conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Maggie – A Transformação (2015)

Publicados

em

maggie

Por Geraldo de Fraga

Há exatos 15 anos (desde o sci-fi O Sexto Dia), que Arnold Schwarzenegger não trabalhava como produtor de um filme. Sua volta à essa função deu-se com mais um exemplar daquele que é o sub-gênero do horror que parece não se esgotar nunca: zumbis. Mas Arnold não ficou apenas nos bastidores. Ele deixou a barba crescer e deu vida a um simples fazendeiro que tem a filha mordida por um zumbi e precisa lidar com o fim inevitável causado por esse acontecimento.

20a6bb744120No universo em que se passa Maggie – A Transformação (também conhecido por Contágio, Epidemia Mortal), a epidemia zumbi chegou, mas ao contrário da maioria das produções do tipo, não temos o clássico cenário pós-apocalíptico. A vida segue tranquila, na medida do possível, naquela pequena cidade da Região Centro-Oeste dos EUA. Outra modificação feita pelo roteirista John Scott é que a transformação após a mordida demora vários dias para que a vítima, enfim, perca sua humanidade.

Maggie (Abigail Breslin) foi abocanhada no braço e, após ser diagnosticada com o vírus Necroambulist, retorna para casa. Mas seu pai, Wade (Schwarzenegger) é avisado que sua fazenda será monitorada pelas autoridades locais e, assim que a garota estiver prestes a virar de fato um zumbi, ela terá que ser encaminhada para um local de quarentena onde passará seus últimos dias.

Captura de Tela 2015-06-01 às 11.30.36Apesar de a cara de Arnold Schwarzenegger tomar mais da metade do poster, Maggie não é um filme de zumbi arrasa quarteirão com cenas de ação, tiros e cabeças explodindo. Os outros infectados mal dão às caras. O longa é um drama minimalista com elementos de terror, que são usados como metáforas para vários problemas que as pessoas com doenças terminais enfrentam e também as consequências para suas famílias.

Belo discurso, mas isso não basta. O primeiro problema é que Maggie, como filme de zumbi que é, poderia se apropriar dos diversos elementos que permeiam esse universo para montar essas metáforas. E isso não acontece. Se tirarmos a infecção do roteiro e a substituirmos por uma condição real, com uma suposta gravidade equivalente (leucemia, por exemplo), teremos uma história sem muitas diferenças da que vimos aqui.

Captura de Tela 2015-06-01 às 10.58.54

A segunda falha é ainda pior: o longa não consegue emocionar o espectador. Nesse tipo de trama, pai e filha caminhando para um desfecho tão triste, não há tiro no pé maior. Há ainda uma tentativa de dar uma maior profundidade à protagonista, mostrando seus amigos e seu namoradinho (também infectado). Mas só piora. Seria muito mais interessante mostrar a reação de um jovem saudável naquele momento, por exemplo, do que colocá-los na mesma situação onde há compaixão dos dois lados.

E como Arnold Schwarzenegger se comporta no meio desse drama familiar todo? Inerte seria a melhor definição. Ele é o maior zumbi do longa. Mesmo quando toma a dianteira para defender sua cria, parece fazer como um robô (com o perdão do trocadilho). Não rolou química entre ele e Abigail Breslin ainda por cima. Não rolou química entre ninguém, aliás.

Escala de tocância de terror:

Título original: Maggie
Direção: Henry Hobson
Roteiro: John Scott
Elenco: Arnold Schwarzenegger, Abigail Breslin e Joely Richardson
Origem: EUA

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Ricther

    10 de março de 2019 a 18:09

    Geraldo de fraga, o único robô é você.. Acredito que não deve ter filhos. Experimente ter um e depois reveja o filme e diga se não se emociona.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Grito (2020)

Publicados

em

O grito

Passados 16 anos do lançamento de um remake que rendeu duas continuações (uma delas feita para lançamento em vídeo), temos aqui o quarto filme da franquia americana de “O Grito”. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Color Out of Space (2020)

Publicados

em

Color Out of Space

H.P Lovecraft voltou a ficar em evidência, seja em games como “Call of Cthulhu” (2018) e “The Sinking City” (2019) como em adaptações cinematográficas. Só neste ano de 2020 já tivemos duas obras inspiradas no autor, tendo elementos e personagens de suas obras em “Ameaça Profunda” e agora “Color Out of Space”, uma adaptação direta de um dos seus celebres contos e o motivo desse texto existir. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Trending