conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Dia dos Mortos (1985) x Day of the Dead: Bloodline (2018)

Publicados

em

Day of the Dead

[Por Jarmeson de Lima]

Por curiosidade mórbida, um dia após reassistir ao clássico oitentista de George Romero, resolvi encarar o remake que vinha protelando há um tempo e com razão. Sei que é covardia comparar, mas fazer o que, né?! Sem coragem de admitir ser totalmente uma refilmagem, “Day of the Dead: Bloodline” deixa claro que é apenas “baseado em Day of the Dead“. Sei sei… sendo que ele pega emprestado do original duas coisinhas básicas: a ambientação numa base militar e o zumbi “Bub”, que aqui ganha o nome de “Max”.

Pra quem já viu ou ainda vai ver, saiba que o filme de 1985 não tem muito arrodeio. O mundo está um caos, os sobreviventes em um bunker do exército dividem suas atividades com uma equipe de cientistas e eventualmente saem para procurar outros vivos com a ajuda de um helicóptero. O que ocorre nos seus 96 minutos é de um primor com um tom de claustrofobia e pessimismo incomparável na história do cinema de horror.

A produção mais atual, no entanto, não possui qualquer tipo sutileza e cai naquele clichê de querer explicar tudo nos mínimos detalhes pra que o espectador incauto não se perca. “Bloodline” ainda força a barra para manter uma fotografia mais escura em contraste com a obra na qual se baseia, em que apesar de ser encenado em cenários fechados, é sempre mais claro.

Nesta nova versão, como já deve imaginar, os mortos-vivos deste filme não andam, correm! E muito! Não bastasse isso, com alguns minutos de tela já sabemos que os zumbis, apelidados de “rottens” foram vítimas de uma infecção generalizada e que tem gente atrás da cura. Esta parte da pesquisa científica que também é um traço em comum das duas obras deixa claro as intenções de seus idealizadores. Enquanto Romero procurava mostrar os experimentos do doutor Logan “Frankenstein” como uma coisa grotesca que transcende qualquer tipo de ética médica, este remake trata tudo como uma anomalia que pode ser revertida a qualquer momento.

A doutora Zoe (Sophie Skelton) que faz parte do núcleo científico não perde a esperança na cura e se arrisca até a manter um ex-paciente abusador como cobaia de seus testes. Acredite se puder, mas o diretor achou por bem colocar este sujeito de atitudes asquerosas que aparece rapidamente no início do filme como o novo “Bub” dando a ele este background. E não basta ser um zumbi, ele tem que ser mais esperto que a maioria dos zumbis pra pegar carona em um jipe, subir num duto de ventilação e manusear chaves.

Com um elenco numeroso e sem muita necessidade, todo mundo em cena esbanja canastrice em “Bloodline“, a começar dos principais oficiais militares Miguel (Jeff Gum) e Baca (Mascus Vanco). Diferente da obra de Romero, onde temos personagens mais velhos, a média de faixa etária dos novos personagens é entre 20 e 30 anos. O conflito de autoridade neste caso não é muito convincente ao contrário da obra original, onde há um confronto nos diálogos e que segura a trama até o final.

Resumindo… “Bloodline” traz o que há de pior nos filmes atuais de zumbis com personagens estúpidos, cenas ridículas de dar raiva, sustos gratuitos e uma trama derivativa que poderia fazer parte de uma temporada de The Walking Dead, por exemplo. Com foco no gore e na ação pra compensar a falta de tensão e suspense, só quem nunca assistiu a um filme de mortos vivos pode se impressionar com essa obra. Não perca seu tempo. Nunca é demais repetir, então está dado o recado: confira o original e as demais produções de George A. Romero.

* “Dia dos Mortos” (1985) está disponível em versões legendada e dublada na Amazon Prime Video enquanto “Day of the Dead: Bloodline” encontra-se no catálogo da Netflix.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Operação Overlord (2018)

Publicados

em

Overlord

[Por Jarmeson de Lima]

Convenhamos que filmes de guerra e filmes de terror não são lá muito populares. Às vezes um ou outro fura a bolha de público e passam a ter sucesso, mas não é sempre que isso acontece. Assim sendo, imagine que “Operação Overlord” foi pensado para ser uma mistura de “O Resgate do Soldado Ryan” com “Resident Evil“. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Verão de 84 (2018)

Publicados

em

Verão de 84

[Por Felipe Macêdo]

A nostalgia causada pelos anos 80 parece não ter fim e provavelmente vai render mais um bocado, dado o sucesso da série “Stranger Things” e filmes como “IT- A Coisa” (2017). “Verão de 84” bebe desse revival estético daquela década e procura sua identidade nesse meio, trazendo uma trama de mistério com elementos de terror. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Homem nas Trevas (2016)

Publicados

em

homemnastrevas_3

[Por Felipe Macedo e Jarmeson de Lima]

O diretor Fede Alvarez, retorna com seu novo trabalho, após ser descoberto pelo diretor Sam Raimi e juntos terem realizado o remake do clássico “Evil Dead – A Morte do Demônio“. O novo trabalho em questão é “O Homem nas Trevas” (Don’t Breathe), mais uma vez produzido pelo seu tutor hollywoodiano. O longa vem como desafio e servirá para provar se o diretor uruguaio seria realizador de um filme só ou se terá vida própria dentro da sétima arte. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Trending