoso. Aqui temos um funcionário que altera as configurações de um único boneco antes de se “desligar voluntariamente” do seu emprego, se é que vocês me entendem.

É quando Karen (Aubrey Plaza), mãe solteira e batalhadora que trabalha em uma grande loja de brinquedos, presenteia o seu filho Andy (Gabriel Bateman), com um Buddi que apresentou defeitos e foi devolvido por uma cliente insatisfeita. Mas é claro que estamos falando exatamente do boneco que será o causador de todas as desgraças que acontecerão ao longo do filme.

Devido à natureza do novo boneco e pela Kaslan também ser uma gigante da tecnologia (o Buddi pode controlar vários dispositivos da empresa, assim como pedir um carro particular sem motorista, que leva o usuário ao destino que escolher), tem se dito que o filme critica a extrema dependência tecnológica dos tempos atuais, tal como faz a série Black Mirror. Sim, é verdade, mas isso nunca é visto com enorme seriedade e nem estraga a diversão de, justamente, ver o novo Chucky ter mais essas ferramentas ao seu dispor para pintar e bordar com suas vítimas. Aliás, Mark Hamill – isso mesmo, o Luke Skywalker – pode não superar o maravilhoso Brad Dourif como a voz do boneco, mas também faz um bom trabalho.

Se tem algo que incomoda no novo Brinquedo Assassino não é nem a sua previsibilidade (que até termina sendo parte da diversão) mas a necessidade, assim como parece acontecer com 99% dos ‘reboots’, de fazer tantas referências ao filme original ao invés de tentar fazer algo do inteiramente novo. Pra quê ter um novo Andy e um novo Chucky? É o tipo de decisão criativa que faz com que seja inevitável fazer comparações com o longa anterior.

Mas se visto sem muitas expectativas e um grande balde de pipoca, Brinquedo Assassino cumpre seu papel de divertir por 90 minutos. Vale uma conferida, nem que seja para alguns de vocês largarem de ser um bando de “Maria vai com as outras” e dizer que um filme é ruim sem tê-lo assistido. 😛

Escala de tocância de terror:

Direção: Lars Klevberg
Roteiro: Tyler Burton Smith (baseado nos personagens de Dom Mancini)
Elenco: Mark Hamill, Aubrey Plaza, Tim Matheson
Origem: EUA

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Luiz Agueda Santos

    18 de setembro de 2019 a 11:17

    Cara…. vi em um cinema perto de casa, e do grupo (namorada e um casal de cunhados) que foi naquele dia, só eu saí comentando que não era exatamente um completo desastre.

    E, mesmo assim, tive que admitir que o filme é fraco.

    Distrai por uma horinha e meia? Sim, e foi o maior elogio que consegui fazer. Basicamente, o filme é só isso: uma distração leve, divertidinha, com algumas cenas mais legais, só que com um roteiro bem sem criatividade.

    Vale pra assistir a toa, mas acho que principalmente pq meu nível de exigência pra esse tipo de filme é bem baixo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: Coletivo Terror (2020)

Publicados

em

Coletivo Terror

Coletivo Terror (Bloodride), série norueguesa da Netflix, é uma produção em formato de antologia. São seis episódios com histórias independentes, durando cerca de 30 minutos cada. Os roteiros são diversificados, temos contos de fantasmas, psicopatas, lendas nórdicas, tudo no melhor estilo Além da Imaginação.

Three Sick Brothers

Muita gente pensa que escrever histórias curtas pode ser fácil, mas nem todo mundo é capaz de condensar uma ideia em um espaço de tempo limitado. Em certos casos é até mais difícil. E a série criada por Kjetil Indregard e Atle Knudsen tropeça justamente aí, falhando em dar ritmo aos capítulos e buscando sempre uma reviravolta que poucas vezes surpreende o espectador.

The Elephant in the Room

De algum destaque, listamos como bons argumentos os episódios Three Sick Brothers (E02), Lab Rats (E04) e The Elephant in the Room (E06). A intenção foi boa, mas uma coisa ou outra no roteiro acaba deixando-os menos interessantes do que poderiam ter sido. Lab Rats tinha tudo para ser ótimo suspense, não fossem os diálogos constrangedores.

Ultimate Sacrifice

Ultimate Sacrifice (E01), Bad Writer (E04) e The Old School (E05) são os responsáveis por jogar a nota do programa lá pra baixo, com histórias ruins, previsíveis e atuações que deixam a desejar. O primeiro principalmente por ser o único a fugir do lugar comum e focar em um fato histórico bem norueguês: a herança viking.

Talvez o formato de curtas empolgue quem procura um passatempo rápido e leve, mas não espere ser surpreendido em nada por Coletivo Terror. Se uma segunda temporada for confirmada pela Netflix, é bom os criadores começarem a se esforçar mais.

P.S.: Não entendi a relação com o ônibus da abertura.

Escala de tocância de terror:

Título original: Bloodride
Direção: Geir Henning Hopland e Atle Knudsen
Roteiro: Kjetil Indregard e Atle Knudsen
Elenco: Stig R. Amdam, Anna Bache-Wiig e Ellen Bendu
Origem: Noruega

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: A Night of Horror – Nightmare Radio (2019)

Publicados

em

A Night of Horror – Nightmare Radio

[Por Frederico Toscano]*

A Night of Horror – Nightmare Radio é um filme esquisito. Começa pelo título, longo demais (podia ser ou “A Night of Horror” ou “Nightmare Radio”, né?). Mas além disso, é uma apanhado de curtas de horror que não foram produzidos para esta antologia especificamente.

Pois é, os caras tiveram a manha de pegar alguns filmes que já circulavam por aí, principalmente em festivais e até no YouTube, criaram uma trama central envolvendo um DJ atendendo ligações de ouvintes em uma madrugada chuvosa, juntaram tudo e pronto: antologia instantânea. Não deixa de ser uma abordagem original, e pode até inspirar outros cineastas, inclusive brasileiros, a conectar seus trabalhos, apresentá-los como partes de um longa e assim ganhar mais visibilidade.

O resultado aqui é meio desconjuntado e a qualidade varia bastante…o que é verdade para, bem, quase todas as antologias que existem por aí. O filme está listado como uma produção da Argentina e dos Países Baixos, tem roteiristas uruguaios e diretores italianos no segmento principal, além de gente de tudo o que é lugar na produção dos curtas em si.

Daí já se imagina o tamanho da salada: o DJ que conta e escuta histórias de horror é claramente americano, trabalhando em uma rádio nos Estados Unidos, mas atende ligações de croatas e ingleses, além de compartilhar causos sobrenaturais falados em espanhol. Lógica não tem, mas com um pouco de suspenção de descrença, dá para comprar a ideia. Assim, sem mais delongas, vamos aos curtas propriamente ditos, na ordem em que aparecem na antologia A Night of Horror – Nightmare Radio:

– In the Dark Woods
Curtinho, direto ao ponto e com clima de contos de fadas (infernais, claro). É basicamente a história de uma mulher invisível que não se contenta com sua situação e chega a extremos para ficar com o homem que ama. Bons efeitos e sanguinolência na medida.

Post-Mortem Mary
Sabia que antigamente as pessoas pagavam para que tirassem fotos de parentes falecidos? Em casa, com suas melhores roupas e arrumados para parecerem vivos. Uma história de horror oitocentista com uma reprodução de época bem-feita e clima gótico, em plena luz do dia. Um dos melhores da coletânea.

A Little off the Top
Uma história de inveja capilar que descamba em tortura e sangue. É isso mesmo que você leu, inveja capilar. Sendo muito curto, melhor não falar muito da história. Basta dizer que mesmo um salão de cabeleireiro pode ser um local de horrores. Meio paradão, mas o gore salva.

The Disappearance of Willie Bingham
Para mim, o melhor. Uma nova lei permite que a família de uma pessoa assassinada possa mutilar o criminoso aos poucos, até se sentirem vingados. O tal Willie Bingham é um bêbado, assassino e estuprador. E ainda assim, depois de uma série de cirurgias horripilantes, garanto que você vai chegar a ter pena do desgraçado. Horror corporal dos bons e uma história que te faz pensar o que, afinal, significa conseguir justiça.

– Drops (ou Gotas, no original em espanhol)
Uma mulher está presa em casa com uma criatura horripilante enquanto sente dores terríveis…ou não. Boa produção espanhola, como uma reviravolta interessante no final.

– The Smiling Man
Criança encontra…algo em sua casa. Achei a história pouco original, a criatura visualmente fraca e a protagonista infantil com a expressividade de um Cigano Igor depois do botox. Mas parece que fez sucesso quando lançado na Internet, vai entender.

Into the Mud
Uma mulher acorda nua e ferida no meio da floresta, e passa a ser perseguida por um caçador. O roteiro só funciona porque o homem é ruim de mira e toma algumas decisões imbecis, mas tem uma surpresinha boa no final, além de uma carniceira honesta.

– Vicious
Mais uma história de mulher presa em casa com um bicho feio à espreita. Clichê e com uma atriz que parece mais estressada do que aterrorizada, é bem mediano. Parece que também fez sucesso na Internet. Sei de mais nada.

Assim, juntando tudo, bem medido e bem pesado, leva aí 3 caveiras de 5. O formato permite assistir aos poucos e, sendo 9 curtas, não é possível que você não ache algo do seu agrado. O filme não saiu no Brasil e nem parece estar em qualquer serviço de streaming. Logo, obtenham-no através do seu bucaneiro favorito ou simplesmente corram atrás dos curtas individualmente, no YouTube ou em outras plataformas de vídeo. Assim, dê uma chance e fique em casa se aterrorizando de forma segura.

Escala de tocância de terror:

Direção geral: Oliver Park
Diretores dos segmentos: Jason Bognacki, A.J. Briones, Joshua Long, Sergio Morcillo, Adam O’Brien, Luciano Onetti, Nicolás Onetti, Pablo S. Pastor e Matthew Richards
Produção: Black Mandala
Ano de lançamento: 2019

* Especial para o Toca o Terror

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Guerra Mundial Z (2013)

Publicados

em

Guerra Mundial Z

Às vezes você tem medo que o trailer de um filme entregue demais ou mostre apenas as melhores partes de um longa que se arrasta por 120 minutos. O trailer de “Guerra Mundial Z“, que custei a ver e que passou a aparecer em intervalos de TV nas últimas semanas, ao menos não corre nenhum desses perigos. Nem entrega demais nem mostra as melhores partes do filme (até porque não as tem). Ele é simplesmente igual ao filme: superficial e quadradão. (mais…)

Continue lendo

Trending