conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Vida Após Beth (2014)

Publicados

em

Vida Após Beth

Antes de mais nada, este não é um filme comum pros padrões norte-americanos de comédia nem pros padrões de horror independente. “Vida Após Beth” (Life After Beth) fica num meio termo entre uma coisa e outra mas poderia dizer que é uma “tragicomédia romântica de zumbis”. No entanto, não torça o nariz ainda pra esta frágil definição antes de vê-lo.

“Mas como assim? Eu vou lá ver uma ‘tragicomédia romântica de zumbis’?…”. Se estiver disposto a encarar a estranheza e a critividade do roteiro, vai na fé. Antes de falar do roteiro em si, é bom dizer que “Life After Beth” é uma produção independente dirigida pelo estreante Jeff Baena, que foi selecionado para ser exibido em diversos festivais do gênero pelo mundo por seu conteúdo esquisitão e diversas cenas de humor negro.

Bem, chega de enrolação e vamos aos fatos: Uma garota chamada Beth (Aubrey Plaza) vai passear na mata e é encontrada morta. A breve cena antes dos créditos não apresenta detalhes da morte e só sabemos da causa durante as cenas de seu funeral em diálogos com o namorado que ficou abalado pela notícia.

"Nothing happened. It's normal. You're fine."

“Nothing happened. It’s normal. You’re fine.”

Após o enterro, Zach (Dane DeHaan), o namorado, passa ainda um tempo visitando a casa dos ex-sogros até um dia em que começa a estranhar o comportamento deles ao negar sua entrada. O motivo é que Beth aparentemente voltou à vida e está na casa deles sem que eles saibam exatamente o que aconteceu pra isso. O detalhe é que ela mesma não sabe que está(va) morta.

Daí somos confrontados com o dilema moral e o estranhamento dos personagens naquele estilo “o que você faria nessa situação?”. Afinal, se um ente querido morre e depois reaparece em sua casa intacto sem a menor explicação e sem saber que faleceu, o que se deveria fazer?

É nesta hora que os pais querem resguardar o momento e deixar tudo como está, protegendo-a da verdade e do mundo ao redor. Zach, que até o momento não sabia do que ocorreu, descobre a presença de Beth e fica hesitante entre falar do assunto com ela ou entrar no jogo fingindo que nada aconteceu.

"What do you want to eat?"

“What do you want to eat?”

E um dos melhores diálogos do filme vem desta estranheza do ocorrido entre Zach e os pais de Beth levantando hipóteses sobre se ela ressuscitou ou se virou um zumbi. Este diálogo, por sinal, também nos alivia ao saber que o roteiro não está reinventando a roda e criando novas metáforas pros “mortos-vivos”. Mas como a vida, ops, morte, ops, vida-morte de Beth não tá fácil sem poder sair da própria casa, logo surgem problemas para ela, sua família e o namorado, além da sua inevitável e gradual transformação em um zumbi agressivo.

Se em sua primeira metade, o filme vem num ritmo mais lento para tentar contextualizar o absurdo da situação, na segunda metade começa a piração. É o momento em que o filme deixa de ser “Les Revenants” pra virar “Cemitério Maldito“. Diálogos surreais em contextos “plausíveis” tomam conta do filme, que mostra ainda o ciúme como catalizador da fúria e da fome zumbi e o apreço por “smooth jazz” para acalmar seus ânimos. Falar mais sobre o filme a partir daqui estragaria surpresas como você pode imaginar.

 “I'm a zombie! Zombies eat guys!”

“I’m a zombie! Zombies eat guys!”

O bom é ver que mesmo tendo um elenco de rostos conhecidos em séries e filmes de sucesso – Aubrey Plaza esteve no elenco de “Parks & Recreation”; Dane DeHaan interpretou Harry Osborn em “O Espetacular Homem-Aranha 2” e John C. Reilly já é um daqueles conhecidos das telas – o filme gosta de ousar com cenas de sangue e coloca seus personagens em situações bem incomuns. Pra quem ainda não botou fé, basta dizer que “Life After Beth” é Rated-R! Não espere uma obra-prima, mas também não subestime o potencial dele. Como já foi falado, dentre a média de filmes neste estilo, ele se sobressai.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jeff Baena
Roteiro: Jeff Baena
Elenco: Aubrey Plaza, Dane DeHaan e John C. Reilly
Origem: EUA

TRAILER

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: #Alive (2020)

Publicados

em

Alive

O cinema sul coreano ganhou uma visibilidade incrivel nos últimos anos e hoje não é tão raro ver obras vindas de lá aportarem no cinema. Mas é claro que com a pandemia as coisas foram freadas e alguns filmes estão ganhando destaque via streaming. Este é o caso de #Alive, filme que estreou em seu país na reabertura dos cinemas com bastante êxito e está sendo distribuído mundialmente pela Netflix.

A trama acompanha um jovem rapaz, que sozinho no apartamento da família, tenta sobreviver a uma epidemia mortal que transforma os cidadãos em zumbis sedentos por carne humana. No passar de vários dias, com comida e água acabando e ataques cada vez piores das criaturas, o rapaz coloca em cheque a promessa que fez ao pai de sobreviver. E aos trancos e barrancos ele tentará cumprir o que foi pedido.

#Alive é um bom filme de zumbis que não coloca nada de novo na mesa, mas traz o básico que, em sua maior parte, é competente. O longa não enrola e logo nos primeiros minutos a confusão e o caos predominam. A primeira parte é a melhor, se passando em praticamente um único cenário, mostrando bem a sensação de solidão e medo do personagem com cenas de ação pontuais e mais comedidas. Vale comentar a ótima maquiagem dos monstros que lembram o conterrâneo “Invasão Zumbi” (Train to Busan).

Outra semelhança com o longa de zumbis mais famoso é a ambientação minimalista e o país. Sinceramente, essa sim deveria ser a sequência real dele, pois mesmo não sendo perfeita, se mostra bem superior à continuação oficial, chamanda “Península”.

Os problemas de #Alive vêm à tona em sua segunda metade, onde as sequências de ação se tornam inverossímeis demais (até para um filme de zumbis)… Meio que a produção se rende ao espetáculo ocidental apresentando exageros que tiram a atenção diversas vezes. O clímax acaba sendo forçado e emotivo demais querendo a todo custo arrancar lágrimas do público.

Concluindo… #Alive não é um divisor de águas do gênero, mas é divertido e tenso na maior parte de sua duração. Vale gastar o tempo assistindo as desventuras do protagonista e sua busca pela sobrevivência.

Escala de tocância de terror:

Título original: #Saraitda
Diretor: II Cho
Roteiro: II Cho,Matt Naylor
Elenco: Ah-in Yoo, Shin-Hye Park,Bae-soo Jeon e outros
País de origem: Coreia do Sul

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Dominação (2017)

Publicados

em

Dominação

[Por Felipe Macedo]

Estrelado por Aaron Eckhart e produzido por Jason Blum, “Dominação” (Incarnate) mais uma vez mostra a história de um jovem possuído por um demônio poderoso. Nosso herói aqui luta para derrotar o grande mal e salvar o dia. No entanto, o longa tenta vir com uma promessa de abordar o tema de uma forma diferente do que foi mostrado até hoje. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending