conecte-se conosco

Resenhas

DVD: Manhunter – Caçador de Assassinos (1986)

Publicados

em

Manhunter

Antes de Anthony Hopkins fazer Hannibal Lecter em O SILÊNCIO DOS INOCENTES e muito, mas muito antes do lançamento da série HANNIBAL com Mads Mikkelsen, o famoso personagem criado pelo autor Thomas Harris já havia surgido em um longa-metragem dirigido por ninguém menos que Michael Mann. Trata-se de MANHUNTER – CAÇADOR DE ASSASSINOS, com produção de Dino de Laurentiis, que percebeu o grande potencial de Mann antes dele atingir maior fama.

O filme foi uma adaptação cinematográfica do livro DRAGÃO VERMELHO, que também chegaria a ser levado aos cinemas em 2002 com direção de Brett Ratner e Hopkins reprisando o papel pela terceira e, até então, última vez.

É uma experiência bem interessante assistir às duas versões e fazer comparações entre os aspectos que fazem esses dois filmes serem radicalmente diferentes entre si. Enquanto um é um ‘thriller’ policial que não tem o menor receio de ser frio, cru e sombrio, o outro tem seus momentos mas é decididamente um suspense mais convencional, feito de olho no grande público.

Basta observar a enorme importância e tempo de cena dado a Lecter dentro da história só porque ele está sendo novamente interpretado por Hopkins. Em MANHUNTER, o personagem deve ter – se muito – quase 10 minutos de participação no total de suas cenas.


O realismo do filme de Mann também está presente na própria apresentação de ‘Lecktor’, vivido aqui por um excelente Brian Cox. Percebam o quanto o sujeito pode ser manipulador em sua cena principal no filme, o reencontro com Will Graham (William Petersen), o agente do FBI que quase chegou a ser uma de suas vítimas e foi o responsável por sua prisão. É nela que o espectador nota que há um verdadeiro monstro por trás da aparente calma desse homem. Você bate o olho no Hannibal de Hopkins e sabe de imediato que o cara é um doido varrido.

Francis Dollarhyde (Tom Noonan), o “Fada dos Dentes”

Portanto, se você já assistiu a série HANNIBAL e os outros longas com esse famoso ‘serial killer‘ do cinema, TV e literatura, corra atrás de MANHUNTER – CAÇADOR DE ASSASSINOS. Essa obra-prima do gênero encontrava-se fora de catálogo e voltou ao mercado de home video brasileiro através da Classicline em um lançamento exclusivo em parceria com a Livraria Cultura. As imagens utilizadas na resenha foram capturadas a partir desta nova edição.


O disco é simples, com outra opção de arte no verso da capinha e conteúdo extra se restringindo a uma galeria de fotos e posters, mas a cópia presente na edição é muito boa e remasterizada, preservando o aspecto original da fotografia e toda a classe e estilo empregados por Mann para contar essa história assustadora.

Outras capturas do DVD:

Brian Cox entrega um valioso detalhe sobre a sua atuação no filme nesta entrevista recente.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Grito (2020)

Publicados

em

O grito

Passados 16 anos do lançamento de um remake que rendeu duas continuações (uma delas feita para lançamento em vídeo), temos aqui o quarto filme da franquia americana de “O Grito”. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Color Out of Space (2020)

Publicados

em

Color Out of Space

H.P Lovecraft voltou a ficar em evidência, seja em games como “Call of Cthulhu” (2018) e “The Sinking City” (2019) como em adaptações cinematográficas. Só neste ano de 2020 já tivemos duas obras inspiradas no autor, tendo elementos e personagens de suas obras em “Ameaça Profunda” e agora “Color Out of Space”, uma adaptação direta de um dos seus celebres contos e o motivo desse texto existir. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Trending