conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Tumba Aberta (2013)

Publicados

em

tumba aberta

Tumba Aberta (Open Grave) é um daqueles filmes que começam cheios de mistérios e que nos reservam uma reviravolta no final. Aqui nesse caso, quando o desfecho nos é apresentado, quem tiver prestado o mínimo de atenção na história já terá matado a charada. Não que isso seja um defeito, nem alvo de qualquer crítica maior.

O melhor do longa dirigido por Gonzalo López-Gallego não é o seu desfecho e sim o caminho pelo qual ele nos leva até o final. A história prende a atenção e as cenas são muito bem feitas, sem poupar violência. As atuações também merecem destaques. Principalmente a do protagonista, interpretado por Sharlto Copley, aquele mesmo de Distrito 9.

open1

Acompanhamos a história de cinco pessoas que acordam em uma fazenda. Nenhum deles se lembra quem é, ou como foi parar ali. A única pessoa que não perdeu a memória é uma moça japonesa, mas ninguém consegue arrancar nenhuma informação dela, pois além de muda, mas não surda, não entende uma palavra em inglês.

A partir daí temos esse grupo de pessoas tentando descobrir quem são, como chegaram ali e, o mais importante, como sair. Já que na primeira volta ao redor da fazenda eles já dão de cara com cenas nada agradáveis: como uma mulher raivosa acorrentada em um galpão e alguns cadáveres amarrados em árvores.

open3

O filme é bem competente no que se propõe. Tem uma reviravolta plausível, apesar de abordar um assunto meio clichê nas recentes produções de terror, além de cenas bem sinistras. Talvez não agrade a todos os públicos, mas está bem acima da média dos longas lançados em 2013.

Escala de tocância de terror:

Direção: Gonzalo López-Gallego
Roteiro: Eddie Borey, Chris Borey
Elenco: Sharlto Copley, Thomas Kretschmann, Josie Ho
Origem: EUA

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Pensador Louco

    5 de janeiro de 2014 a 09:44

    Assisti esta semana e gostei bastante. Era um filme daqueles em que não se tem muita expectativa antes de ver, mas me surpreendeu. A resenha ficou excelente, parabéns. 8)

  2. Pingback: COMEMORAÇÃO: 1 Ano | Toca o Terror

  3. Eddie

    30 de setembro de 2014 a 17:15

    Gostei bastante do Sharlto Copley em Distrito 9. Com certeza vou conferir Open Grave. Só to achando dificuldade em achar o filme em Dual Audio. Maldita Mafia da Midia brasileira, que faz passar despercebido filmes como esse.
    Deixo aqui meu Blog para os amantes de filmes de Terror
    Você encontra esse e outros filmes pra baixar em:
    http://www.bautrash.blogspot.com.br/

  4. Eddie Silva

    2 de outubro de 2014 a 23:29

    Assisti o filme hoje, e voltei aqui pra dizer que realmente é muito bom.Quem conferir, não irá se arrepender. Suspense do inicio ao fim.Um prato cheio para os fãs do estilo.

  5. ADMEric Kun

    20 de novembro de 2015 a 12:49

    Acabei de assistir, muito bom o filme

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Grito (2020)

Publicados

em

O grito

Passados 16 anos do lançamento de um remake que rendeu duas continuações (uma delas feita para lançamento em vídeo), temos aqui o quarto filme da franquia americana de “O Grito”. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Color Out of Space (2020)

Publicados

em

Color Out of Space

H.P Lovecraft voltou a ficar em evidência, seja em games como “Call of Cthulhu” (2018) e “The Sinking City” (2019) como em adaptações cinematográficas. Só neste ano de 2020 já tivemos duas obras inspiradas no autor, tendo elementos e personagens de suas obras em “Ameaça Profunda” e agora “Color Out of Space”, uma adaptação direta de um dos seus celebres contos e o motivo desse texto existir. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Trending