conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Os 3 Infernais (2019)

Publicados

em

Os 3 Infernais
[Por Geraldo de Fraga]
Rob Zombie confia demais no carisma dos seus personagens. Ele já deve ter ouvido muito por aí que seu filme mais elogiado pelo público é Rejeitados pelo Diabo (2005). E isso provavelmente fez com que o rockeiro diretor se animasse para voltar a esse universo em mais uma empreitada cinematográfica, agora fechando a trilogia começada em A Casa dos 1000 Corpos (2003).

Em Os 3 Infernais (2019), Baby (Sheri Moon Zombie), Otis Driftwood (Bill Moseley) e Captain Spaulding (Sid Haig) sobreviveram ao acidente de carro do último filme, mas foram em cana e estão no corredor da morte. Infelizmente, Sid Haig só aparece em uma cena. O ator, então com 80 anos, já estava bem doente e viria a falecer em setembro desse ano.
Neste caso, para não desfalcar o trio, entra em cena um novo membro da família: Winslow Foxworth Coltrane (Richard Brake), filho bastardo de Spaulding. É ele quem liberta Otis da prisão e os dois dão início a uma onda de assassinatos que culmina com o resgate de Baby e uma fuga para o México, onde se desenrola a maior parte da ação do filme.

Voltando a falar do carisma dos personagens, eles na verdade não têm muito. Desde a obra anterior, Zombie tenta fazer referências aos anos 70, com claras influências de O Massacre da Serra Elétrica e da família Manson, mas nada é muito marcante. Em um roteiro simples como temos aqui – uma road trip de psicopatas – é necessário que os protagonistas se destaquem.
E o trio é bem desinteressante em vários aspectos. O texto é fraco, as caras e bocas são caricatas e Sheri Moon Zombie como alívio cômico explica porque ela só consegue emprego nos filmes do marido. Tem ainda um fiapo de discurso sobre pessoas deslocadas no mundo, mas era melhor que nem tivesse. Os 3 Infernais termina parecendo uma banda de rock com um visual bad ass, mas que não toca porra nenhuma.

Escala de tocância de terror:

Direção: Rob Zombie
Roteiro: Rob Zombie
Elenco: Sheri Moon Zombie, Bill Moseley e Richard Brake
Ano de lançamento: 2019
País de origem: EUA

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Daivrod

    6 de novembro de 2019 a 11:27

    Não vi nenhum elemento do filme ser analisado e criticado, o motivo da nota baixa parece mero desgosto pessoal pela obra. 1/5 pra crítica.

  2. Jonny Garttew

    13 de novembro de 2019 a 11:56

    “Voltando a falar do carisma dos personagens, eles na verdade não têm muito. Desde a obra anterior, Zombie tenta fazer referências aos anos 70, com claras influências de O Massacre da Serra Elétrica e da família Manson, mas nada é muito marcante. Em um roteiro simples como temos aqui – uma road trip de psicopatas – é necessário que os protagonistas se destaquem.
    E o trio é bem desinteressante em vários aspectos. O texto é fraco, as caras e bocas são caricatas e Sheri Moon Zombie como alívio cômico explica porque ela só consegue emprego nos filmes do marido.”
    1- Personagens não têm muito carisma. (Na minha opinião, nenhum.)
    2- Tenta fazer referências mas não consegue.
    3- Roteiro simples quando deveria ser mais trabalhado por conta dos personagens fracos.
    4- O trio é desinteressante.
    5- As atuações são fracas.(acho a Sheri linda mas não sabe atuar)
    6- A analogia com a banda de rock.
    A trilogia é uma merda. O primeiro e o segundo assisti pulando as partes de blá blá blá para as partes com violência mas mesmo assim são muito fracas.
    Psicopata Americano é bem melhor nesse quesito (em todos os quesitos na verdade). Sabe equilibrar cômico com violência, SPOILER>>>>> aquela cena em que ele mata o personagem do Jared Leto com um machado<<<<<, fora as outras cenas muito boas.
    Assisti os 2 primeiros filmes comendo de tão fraco que é, filme de violência para crianças, sem história, sem personagens bons, nada, mais vazio que um balão estourado.
    O terceiro nem vou assistir, já sei a merda que vai ser.
    Uma dica: Vai ler mais, aprender interpretar textos. Está precisando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: A Hora da Sua Morte (2020)

Publicados

em

A Hora da Sua Morte

Nos últimos dez anos a Blumhouse deu o tom das produções de terror de baixo orçamento. Fez filmes com boas premissas, elenco iniciante, roteiros ágeis e muito jumpscare. Eis que agora chega às telas “A Hora da Sua Morte” (Countdown), um filme que tem todas essas características, mas que NÃO É da Blumhouse. Talvez até por isso tenha se saído melhor que a média desta produtora. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Rabid (2019)

Publicados

em

Rabid

Quando saiu a notícia que iria rolar um remake de RABID, clássico de ninguém menos que David Cronenberg – filme que aqui no Brasil saiu com o título infame de “ENRAIVECIDA NA FÚRIA DO SEXO” – eu fiquei num misto de curiosidade e medo do que viria. Mas aí vi que essa empreitada seria realizada pelas Irmãs Soska e fiquei bem animado, pois as gêmeas diretoras tem uns filmes cabulosos no currículo.

Nesta nova versão, dirigida por Jen e Sylvia Soska, a partir do roteiro de John Serge no qual elas também assinam, acompanhamos Rose, uma design de moda que se envolve em um acidente e fica com o rosto desfigurado. Sem esperanças de recuperar a aparência e voltar ao mundo da moda, resolve se inscrever numa clínica de estética adepta de um movimento “TRANS-HU-MA-NI-SMO” que não é aceito pela comunidade médica. Como voluntária, acaba se submetendo ao procedimento milagroso que restaura toda estrutura do seu rosto. Não bastasse a aparência, a moça passa a se sentir melhor em todos os sentidos. Mas não demoram a surgir os efeitos colaterais… e eles são pra lá de sinistros.

Em nenhum momento as diretoras escondem sua admiração por Cronenberg. Há referências frequentes de sua obra durante o longa, sendo que uma em especial acaba se destacando de tão gritante que é. E é claro que o sadismo aqui impera, marca registrada das gêmeas cineastas em seus longas anteriores – vide “T IS FOR TORTURE PORN” e “AMERICAN MARY“. E assim como o diretor canadense, as irmãs também são chegadas a um body horror raiz. Aqui, usam e abusam de efeitos práticos pra nos conferir muita nojeira e bizarrice. Em uma cena vemos uma “cobra” e uma axila… e basta dizer que ela dificilmente será esquecida, por exemplo.

Apesar de seguir a mesma premissa do “RABID” original, este remake tem suas diferenças – o que já é esperado – e a mais importante é a forma com que Rose, vivida por Laura Vandervoort (Biten), é construída. Ao contrário do original, nossa protagonista não passa o filme todo assistindo impassiva às transformações que seu corpo e mente sofrem. Aqui, nossa heroína evolui dentro da trama, passando a ter domínio de suas ações, dando força e profundidade à personagem.

O ponto forte aqui tá no desenvolvimento da personagem principal, como já mencionado, e na violência extremamente gráfica toda artesanal, que garante uma seboseira danada com muito sangue em tela. Infelizmente, a maquiagem dá uns vacilos como na deformidade do rosto da protagonista, o que é bastante fake. Há umas cenas toscas aqui e ali, mas os pontos fracos mesmos estão mais em alguns personagens que poderiam simplesmente nem existir, a exemplo do boyzinho que fica enchendo o saco da moça o filme todo.

Esta nova versão de “RABID” peca por tentar acrescentar mais elementos à trama do que ele precisaria de fato, mas nada que estrague a sua experiência. No fim das contas, o remake das Irmãs Soska agrada e acaba fazendo “bonito”. Pena que esta refilmagem passou meio batida pelo público do gênero e pouco se falou a respeito. Quem ainda tá torcendo o nariz e ainda não viu, tá vacilando.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jen e Sylvia Soska
Roteiro: John Serge e Irmãs Soska
Elenco: Laura Vandervoort, Benjamin Hollingsworth, Ted Atherton
Ano de lançamento: 2019

Continue lendo

Resenhas

DVD: Digipack “Coleção O Homem Invisível”

Publicados

em

[Por Osvaldo Neto]

A Classicline é uma distribuidora de home video especializada em cinema clássico com mais de uma década de existência e atividade. Mensalmente, temos lançamentos e relançamentos de filmes que se encontravam ausentes das lojas físicas e virtuais – sejam lançados antes por eles ou outras empresas – assim como produções esquecidas que ganham uma nova vida no mercado. (mais…)

Continue lendo

Trending