conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: A Forca (2015)

Publicados

em

A Forca

[Por Queops Negronski]

Durante a apresentação de peça teatral numa escola algo dá errado e uma forca que deveria ser cenográfica, funciona, matando Charlie, um dos alunos/atores na frente da plateia. Vinte anos depois, alunos da mesma escola decidem reencenar o trabalho. Este é o começo de “A Forca“, obra barata da Blumhouse em formato de found footage.

Reese (Reese Mishler), atleta do futebol americano, tem papel de destaque (adivinhem qual?) nessa reedição, mas não consegue decorar direito as suas falas por estar apaixonado por Pfeifer (Pfeifer Brown) sua colega de cena. E para piorar a situação, tem seus passos seguidos por Ryan (Ryan Shoos), seu melhor amigo que carrega uma câmera para onde quer que vá, filmando todo e qualquer momento de suas vidas que não são nem um pouco interessantes. Isso “justifica” o filme de ser inserido no sub-gênero “found footage“, o que não salva em absoluto A Forca de ser taxado de um dos piores lançamentos do gênero horror vistos por mim em 2015, acredite.

a_forca_foto2

Filmagem (de personagens secundários que nada acrescentam o filme) vai, filmagem (de outras coisas que também nada acrescentam ao filme) vem e Ryan e sua namorada, Cassidy (Cassidy Gilford… sim, os personagens tem os mesmos nomes dos atores, numa tentativa pífia de nos fazer acreditar que aquilo poderia ser um documentário) convencem Reese de quão sem futuro é aquela empreitada. Juntos, na noite anterior à apresentação, decidem destruir o cenário da peça para impedir que a mesma aconteça e nesse momento, dada a quantidade de clichês até ali apresentada, concordamos piamente com a decisão… Pena que ninguém combinou com Charlie, força vingadora que habita as coxias do teatro, que se aproveita da última hora do filme pra nos levar juntos numa viagem tediosa de situações risíveis e erros crassos, um jogo de gato e rato que se revela desprovido de inspiração e… terror.

Enfim, A Forca foi concebido pra ser um “filme fácil” e que agrade ao espectador menos exigente. Erraram feio (ou não, vide o mega-sucesso de Annabelle).

a_forca_foto1b

Escala de tocância de terror:

Título original: The Gallows
Direção e roteiro:
Travis Cluff e Chris Lofing
Elenco: Reese Mishler, Pfeifer Brown, Ryan Shoos e Cassidy Gifford
Origem: EUA

* Filme visto na cabine de imprensa promovida pela Espaço Z

Continue lendo
8 Comentários

8 Comments

  1. Júlio César Carvalho

    23 de julho de 2015 a 11:22

    Vixe! Mas eu ainda custo a acreditar que seja pior que RENASCIDA DO INFERNO (the Lazarus Effect), tbm esteve nos cinemas esse ano.

  2. IGOR AZRAK (@IgorAzrak65)

    29 de julho de 2015 a 22:03

    Esse filme é tão tão ruim que não tiveram a dignidade nem de dar nomes originais aos personagens. O filme usa o mesmo nome dos atores. Não acredito até agora nisso…

  3. Pingback: PODCAST: S04E10 – DROPS – Lançamentos do Cinema, TV e Internet | Toca o Terror

  4. Luiza Gillies

    2 de novembro de 2015 a 16:27

    Eu não achei o filme tão ruim, não é bom, mas não é ruim, não tem muito de terror, esta mais para drama e suspense do que terror, mas tudo bem, eu acho um filme muito confuso, por que você não sabe o que é gravado pela camera do Ryan e o que não é, e a cor muda toda hora. Mas eu gostei, eu só esperava mais terror, não me apavorou em nenhuma parte, talvez um pouco nos ultimos segundos de filme, o final é muito confuso, intrigante e isso foi bom, deixou um Quê de Que Poha ta acontecendo?

  5. Mya

    12 de fevereiro de 2016 a 13:03

    Eu gostei do filme mas acho que errei esperando muito terror mas acho que o verdadeiro erro foi o merda do diretor po as bostas dos verdadeiros nomes isso sim foi uma pohá mas até que o final foi legal e acho o filme “A Forca” 1000000 x melhor que a p0ha do remake do
    “O Quarteto Fantástico “

  6. frank

    4 de outubro de 2016 a 15:34

    bela bosta de filme

  7. -A

    12 de fevereiro de 2017 a 19:17

    A história do filme, em si, é ótima. Não acho que o filme foi tão ruim assim

  8. Victoria

    17 de agosto de 2018 a 12:01

    eu nunca achei esse filme, alguém sabe em qual site tem?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Os Estranhos – Caçada Noturna (2018)

Publicados

em

Caçada Noturna

[Por Felipe Macedo]

O medo da violência atinge a todos nós, cada vez mais assustados com a quantidade de casos assim em todo o mundo. Sendo assim, o único lugar em que nos sentimos seguros é nossa casa, certo? Mas imagina se um trio de assassinos mascarados começa a fazer jogos macabros para te aterrorizar e logo depois te caçar sem piedade? Essa é a trama do primeiro Os Estranhos (2008) e que foi alterada quase que por completo em sua tardia sequência. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: As Fábulas Negras (2015)

Publicados

em

Fábulas Negras

Por Jota Bosco

Rodrigo Aragão, diretor de Mangue Negro (2008), A Noite do Chupacabras (2011) e Mar Negro (2013) lança seu mais novo longa, As Fábulas Negras. Projeto que envolve, além dele, claro, alguns dos principais nomes do gênero no país como Petter Baiestorf e Joel Caetano. E pra fechar com chave de ouro, nada mais que José Mojica Marins (Sim!! José Mojica Marins, porra!!!!). (mais…)

Continue lendo

Trending