conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Mandy (2018)

Publicados

em

Mandy

[Por Júlio César Carvalho]

Confesso que fiquei satisfeito com o cinema de horror neste ano de 2018. Até o mês passado, já tinha minha listinha de melhores do ano fácil, algo que não acontecia há pelo menos uns dois anos. Mas aí, aos 45 do segundo tempo, me aparece MANDY, um filme de vingança estrelado por Nicolas Cage. Relutei, mas acabei assistindo e pasmem: É MASSA!

Mandy.2018.1080p.BluRay.x264-[YTS.AM].mp4_snapshot_00.11.16_[2018.12.27_13.42.00]

Aviso que não adentrarei em questões filosóficas ou nas analogias no texto. Por saber que isso varia de pessoa pra pessoa, pode soar pretensioso impor minhas interpretações. Sendo assim, ficarei apenas nas minhas impressões sobre a estética audiovisual do longa.

Mandy.2018.1080p.BluRay.x264-[YTS.AM].mp4_snapshot_01.21.05.236

Como dito no início, MANDY é um filme de vingança e sua premissa é a mais simples e batida possível: Um casal feliz, Mandy (Andrea Riseborough ) e Red (Nicolas Cage), é atacado por um grupo de desconhecidos. Mandy é brutalmente assassinada na frente de Red, que é deixado pra morrer. mas acaba sobrevivendo e segue numa jornada suicida vingativa. Mas veja bem, tudo que é batido aqui fica só na premissa, pois é na execução do longa que a coisa pega.

Mandy.2018.1080p.BluRay.x264-[YTS.AM].mp4_snapshot_01.56.41_[2018.12.27_13.44.30]

MANDY é escrito e dirigido por Panos Cosmatos (Beyond the Black Rainbow) que definitivamente sabe o que tá fazendo. O diretor nos concebe um filme que é um verdadeiro alucinógeno cinematográfico no qual o áudio e o visual servem para entorpecer o espectador a cada segundo. O cara sabe tanto o que tá fazendo, que todo o lance “viajado” não compromete a estrutura narrativa e nem o ritmo da produção. Aliás, recomendo muito seu filme anterior, onde ele vai além neste sentido.

Mandy.2018.1080p.BluRay.x264-[YTS.AM].mp4_snapshot_01.15.08.880

A fotografia de Benjamin Loeb é de encher os olhos e nos confere imagens, tanto nos planos abertos quanto fechados, que chegam a ser hipnotizantes. Temos aqui muitos flares, paletas de cores extremamente vívidas e de altos contrastes, muito slow-motion e algumas cenas com um leve efeito de atraso nos movimentos. Dando a sensação de estarmos sob efeito de alguma droga pesada. Até o jogo de luz e sombra é criativo e eficaz. Algumas cenas chegam a evocar aquele climão de HELLRAISER.

Mandy.2018.1080p.BluRay.x264-[YTS.AM].mp4_snapshot_01.25.57.278.jpg

Todas essas belas imagens são musicadas perfeitamente pelo experiente Jóhann Jóhannsson (A CHEGADA, SICARIO), que infelizmente veio a falecer em fevereiro deste ano. Os sintetizadores aqui são imponentes e soam como se as imagens tivessem aqueles sons naturalmente, servindo perfeitamente às cenas pra nos manter imersos num transe constante. Pra quem curte a vibe nostálgica 80tista, é um deleite.

Mandy.2018.1080p.BluRay.x264-[YTS.AM].mp4_snapshot_00.37.44.178

Aí você pode estar se perguntando “mas é de terror ou não?“. TOTAL! Não demora pra que o conforto de estar dormente vire desconforto. O gore aqui é generoso e “na sua cara”. MANDY é um filme violentíssimo e cruel. Sem contar que é tudo muito sujo e nojento, podendo até incomodar. Há algumas mortes que chegam doer só de olhar. MANDY tem seus momentos de ação e luta e são justamente onde o filme perde seu brilho por nos tirar do transe. Felizmente, isso acontece muito pouco e não estraga toda experiência.

Mandy.2018.1080p.BluRay.x264-[YTS.AM].mp4_snapshot_01.39.05.440

Para além de toda viagem estética e violência gráfica mencionadas, MANDY tem um fator que deve ser destacado: Nicolas Cage. Eu sou do time que evita filmes com ele e por isso fiquei receoso de ver esta beleza. Mas num é que ele tá bem? Na verdade, Nicolas Cage mal tem tempo ou espaço pra “ser Nicolas Cage” e por isso ele tá tão bem.

Mandy.2018.1080p.BluRay.x264-[YTS.AM].mp4_snapshot_01.53.45_[2018.12.27_13.43.48]

No fim das contas, MANDY finda sendo a cereja do bolo deste ano, se mostrando uma produção autoral, com muita personalidade e que com certeza entrará nas listas de melhores produções do horror de 2018, inclusive na minha.

Escala de tocância de terror:

Direção: Panos Cosmatos
Roteiro: Panos Cosmatos, Aaron Stewart-Ahn
Elenco: Nicolas Cage, Andrea Riseborough, Linus Roache
Origem: EUA, Bélgica, Reino Unido
Ano: 2018

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. centoundici

    16 de abril de 2019 a 19:48

    Ganhou meu coração com essa resenha. Tbm tenho ranço de cage. Mas tô baixando agora msm 🖒

  2. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Homem nas Trevas (2016)

Publicados

em

homemnastrevas_3

[Por Felipe Macedo e Jarmeson de Lima]

O diretor Fede Alvarez, retorna com seu novo trabalho, após ser descoberto pelo diretor Sam Raimi e juntos terem realizado o remake do clássico “Evil Dead – A Morte do Demônio“. O novo trabalho em questão é “O Homem nas Trevas” (Don’t Breathe), mais uma vez produzido pelo seu tutor hollywoodiano. O longa vem como desafio e servirá para provar se o diretor uruguaio seria realizador de um filme só ou se terá vida própria dentro da sétima arte. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Amizade Desfeita (2015)

Publicados

em

Amizade Desfeita

Parece que o formato ´captura de tela´ é o novo ´found-footage´ que veio pra ficar. Agora é a vez da Universal Pictures que resolveu apostar nessa produção da Blumhouse Productions (Sobrenatural, The Purge, Ouija) intitulada Amizade Desfeita (Unfriended) que não passa de mais um filme genérico de fantasma vingativo contra adolescentes descerebrados.

Unfriended.2014.720p.WEB-DL.600MB.MkvCage.mkv_snapshot_00.00.55_[2015.08.01_02.27.24]

O filme abre com um vídeo flagrante de uma garota chamada Laura Barns cometendo suicídio e sabe-se logo em seguida que a mesma era vítima de cyber-bullying. Com roteiro de Nelson Greaves e direção de Leo Gabriadze, o longa nos mostra tudo através da captura de som e imagem da tela do notebook de Blair, que após assistir tal tragédia, se conecta com o namorado, Mitch, pra fazer amorzinho virtual pela webcam. Tesão, hein? Eis que de repente, quatro amigos invadem o chat do casal formando uma conversa em grupo no por Skype. Ô beleza! E para quebrar o clima valendo, um usuário não identificado entra na vídeo conferência grupal e começa a tocar o terror pra cima da galera.

Vale lembrar que essa narrativa ‘web-footage’ não é novidade, pois já foi utilizado pelos eficientes The Den (2013) e Open Windows (2014 – com Sasha Grey e Elijah ´Frodo´ Wood). É uma pena que no caso de Unfriended, essa escolha não foi das mais felizes, pois ao contrário do já citado Open Windows, a câmera não passeia pela tela da protagonista, ficando em uma tela cheia estática que, vez por outra, vira uma confusão de janelas abertas de tudo quanto é site e aplicativos. Por falta de criatividade(?) ou para criar mais senso de realidade, não foram criados programas fictícios. Sendo assim, tudo roda num MacBook com seu iOS, os aplicativos são o Skype e Messages, os sites são o Google, Youtube, Facebook etc.

Unfriended.2014.720p.WEB-DL.600MB.MkvCage.mkv_snapshot_00.47.33_[2015.08.01_02.37.11]

Voltando ao enredo, a coisa fica cabulosa quando o tal hacker clama ser a finada Laura e passa a enviar, e postar, fotos e vídeos  comprometedores de cada um no Facebook através dos perfis deles mesmos. Claro que isso gera confusão até perceberem que tudo é obra do tal penetra virtual. Detalhe que a princípio, só o casal, Blair e o Mitch, sabe que se trata supostamente da falecida amiga que, obviamente, os acusa de terem provocado a sua morte. Inicialmente, o joguinho da discórdia funciona, mas, apesar de algumas mortes, começa a ficar chato. A coisa só melhora pra lá da segunda metade do longa, quando a fantasma virtual, que até a luz da casa deles consegue apagar, se revela para todos. Agora, ela decide botar pra foder geral com uma espécie de jogo da verdade onde quem perde morre. O desespero é geral e as atuações exageradas até que rendem boas risadas.

Agora, Amizade Desfeita empolga e pequenos detalhes vão dando um charme todo especial, como quando a Blair mente descaradamente pra o namorado e o espírito bota pra tocar a música “How you lie, lie, lie” (Como você mente, mente, mente) do Connie Conway e ela fica tentando sem sucesso fechar o player de música; ou quando em vários momentos a protagonista escreve, apaga e rescreve as mensagens pra defunta no chat do Facebook, nos dando assim indícios que ela está escondendo algo dos amigos e de nós. As mortes são simples e convincentes dentro da limitação do avatar da webcam dos protagonistas. O clima de suspense sobre a identidade do hacker do além funciona até certo ponto.

Unfriended.2014.720p.WEB-DL.600MB.MkvCage.mkv_snapshot_00.18.05_[2015.08.01_02.35.01]

A persona sádica e sagaz de Laura Barns é uma grata surpresa. Ela tortura sem dó nem piedade cada um, desconstruindo e derrubando todas as máscaras de amizade e lealdade do grupo. Sempre com uma carta na manga, essa a alma sebosa merece o prêmio joinha de ´feladaputagem´ do próprio Capeta, pois se utiliza do mesmo modus operandi, no papel de acusadora e agente do caos. Detalhe esse que, apesar de funcionar, não foi elevado a máxima pelo enredo até o fim, mas talvez eu esteja querendo demais de uma produção mainstream.

Com alguns pontos positivos, o fato é que esse formato cansa e o já mencionado problema do ponto de vista fixo só contribui para isso. No fim das contas, Amizade Desfeita até que é um filme eficiente e cruel, mas infelizmente não segura a onda “precisando” trair o próprio formato para concluir a trama.

Unfriended.2014.720p.WEB-DL.600MB.MkvCage.mkv_snapshot_00.14.59_[2015.08.01_02.25.38]

Nota: Amizade Desfeita custou apenas R$ 1 milhão e faturou cerca de 32 milhões nos EUA e tem sua estreia nos cinemas brasileiros marcada para 12 de Novembro.

Escala de tocância de terror:

Título alternativo: Cybernatural

Direção: Levan Gabriadze
Roteiro: Nelson Greaves 

Elenco: Heather Sossaman, Matthew Bohrer e Courtney Halverson
Origem: EUA e Rússia

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Doutor Sono (2019)

Publicados

em

Doutor Sono

[Por Osvaldo Neto]

As adaptações das obras de Stephen King, um escritor que goza de imensa popularidade internacional, são quase que um subgênero do horror no cinema e TV. Desde que Brian De Palma fez CARRIE – A ESTRANHA que filmes e séries baseados e/ou inspirados pelo autor são produzidos em escala massiva e geram bastante expectativa para quem acompanha o gênero. Chegando às salas comerciais pouco após IT – CAPÍTULO 2, DOUTOR SONO é a segunda grande produção da Warner Bros com a grife S. K. lançada em 2019 com estreia nacional nesta semana.

(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending